goalpoint-sporting-braga-liga-nos-201617-ratings
Clique para ampliar
goalpoint-sporting-braga-liga-nos-201617-mvp
Clique para ampliar
goalpoint-sporting-braga-liga-nos-201617-45m
Clique para ampliar
goalpoint-sporting-braga-liga-nos-201617-90m
Clique para ampliar

O Sporting de Braga foi a Alvalade bater o Sporting CP e assumir o terceiro lugar da Liga NOS, num jogo em que Abel regressou para fazer o papel de Caim, na sua estreia como treinador principal na Liga, apresentando um conjunto defensivamente organizado e ofensivamente mortífero. Os “leões” caem para o quarto lugar, com os mesmos pontos do Vitória de Guimarães.

O Jogo explicado em Números 📊

  • As duas equipas entraram bem no jogo no plano ofensivo, com Wilson Eduardo e Bryan Ruiz a protagonizarem ocasiões flagrantes de golo nos primeiros minutos, isto apesar do natural domínio leonino (77% de posse). Os bracarenses tentavam colocar a bola com rapidez nos homens da frente e, ao quarto-de-hora, Wilson Eduardo voltaria a dispor de uma ocasião soberana, desperdiçada. O “leão” dominava mas o Braga produzia mais e com mais perigo, com cinco “guerreiros” a liderar os ratings nesta fase.

  • O Sporting ia falhando mais passes do que o habitual (82% de eficácia, valor baixo para o habitual dos “leões” em casa), com os “guerreiros” a aproveitarem sob o comando do veterano Alan, ponto de partida dos contra-ataques visitantes. Os “leões” procuravam sobretudo o cruzamento, com João Pereira (3) e Joel Campbell (4) como os mais insistentes.

  • Intervalo Apesar do domínio da bola (68%), os “leões” chegaram ao intervalo com apenas um remate enquadrado, contra dois dos bracarenses. A desinspiração ofensiva transversal fazia-se notar nos ratings. Os recorrentes passes e cruzamentos falhados quebravam a dinâmica leonina, enquanto lá atrás era Coates 5.9 (100% de duelos ganhos) a somar o melhor rating (vantagem de centésimas) e a evitar maior perigo no contra-ataque bracarense, com William Carvalho 5.9  (97% de passes certos) a cotar-se como o segundo melhor “leão”. Do lado bracarense destacavam-se Vukcevic 5.9  (cinco duelos ganhos) e Alan 5.7 (uma ocasião flagrante criada).
  • Com Douglas no lugar de Semedo (por lesão), a formação leonina entrou forte na segunda parte, com Gelson a levar a bola ao poste, de cabeça, aos 49 minutos, já após um primeiro cabeceamento de Coates que testou os reflexos de Matheus. Aos 61 seria a vez de Bryan Ruiz chamar o guardião brasileiro ao serviço, novamente de cabeça. O Sporting somava tantos remates aos 62 minutos (4) como em toda a primeira parte mas a bola não entrava. O Braga defendia bem, mas já não atacava.

  • Aos 70 minutos surge o golpe de teatro: em mais um perigoso contra-ataque o Braga leva a bola a bater no poste direito de Rui Patrício para, na sequência da jogada, Wilson Eduardo bater o campeão europeu com um disparo cruzado de fora da área, no primeiro remate enquadrado visitante na segunda metade.

  • Os “leões” carregariam até final mas sem clarividência, e até foram os bracarenses a dispor de uma ocasião flagrante para aumentar a vantagem em cima do apito final, num jogo em que as principais unidades do Sporting pareceram acusar fadiga, física e mental.

O Homem do Jogo 👑

O homem do jogo  GoalPoint Ratings acabou por ser Sebastián Coates, com  8.0 , uruguaio que pelo desempenho defensivo (e até ofensivo) apresentado não merecia a derrota. O central venceu os 11 (!) duelos que disputou, cinco deles aéreos, somou quatro desarmes e ainda tentou colmatar a desinspiração ofensiva dos colegas, totalizando quatro remates, dois deles enquadrados.

Jogadores em foco 🔺🔻 

  • Bryan Ruiz 6.8 – Estava a ser o “leão” mais perigoso até sair, com dois remates enquadrados e três passes para ocasião. Destacou-se ainda na marcação dos cantos, com seis eficazes.
  • Joel Campbell 6.5 – Primeira parte apagada, mas melhorou muito na segunda. Acabou com sete faltas sofridas, três delas em zonas perigosas, igualando o recorde da Liga NOS.
  • Wilson Eduardo 6.0 – Foi o homem decisivo do jogo, mas a sua nota acaba por ser prejudicada pelo golo que falhou isolado logo no início da partida e pelos dez duelos que perdeu.
  • Gelson Martins 5.7 – O diabo à solta do costume, mas precisa de definir melhor as jogadas. Nenhum dos seus quatro remates saiu enquadrado, e falhou ainda as suas cinco tentativas de cruzamento.