A Liga portuguesa é, tradicionalmente, um campeonato exportador de talento. Para este facto ser verdade, muitos são os jovens que se têm afirmado na prova antes de darem o ambicionado salto, ou para o estrangeiro, ou para um dos principais clubes nacionais. Todos os anos surgem jovens jogadores a dar nas vistas, e 2017/18 não é excepção. Já falámos de alguns, mas importa olhar para o panorama actual e para o desempenho dos mais novos.

Com base no nosso GoalPoint Ratings, analisámos os jogadores que, com um mínimo de 500 minutos disputados na Liga NOS, se têm destacado no escalão etário Sub-23, ou seja, que tenham 23 anos ou menos. Para este “top 5”, definimos como critério de selecção de jogadores a data de nascimento de 1 de Janeiro de 1994 como o limite, o mesmo que foi estabelecido pela UEFA para jogadores elegíveis a participar no EURO Sub-21 de 2017, na Polónia, embora actualmente alguns deles já tenham 23 anos.

Portugueses há só um entre os cinco com melhor desempenho estatístico, e dois nos primeiros dez. E o destaque vai para o Portimonense, que coloca dois elementos nos cinco primeiros, e para o Sporting, com dois nomes no “top 10”.

GoalPoint-Top-Sub-23-Liga-NOS-201718-J11-infog
Clique para ampliar

Bruno Fernandes (08/09/1994) – O médio do Sporting é o melhor até ao momento neste escalão etário que observamos. Seis golos, quatro de fora da área, duas assistências, duas ocasiões flagrantes criadas e 2,2 passes para finalização a cada 90 minutos. Aos 23 anos, é um dos esteios deste Sporting de Jorge Jesus, logo na primeira temporada de leão ao peito.

Franco Cervi (26/05/1994) – Pela segunda temporada consecutiva começou em bom plano, a titular, mas acabou por ir perdendo espaço no Benfica de Rui Vitória. Contudo, continua a ter estatísticas de respeito e é o segundo melhor na Liga NOS entre os Sub-23. O argentino regista um golo e três ocasiões flagrantes criadas, mas tem outras valias importantes, como os 2,5 desarmes (por 90 mins), 5,8 recuperações, os 2,8 passes para finalização (o máximo neste escalão etário) e os 3,7 cruzamentos (24% de eficácia).

Shoya Nakajima (23/08/1994) – Talvez a grande surpresa desta Liga NOS. O jovem japonês chegou, viu e venceu, com algumas exibições muito bem conseguidas, inclusive frente a Benfica e FC Porto. Com quatro golos, duas assistências, dois passes para finalização por cada 90 minutos e uma ocasião flagrante criada, Shoya é uma das figuras do Portimonense. Destaca-se, sobretudo, no drible, com 5,2 tentativas e 39% de eficácia nas mesmas, e regista três remates a cada 90 minutos.

Raphinha (14/12/1996)– O mais jovem deste “top 5”. O extremo do Vitória de Guimarães tem apenas 20 anos, mas mostra uma personalidade bem mais madura. Totalista pelos vimaranenses, é o melhor marcador da equipa, com seis golos e 75% de ocasiões flagrantes convertidas, e soma uma assistência e duas ocasiões flagrantes criadas.

Paulinho (10/07/1994) – Segundo jogador do Portimonense desta lista. O médio-ofensivo brasileiro é, a par de Ricardo Esgaio, do Sp. Braga, o jogador com mais assistências na Liga NOS, cinco, mais três ocasiões flagrantes criadas e dois golos, e equipara-se a Cervi nos passes para finalização, registando 2,8 por cada 90 minutos.

Menções honrosas

Muitos outros jovens ficaram de fora deste “top 5” mas merecem referência pela qualidade que têm apresentado. Um deles é Lucas Evangelista 6.07 (06/02/1995). O médio brasileiro do Estoril tem destoado da crise “canarinha”, a defender e a organizar jogo. Danilo Barbosa 6.04 (28/02/1996) é um dos esteios do Sp. Braga, e ainda há pouco marcou um grande golo em Alvalade (soma dois). O outro português num “top 10” deste escalão etário é Gelson Martins 5.92 (11/05/1995), extremo leonino que regista três golos, duas assistências e três ocasiões flagrantes criadas. E, para terminar, dois jovens brasileiros: Cláudio Falcão 5.92 (03/07/1994) tem dominado o meio-campo do aflito D. Aves, tendo marcado um golo e sido MVP na última jornada; e Murilo 5.83 (12/05/1996). O extremo do Tondela já vai em quatro golos, a que acrescenta uma assistência.