Quer esteja connosco desde o início ou nos tenha descoberto há pouco tempo, de certeza que já se apercebeu que não estamos nisto para ser apenas mais um site. Gostamos de fazer diferente e bem, porque também nós já estivemos do seu lado e acreditamos que é possível prestar-lhe um serviço a si, como leitor, e ao próprio futebol, com mais qualidade, mais rigor, mais focado no “desporto-rei” e não tanto nos fait-divers que o rodeiam.

O GOALPOINT RATINGS é mais um projecto que surge nesse contexto e que tinhamos em mente desde que a GoalPoint Partners era ainda um rascunho num papel. Após meses de “contas” e testes atingimos o estágio em que podemos avançar, mais cedo até do que prevíamos. Estamos satisfeitos com o facto e acreditamos que quem nos acompanha ganhará ainda mais razões para nos seguir e partilhar.

Graças à nossa parceria com a Opta dispomos de um retrato fiel e atempado de todas interacções que um jogador tem com a bola ao longo do jogo (e não são poucas, falamos de quase duas centenas) e com o projecto GOALPOINT RATINGS o que pretendemos é transformar um conjunto infindável de números e percentagens em apenas um só. Uma nota de 1 a 10 que espelhe a qualidade do desempenho de cada jogador no tempo que esteve em campo: o Rating Goalpoint.

Mas para melhor compreender em que consiste o GOALPOINT RATINGS nada como responder a um conjunto de perguntas que provavelmente nos faria, caso lhe estivessemos a comunicar esta novidade enquanto tomávamos um bom café. Vamos a isso.

Vão fazer a mesma coisa que os jornais, dar “notas” aos jogadores, é isso?

Mais ou menos. Vamos dar “notas” aos jogadores (e às equipas) sim, mas não da mesma forma como a imprensa as atribui.

Os media atribuem notas por mera observação e seguindo um ponto de vista editorial, não estritamente futebolístico. Ou seja, por um lado classificam sem terem em conta (devidamente calculada) toda a informação de desempenho de que dispomos e, por outro, dão (natural) maior relevância a certos eventos que, de um ponto de vista jornalístico, a têm mas que, no plano futebolístico, não traduzem a real prestação de um jogador ao longo do tempo em que esteve em campo. A classificação editorial, eminentemente subjectiva, contempla ainda a questão da “expectativa” e “estatuto”, que ora prejudica (ou beneficia) os nomes consagrados na hora de avaliar o seu desempenho.

Ambas as abordagens são legítimas e servem propósitos diferentes mas… coloque-se no papel de um treinador: o que lhe é mais útil? Uma nota influenciada por factores subjectivos e estéticos ou uma avaliação ponderada, “rica” e comparada de tudo o que um jogador fez ao longo do tempo em que esteve em campo? A resposta é fácil e nós nunca o escondemos: estamos aqui para pensar, calcular e oferecer futebol objectivo, mensurável, por mais que apreciemos o “futebol arte”.

Como é calculado o Rating Goalpoint?

A todas as acções efectuadas por um jogador atribuímos um ponderador positivo ou negativo, de acordo com a importância que cada acção tem para o desenrolar do jogo e do resultado final. Golos, assistências e recuperações de bola são alguns exemplos de acções positivas, mas há outras como dribles, cruzamentos ou duelos que podem ter associado um factor positivo ou negativo consoante a eficácia das mesmas. Passes falhados, autogolos ou acções disciplinares são invariavelmente negativos. Estes são apenas alguns exemplos de um conjunto alargado de variáveis e formas de as interpretar que, no seu conjunto, contribuem para o algoritmo GoalPoint que desenvolvemos e que agora permite o lançamento do GoalPoint Ratings.

Qual é a nota média esperada?

Numa escala de 1 a 10 a nota 5,5 é a nota intermédia, por mais que estejamos habituados a classificações (desportivas e não só) que nos empurram para outras lógicas. Sendo a distribuição das notas aproximadamente normal, é de esperar que a maioria dos jogadores se situe entre o 5 e o 6 como se pode ver pelo gráfico. Notas acima de 6 já devem ser consideradas exibições positivas, e acima de 7 muito boas. Tudo o que seja de 8 para cima são exibições de levantar o estádio.

GoalPoint Ratings 2014/15
Distribuição das notas GoalPoint Ratings aplicadas ao total de jogadores da Liga NOS 2014/15
O Rating GoalPoint tem em conta variáveis de estilo?

Tal como o placard do estádio, o Rating GoalPoint não distingue um golo bonito de um golo feio pois ambos contam o mesmo para o resultado final. Pedaladas ou toques com o nariz também não têm contribuição positiva a não ser que o adversário se deixe ultrapassar. Este é um bom exemplo da complementaridade entre uma nota editorial (de um jornal) e o Ratings GoalPoint. Nós gostamos (como ninguém) de um bom golo de bicicleta mas sabemos que, cruamente, conta exactamente o mesmo para o resultado final do que um marcado com a coxa, menos aliás, caso não contribua tão decisivamente para o resultado final de um encontro.

O algoritmo GoalPoint Ratings é uma “obra acabada”?

Não. Queremos continuar a melhorar, sempre. E quando acreditarmos que estamos perto de atingir a perfeição (se é que ela existe), provavelmente já a “ciência” de recolha de dados de desempenho terá evoluído ainda mais, oferecendo-nos novas variáveis para analisar. E isso entusiasma-nos. O GoalPoint Ratings é, no fundo, o nosso sistema operativo que lhe oferecemos, mas que queremos continuar a desenvolver, eternamente se possível porque…. vivemos futebol.

Quando serão disponibilizados os GoalPoint Ratings de um encontro?

Os GOALPOINT RATINGS de cada encontro acompanhado pelo GoalPoint na Liga NOS, competições europeias e compromissos oficiais da Selecção de Portugal serão disponibilizados juntamente com a nossa análise e números do encontro, após o término do mesmo, normalmente entre uma a duas horas após o término da partida.

O pontapé de saída do GoalPoint Ratings acontece na quinta jornada da Liga NOS, mais precisamente no (bem a propósito) FC Porto – SL Benfica. Acompanhe-nos, partilhe esta novidade com quem gosta tanto de futebol como nós e deixe-nos o seu feedback. Obrigado!