“Patinho feio” ou “príncipe encantado”? Era essa a nossa pergunta em relação a Herrera. Provavelmente a resposta não é nenhuma das anteriores. O mexicano surge, estatisticamente, como um “produto intermédio”, que oferece soluções para os vários momentos do jogo, ofensivos e defensivos, como se pode constatar pelas estatísticas anteriores. Mas essas são apenas algumas das cerca de 180 variáveis que ponderamos através do nosso GoalPoint Ratings. Nessa perspectiva, será curioso comparar Herrera com os dois outros jogadores em análise, Óliver e André André, no que ao desempenho total diz respeito.

GoalPoint-Óliver_Torres_2017_vs_Héctor_Herrera_2017-1-infog
Clique para ampliar

Herrera frente a Óliver Torres. O mexicano pouco ou nada fica a dever ao espanhol em termos de desempenho ofensivo, e acrescenta uma disponibilidade defensiva que lhe permite ter um rating superior ao criativo. Aceitando o argumento de que Óliver é um talento puro, neste momento – e possivelmente com influência do esquema táctico portista – Herrera parece dar mais garantias a Sérgio Conceição.

 

 

GoalPoint-André_André_2017_vs_Héctor_Herrera_2017-infog
Clique para ampliar

Herrera vs André André. O médio português é sempre uma alternativa viável para qualquer treinador que necessite de versatilidade e flexibilidade táctica. André perde bastante no que toca às acções defensivas puras, mas compensa esse facto com segurança nas entregas, muitos passes para finalização e remates sempre que tem essa oportunidade. Um perigo, e com golo nos pés, embora ainda não tenha facturado esta temporada. Aliás, há que notar que esta temporada tem poucos minutos, o que não consolida ainda os seus números.

 

Na próxima página: Herrera vs adversários