Mundial 2014: quem ganhou a “copa” dos sistemas tácticos?

O Mundial 2014 representou um surpreendente regresso aos sistemas assentes em três centrais, mas quais foram, de facto, as opções tácticas mais utilizadas e as que garantiram maior sucesso?

Van Gaal foi um dos treinadores que optou por um esquema de três centrais neste Mundial (foto: AGIF/Shutterstock)
Van Gaal foi um dos treinadores que optou por um esquema de três centrais neste Mundial (foto: AGIF/Shutterstock)

Os sistemas tácticos de três centrais julgavam-se perdidos, à beira da extinção, depois de uma década de 90 em que pareciam querer tomar conta do futebol. A Argentina, de Carlos Bilardo, surpreendeu tudo e todos ao surgir pela primeira vez com um sistema de três defesas-centrais, em 3-5-2. Ideia que sustentou a cavalgada triunfal de Maradona e companhia rumo ao título no México 86.

O Mundial de 1990 provou ser o da “moda” do 3-5-2, com dois laterais bem abertos e subidos. A Alemanha arrecadou a taça neste sistema e repetiu-o em 1996, no Europeu de Inglaterra. Até Bobby Robson, no Itália 90, rendeu-se a este esquema táctico. Sven-Göran Eriksson foi expectador atento da prova e tentou introduzir esta nova ideia no Benfica de 1990/91, com pouco sucesso – quase lhe custou o título em casa, na recepção ao Sporting (1-1), logo após o triunfo por 2-0 no Estádio das Antas. Mas aos poucos começou a desaparecer, pela dificuldade em apresentar laterais com capacidade física para fazer todo um corredor e porque começaram a estar em voga os esquemas de apenas um ponta-de-lança, tornando desnecessários tantos defensores.

Regresso ao passado

Surpreendentemente, muitas das equipas que se apresentaram no Brasil 2014 recuperaram o esquema de três centrais. Com variantes, muitas, desde as mais conservadoras – a Costa Rica não desfez o seu 5-4-1 sólido – às mais audazes – a Holanda chegou a apresentar-se em 3-4-3 e mesmo 3-3-4. Olhando para os números, deparamo-nos com 22 ocasiões em que equipas usaram três centrais – em alguns casos as duas selecções em simultâneo. O desempenho dessas equipas é, no total, de 11 vitórias, sete empates e quatro derrotas, com 30 golos marcados e apenas 14 sofridos.

Costa Rica (cinco golos), Holanda (15), Uruguai (quatro), Chile (seis), México (cinco), Itália (dois), a própria Argentina (oito) – mas apenas no primeiro jogo – apresentaram-se neste esquema, e a performance atacante destas selecções remete, de novo, para 1990, o Mundial dos três centrais, que é ainda o que pior média de golos teve até hoje: 2,21 por jogo. Este grupo de equipas não se destaca pela veia goleadora, com excepção para a Holanda, embora se trate de um caso especial, pelo seu pendor ofensivo – marcou 15 golos, sendo a segunda com mais tentos, atrás da campeã Alemanha (18).

Defensivamente, porém, o sistema resulta… até certo ponto. Costa Rica (dois), México (três), Itália (três), Holanda (quatro), Argentina (quatro), Chile (quatro), Uruguai (seis) sofreram poucos golos, muito por culpa de a principal estratégia dos adversários neste Mundial passar pela utilização de um ponta-de-lança apenas. Foram usados 74 esquemas com apenas um avançado em cunha, em 64 jogos. No total, em 57,8% das vezes as equipas apresentaram-se com um homem só na frente. Não espantam os oito prolongamentos registados, recorde que pertencia ao… Mundial de 1990.

Sistemas utilizados pelas selecções presentes no Mundial 2014

SistemaNº utilizações
4-2-3-152
3-5-2 / 5-3-211
4-5-112
4-3-321
4-4-29
4-2-42
4-2-2-23
5-4-15
3-4-31
4-3-2-12
4-4-1-13
3-5-25

A lei do mais forte: o 4-2-3-1

No final, esta consistência defensiva de pouco valeu, pois das selecções que usaram regularmente os três centrais, apenas a Holanda (a mais ofensiva) chegou às meias-finais e a Costa Rica aos “quartos”. O grande “vencedor” foi mesmo o 4-2-3-1, utilizado em 52 ocasiões, seguindo-se o 4-3-3. Se levarmos em conta que este foi o esquema táctico preferido de Alejandro Sabella e da sua Argentina, e que o 4-3-3 da Alemanha foi, em grande parte das vezes, um 4-2-3-1 declarado, fica claro qual a tendência dominante desde Brasil 2014. E daqui podemos partir para outras discussões… como por exemplo a aparente “crise existencial” em que se encontram os tradicionais, os puros pontas-de-lança, os números 9, cada vez mais escassos.

Selecções como a Inglaterra, Alemanha e Holanda, elas próprias deixaram cair este espécime raro, com excepções de Miroslav Klose e Klaas-Jan Huntelaar. Se a lógica dos anos 90 imperar, este pode ser o ponto de partida para mais um abandono do esquema de três centrais.

PARTILHAR
Pedro Tudela
Profissional freelancer com 19 anos de carreira no jornalismo desportivo, colaborou, entre outros media nacionais, com A Bola e o UEFA.com.