GoalPoint-Besiktas-Porto-Champions-League-201718-Ratings
Clique para ampliar
GoalPoint-Besiktas-Porto-Champions-League-201718-MVP
Clique para ampliar
GoalPoint-Besiktas-Porto-Champions-League-201718-90m
Clique para ampliar

O FC Porto arrancou um difícil e precioso empate (1-1) na visita ao Besiktas, num ambiente fervoroso em Istambul. Os “dragões” preencheram bem o meio-campo e equilibraram a partida; marcaram primeiro, por Felipe, mas deixaram-se empatar perto do intervalo, por Talisca. A segunda parte pertenceu por completo aos anfitriões, que poderiam ter marcado nos primeiros 15 minutos da etapa complementar, mas os portistas controlaram os acontecimentos desse momento até final. Com este resultado, o Porto guarda para a última jornada o seu destino no Grupo G da Liga dos Campeões.

O Jogo explicado em Números 📊

  • Jogo equilibrado e muito táctico no arranque em Istambul. Por volta dos dez minutos o FC Porto registava 49% de posse, apesar da tentativa da formação turca em pressionar o seu adversário. “Dragões” com muita gente no meio-campo a dificultarem a tarefa contrária.

  • Primeiro remate perigoso do Besiktas apenas aos 19 minutos, por Ryan Babel, mas nesta fase era o Porto que mais dominava, com 51% de posse e quatro bolas na área turca, contra três no outro extremo do campo.
  • Por esta altura o Besiktas apostava tudo nos cruzamentos de bola corrida (cinco contra um do Porto), daí que Talisca passasse um pouco ao lado do jogo. O grande problema dos portistas era, porém, os dois amarelos vistos aos 22 minutos, um para Sérgio Oliveira (9′), outro para Maxi Pereira (22′).

  • Antes dos golos, o Besiktas conseguia maior ascendente, com nove bolas na área portista contra cinco na sua, e 54% de posse. Os “dragões” ainda não haviam rematado, mas, quando o fizeram, foi golo.
  • Aos 29 minutos, numa jogada de bola parada (livre), com todos os indícios de “trabalho de laboratório”, Ricardo Pereira, lançado por Alex Telles, cruzou atrasado e Felipe, que ficara na área, rematou de primeira para o 1-0. Um grande golo do brasileiro, que, contudo, teve resposta contrária.

  • Numa rápida transição, aos 41 minutos, Tosun fugiu pela esquerda e serviu o até então apagado Talisca. O brasileiro só teve de empurrar para o 1-1.
  • Intervalo Primeiro tempo equilibrado, com um resultado que se ajustava ao que se passou em campo. Porto personalizado e com muita gente no “miolo” a dificultar a tarefa contrária, pelo que os 45% de posse de bola dos portugueses não espantam. Superioridade do Besiktas no remate, com quatro disparos contra dois, três enquadrados contra um, e também quatro cantos contra nenhum dos portistas. Melhor em campo nesta fase um português do Besiktas, Pepe. O defesa registou o mesmo GoalPoint Rating de 6.5 que Felipe, mas com centésimas de vantagem. O internacional luso ganhou oito de dez duelos, fez cinco desarmes, três intercepções e cinco alívios no primeiro tempo.

  • Arranque intenso do Besiktas no segundo tempo, a empurrar completamente o Porto para a sua grande área, de forma sufocante. Nos primeiros 15 minutos da etapa complementar, os turcos registaram 79% de posse, três remates contra um (e um deles à barra), e, aos 61 minutos, José Sá fez uma estupenda defesa a remate venenoso de Ricardo Quaresma.

  • Aos poucos o Porto conseguiu sacudir a pressão, apesar de a posse pertencer ainda ao Besiktas, com 74%. Mas os “dragões” jogavam agora mais subidos. Por volta dos 75 minutos, o registo de 16 cruzamentos de bola corrida dos homens da casa (nove deles na segunda parte), para os seis dos portugueses, dizia muito do pendor encontro.
  • Felipe já destronara Pepe como melhor em campo nesta altura, com um rating de 7.1, graças não só ao seu golo, como aos 11 alívios e às quatro intercepções. Uma exibição imperial do brasileiro, que ia aguentando a pressão contrária.

  • O tal remate de Quaresma para defesa de José Sá acabaria por ser o último do Besiktas. A partir daí, apesar de os turcos terem mais bola, só o Porto rematou à baliza, seis vezes. Estava à vista de todos que os homens de Sérgio Conceição não dominavam mas tinham o jogo controlado e o empate no bolso.

O Homem do Jogo 👑

Enorme exibição de Felipe. Num jogo em que os defesas-centrais mostraram grande competência, o brasileiro do FC Porto acabou por se superiorizar ao segundo melhor em campo, Pepe, graças ao golo que marcou no primeiro tempo. Mas o GoalPoint Rating de 7.1 de Felipe não se ficou a dever apenas ao golo. O defesa terminou a partida com uns impressionantes 12 alívios, mais quatro intercepções e metade dos duelos individuais que disputou ganhos.

Jogadores em foco 🔺🔻 

  • Pepe 7.0 – O internacional português esteve praticamente intransponível. Pepe foi o terceiro jogador com mais interacções com bola (82), ganhou 11 de 13 duelos, fez seis desarmes, três intercepções e cinco alívios. E quase tudo na primeira parte.
  • Sérgio Oliveira 6.4 – O homem da Liga dos Campeões. Sérgio Oliveira é aposta forte para a competição, na tentativa de batalhar e controlar o meio-campo. O médio foi o segundo melhor do Porto, com um remate, um passe para finalização, sete recuperações e quatro desarmes.
  • R. Quaresma 6.1 – Um dos mais perigosos jogadores do Besiktas. O extremo luso rematou duas vezes, ambas enquadradas (grande defesa de José Sá aos 61 minutos…), fez sete cruzamentos, dois deles com eficácia, teve sucesso em três de quatro tentativas de drible e colocou a bola 16 vezes na área portista.
  • Y. Brahimi 6.3 – O argelino não desiludiu e voltou a ser o melhor naquilo que é a sua imagem de marca, o drible. O extremo tentou o gesto 11 vezes e teve sucesso em seis, ganhou 11 de 21 duelos individuais e conseguiu dez recuperações de posse.
  • A. Talisca 5.7 – O brasileiro marcou o golo do empate do Besiktas, mas pouco fez para além disso. Recuperou oito vezes a posse de bola, mas sofreu quatro desarmes.

GoalPoint-T-shirts-2017-banner