Quem nos acompanha há algum tempo recordará uma rubrica semanal que, nas anteriores épocas, preenchia a nossa agenda analítica: o Barómetro GoalPoint, através do qual comparávamos o desempenho acumulado dos crónicos candidatos ao título, a cada jornada.

Pois por maior interesse que para nós tenha o tema, a análise do Barómetro a cada ronda tornava-se um pouco fastidiosa editorialmente, pelo que este ano optamos por um novo formato, mais espaçado, para a também permitir aos nossos leitores identificar de forma mais clara as particularidades e variações do desempenho de Benfica, Porto e Sporting.

Avançamos sem mais demoras para os resultados do primeiro Barómetro GoalPoint da Liga NOS 16/17, baseados em dados recolhidos pela Opta e por nós tratados, após decorridas dez jornadas, sendo que convidamos todos os leitores a conferirem as nossas definições de variáveis.

1 Remate e Concretização

goalpoint-barometro-liga-nos-201617-4-concretizacao-infog
Clique para ampliar

O Sporting é a equipa que melhor aproveita até agora os remates que soma. Os 20 golos obtidos pelos “leões” representam cerca de 15% dos disparados efectuados pela equipa. Mas a taxa de concretização não explica tudo, pois os “verde-e-brancos” somam menos três golos que o Benfica. Se atentarmos na quantidade de remates efectuados e, em especial à frequência com que as equipas disparam de forma enquadrada com a baliza, percebemos que, à falta de maior eficácia, a quantidade também compensa: o Benfica soma 184 remates em dez jornadas, contra 162 do FC Porto e apenas 132 do Sporting.

2 Criação de ocasiões

Clique para ampliar
Clique para ampliar

Os “dragões” são, com larga margem, o candidato que mais ocasiões flagrantes (1×1 ou 1×0, em frente à baliza) criou até ao momento o que, olhando a tabela classificativa, e até ao último clássico, ajuda de imediato a perceber porventura a principal razão que afasta o produtivo Porto do topo da tabela: o aproveitamento. É que, como se pode constatar nos indicadores seguintes, os portistas são os que mais desperdiçam ocasiões “infalíveis”, o que também sucede ao líder Benfica só que, como se pode constatar, os “encarnados” aproveitam melhor do que os rivais as restantes ocasiões… menos flagrantes, sendo também o emblema que mais vezes coloca um jogador em ocasião de remate, através do passe.

Na próxima página: defesa, faltas, penáltis e claro, os ratings