A Liga NOS vai já animada e já na 11ª jornada, altura em que a competição sofre uma paragem de duas semanas para compromissos da Selecção e para se jogar a quarta eliminatória da Taça de Portugal. Esta é, portanto, uma boa altura para fazer balanços, em alguns casos retomar algumas análises ao campeonato português. E numa altura em que joga e se fala da Selecção, interessa olhar para o que os jogadores portugueses têm feito.

Na oitava jornada da Liga já havíamos medido o pulso aos melhores jogadores lusos, com base no desempenho reflectido no nosso algoritmo, o GoalPoint Ratings. Apenas três jornadas passaram desde esse primeiro olhar, é certo, mas as diferenças já são assinaláveis. A “Quinta dos Fernandes”, ou seja, o “onze” que apresentámos à oitava ronda e que tinha cinco jogadores com esse apelido, diluiu-se um pouco, restando apenas três deles. Aliás, sobram somente seis jogadores dessa primeira equipa lusa da temporada, sendo que um deles surge agora numa outra posição no terreno, Ricardo Esgaio, fruto da regular utilização em mais do que uma função.

O núcleo duro do meio-campo mantém-se, sendo que as principais alterações surgem em posições mais adiantadas no terreno. Mas vamos às escolhas, que recaem apenas em jogadores com mais de 460 minutos disputados até ao momento na Liga NOS.

GoalPoint-Xi-portugues-Liga-NOS-201718-J11-infog
Clique para ampliar

 

Ricardo Nunes (Chaves) 6.12 – O guarda-redes flaviense é um dos que se mantém na equipa, apesar de se ter lesionado e ter caído um pouco no nosso rating. Ricardo regista, nesta altura, 3,3 defesas a cada 90 minutos, sendo 60% delas a remates aos ângulos da baliza. Apresenta ainda uma eficácia de saídas pelo ar e ao solo de 100%. Porém, atenção a Quim 6.07, Moreira 6.01 e Rui Patrício 5.99, que estão no encalce.

Ricardo Pereira (FC Porto) 6.55 – O lateral-direito portista tem vindo a crescer com a época, e o 9.4 da nona jornada tem um peso grande na entrada nesta equipa lusa. Neste momento é o lateral português com mais ocasiões flagrantes criadas a cada 90 minutos (0,9) e também aquele que, na nossa Liga, consegue mais desarmes em média (3,5). A “concorrência” interna, ao contrário da da selecção, vem bastante longe: André Almeida 5.86

Nuno Tomás (Belenenses) 5.53 – Os defesas-centrais nem só para defender servem, e Nuno Tomás, que entra agora neste “onze” luso, sabe disso muito bem. O jovem do Belenenses soma já dois golos na Liga e uma assistência, e destaca-se lá atrás, nos alívios, com 5,8 a cada 90 minutos, e nos duelos aéreos defensivos (3,3 a cada 90 minutos, com 76% de eficácia). Miguel Vieira (Paços de Ferreira) tem o mesmo rating, mas “perdeu” à milésima.

Rúben Fernandes (Portimonense) 5.82 – Um dos Fernandes do último “onze” luso que mantém o lugar. O central dos algarvios melhora um pouco o seu rating, pelo que é o melhor central português nesta equação, muito por culpa dos golos que marca. São já três, o que o torna no terceiro melhor marcador do Portimonense, e ainda regista uma assistência.

Fábio Coentrão (Sporting) 5.86 – O lateral-esquerdo do Sporting desalojou Nuno Sequeira do lugar, porque o bracarense (também) se lesionou. Mesmo com os problemas físicos, o internacional português destaca-se a atacar (uma assistência), na segurança do passe (85% de eficácia, o mais alto entre os laterais), e na defesa, onde regista 3,1 desarmes e 2,1 intercepções a cada 90 minutos, com uma reduzidíssima percentagem de desarmes falhados (9,5%).

Danilo Pereira (Porto) 5.91 – O “trinco” portista está em todas. Após ter sido o primeiro português a integrar um “onze” da jornada da presente Liga dos Campeões, Danilo defendeu com sucesso a sua presença na nossa equipa lusa, apesar da pequena descida no rating. Um autêntico esteio do “dragão”, neste momento soma um golo, é um dos médios defensivos lusos com mais duelos aéreos defensivos por 90 minutos (2,7), com 77% de eficácia, e regista 5,5 recuperações de posse. William Carvalho 5.87 não vem longe.

Pizzi (Benfica) 6.38 – O médio do Benfica divide opiniões. Neste momento atravessa um período complicado de forma, mas o bom arranque de época mantém ainda o seu rating a um nível elevado, pelo que é um dos sobreviventes da equipa da oitava ronda. É o médio com mais acções com bola a cada 90 minutos (95,4), regista duas assistências, 2,4 passes para finalização (p/90min), o máximo entre médios portugueses, e 8,2 recuperações de posse (também o valor mais alto).

Bruno Fernandes (Sporting) 6.89 – O melhor jogador português da Liga NOS até ao momento. Caiu ligeiramente no rating, o que é natural face à cadência de golos de Bruno no arranque da Liga, mas continua com números impressionantes. Neste momento soma seis golos na Liga, duas assistências, é o médio português que mais remata a cada 90 minutos (2,7), sendo 1,5 de fora da área, e é o que mais disparos enquadra (1,3), 83% dos quais colocados.

Ricardo Esgaio (Sp. Braga) 6.33 – No anterior “onze” luso, Esgaio surgia na equipa como o melhor lateral-direito. Acontece que a sua utilização no Braga tem variado entre a defesa e zonas mais adiantadas no terreno. Assim, Esgaio acaba por assumir o lugar de médio/extremo direito, por ser o português com melhor rating nesta posição. É ainda o jogador da Liga, entre portugueses e estrangeiros, com mais assistências, cinco, a par de Paulinho, do Portimonense. Soma um golo e bate todos os alas lusos em passes para finalização por 90 minutos (1,8). Gelson Martins 5.92, o segundo melhor, ainda vem longe

Fábio Martins (Sp. Braga) 6.42 – A sua utilização no Braga tem sido intermitente, devido à rotação que Abel Ferreira imprime ao plantel, mas quando aparece o extremo-esquerdo tem estado em grande destaque. Soma dois golos e duas assistências, mas os números mostram também que é o jogador luso da sua posição que mais ocasiões flagrantes cria por 90 minutos (0,5) e passes para finalização (2,5 – 2,0 de bola corrida). Ainda é dos melhores extremos a defender, com um impressionante registo de  3,5 desarmes por jogo. À “espreita” está Rúben Ribeiro 6.00.

Tomané (Tondela) 5.49 – Três golos e três assistências é o registo mais relevante de Tomané, que desalojou o bracarense Paulinho da posição de ponta-de-lança. O jogador é o que mais remata a cada 90 minutos (3,5) e soma 1,3 passes para finalização. Gonçalo Paciência, chamado por Fernando Santos à última hora, aparece logo de seguida com 5.44.

Conheça também os jogadores que melhores desempenhos tiveram na 11ª jornada da Liga NOS.

Confira, igualmente, jogo a jogo, os números que justificam a eleição dos melhores, na tabela de acompanhamento dos jogos GoalPoint, actualizada poucos minutos após o término de cada encontro da Liga NOS! Pode também encontrar todo o histórico da época neste “link”.

LIGA NOS | J11STATGPRMVP
0-1
1-1
3-2
0-2
2-0
4-2
0-1
1-3
2-2