goalpoint-boavista-sporting-liga-nos-201617-ratings
Clique para ampliar
goalpoint-boavista-sporting-liga-nos-201617-mvp
Clique para ampliar
goalpoint-boavista-sporting-liga-nos-201617-45m
Clique para ampliar
goalpoint-boavista-sporting-liga-nos-201617-90m
Clique para ampliar

O Sporting venceu o Boavista fora por 1-0, num jogo que os “leões” dominaram, mas também complicaram nos instantes finais, com a (já habitual) dupla de “influentes” Gelson e Bas Dost a assegurarem o golo essencial à conquista dos três pontos.

O Jogo explicado em Números 📊

  • O jogo iniciou-se combativo, com sete faltas nos primeiros 17 minutos. Os “leões” chegaram aos quatro remates por esta altura, um deles uma ocasião flagrante desperdiçada por Bas Dost, que levou a bola ao poste “axadrezado” na melhor ocasião até então. Apesar da maior preponderância de Gelson, os “leões” carregavam por ambos os flancos de forma equilibrada (39% esquerdo, 38% direito). Os boavisteiros tentavam explorar sobretudo as subidas de Zeegelaar (72%).
  • O acentuar do domínio leonino seria culminado aos 25 minutos numa sociedade pouco surpreendente: Gelson cruzou, Bas Dost cabeceou para o golo. O Sporting somava nesta altura oito remates e detinha 65% da posse no Bessa. As “panteras” continuavam sem rematar.

  • Aos 39 minutos surgiu o único “susto” para os “leões” no primeiro tempo, com um cruzamento que acertou no poste de Patrício, seguido do único remate “axadrezado”, por cima. Os “leões” chegavam ao intervalo com dez remates, dois à baliza, e apenas perdiam para os da casa em pontapés de canto (4-2).
  • Intervalo A meio da partida o GoalPoint Ratings parecia “calculado a lápis”: equipa dos “leões” para um lado (acima dos 5.0, com excepção de Patrício), boavisteiros para o outro (abaixo dos 5.0, com excepção de Aghayev), o que quantificava a superioridade estatística dos “verde-e-brancos”. À cabeça, Gelson 6.4 e Bas Dost 6.0, seguidos de perto por William Carvalho.
  • A segunda parte trouxe menor actividade ofensiva. O Sporting continuou a procurar o golo mas, aos 70 minutos, o jogo registava apenas um remate na segunda etapa. Nesta fase, para lá de Gelson, iam-se destacando Zeegelar (seis dribles ganhos em seis até então!) e William, que para lá das habituais capacidades também somava cinco ieficazes em cinco.

  • O jogo ganharia novo ânimo pouco depois, com Bruno César a enviar a segunda bola leonina aos ferros. Pouco depois Bas Dost chegaria atrasado à emenda a um cruzamento, na procura do segundo golo que traria outra calma. Os “leões” mantinham a posse (66%).

  • Os últimos minutos foram marcados por maior pressão “axadrezada”. Os da casa assumiram maior controlo do meio-campo e a expulsão por acumulação de amarelos de Rúben Semedo obrigou os “leões” procurarem fechar as portas da sua baliza, o que conseguiram sem grandes percalços.

O Homem do Jogo 👑

Os ratings da partida foram dominados por Gelson Martins e William Carvalho durante boa parte do encontro, mas no final foi o somatório do trabalho defensivo do incansável capitão Adrien Silva  7.1 a sobressair: 65 passes dos quais 50 certos, 14 duelos ganhos em 19 disputados, seis desarmes e cinco intercepções.

Jogadores em foco 🔺🔻 

  • Gelson Martins 6.7 – Mais uma noite “endiabrada” na Liga. Para lá da assistência decisiva, a quinta na época, somou ainda sete dribles em dez tentativas e dois passes para ocasião. Cada vez mais essencial.
  • Marvin Zeegelaar 6.7 – O lateral atravessa um bom momento de forma que já tinha sido visível no último compromisso europeu. No Bessa não só manteve uma eficácia de passe de 89% como concluiu todos os dribles que tentou. E foram seis!
  • William Carvalho 6.7 – Outro “leão” em aparente crescendo de forma, o médio-defensivo recuperou a bola 13 vezes, ganhou 11 duelos e ainda igualou o registo de Zeegelaar no que toca a dribles eficazes (6), um feito invulgar no seu registo.
  • Bas Dost 6.5 – Pode não ser o trabalhador que víamos em Slimani, mas o holandês vai fazendo o que dele mais se espera: golos. Hoje fez um em dois remates e ainda realizou dois passes para ocasião para os colegas, recuperando até quatro vezes a posse.