Findo o mês inicial de competição, publicámos o primeiro Barómetro dos “grandes”, e desde logo ficou a promessa de regressarmos ao tema mas numa versão mais alargada, incluindo todos os clubes que disputam a Liga NOS 2017/18. Sem prejuízo de uma revisão do contexto específico dos clubes que lutam de forma crónica pelo título, eis essa primeira visita ao comparativo de toda a Liga, aproveitando a interrupção que precede a nona jornada.

Cinco variáveis seleccionadas ajudam a perceber a regra e as excepções, quando comparamos a classificação da Liga com o desempenho efectivo dos emblemas que a disputam. Percorra-as connosco.

Quanto chutam até marcar um golo?

GoalPoint-Barometro-Liga-NOS-Jornada-8-ocasioes-remates-por-golo-marcado-infog
Clique para ampliar

A eficácia de concretização é, naturalmente um dos indicadores centrais no futebol. No GoalPoint costumamos expressá-la através da percentagem de remates concretizados em golo, mas desta feita optamos por apresentar o número de remates que cada equipa soma, em média, para marcar um golo, dando assim ao mesmo tempo uma noção de quantidade. Alguns destaques:

  • O Sporting lidera um indicador no qual já havia terminado por cima na época passada (com 6,2 remates por golo), com o líder FC Porto a melhorar ligeiramente o desempenho (7,9 em 2016/17), mas com uma nota: por esta altura, o “dragão” somava um registo bem menos eficaz há um ano, o qual só recuperou na segunda metade da Liga.
  • Se há quem procura na defesa todas as razões para os problemas do Benfica, aqui fica uma nota: a “águia” precisa neste momento de somar mais 1,6 remates por golo face ao desempenho da época passada. Parece pouco mas não é, olhando os dados que fazem os campeões na nossa Liga.
  • Se o registo positivo do Sporting de Braga acaba por não espantar (os “guerreiros” terminaram 2016/17 com 7,16 remates por golo), já Vitória de Guimarães e Tondela surpreendem, o primeiro pela negativa e o segundo pela positiva. Os “conquistadores” estão muito longe dos 7,9 remates por golo da Liga passada; já os tondelenses apresentam aqui um dos primeiros indicadores que explicam a (meia) injustiça que por vezes existe no futebol, entre o produzido e a classificação.

Na próxima página, que equipas criam e aproveitam melhor as ocasiões flagrantes