Os campeonatos nacionais estão de regresso e com eles também o nosso já habitual RTG (Ranking de Treinadores GoalPoint). Se ainda não sabe como funciona, passe pelo artigo de apresentação, onde está tudo explicado.

Na temporada passada premiámos Lito Vidigal como treinador do ano na Liga NOS e Cristiano Bacci na Ledman LigaPro, mas mais ambicioso ainda foi o esforço para encontrar o melhor treinador dos últimos dez anos em Portugal. Aí, foi Jorge Jesus o consagrado, com Rui Vitória a secundá-lo, tal como já tinha acontecido no treinador do ano em relação a Lito Vidigal.

A época 2016/17 começou de forma bem diferente para estes treinadores, com Lito Vidigal e Cristiano Bacci a terem inícios complicados. Mas passemos então aos vencedores.

Liga NOS: Regresso feliz em Setúbal

No principal campeonato o melhor treinador do mês de Agosto foi José Couceiro. De regresso a Setúbal para a sua terceira passagem pelo Vitória, a temporada não podia ter começado de melhor forma, com sete pontos em três jogos e um surpreendente empate em casa do campeão nacional Benfica. O Vitória está assim em segundo lugar da Liga até ao momento, algo surpreendente para quem acabou a época passada numa sequência de 15 jogos sem vencer.

Em segundo no mês de Agosto ficou Jorge Jesus. O treinador da década começou a época com um registo 100% vitorioso, incluindo uma vitória perante outro candidato ao título, o que lhe valeu um total de 466 pontos RTG.

Logo atrás vem José Peseiro, que também não perdeu no campeonato e beneficiou de duas vitórias fora de casa para acumular pontos suficientes e conseguir um lugar no “pódio”.

RTG-Agosto-2016-PrimeiraLiga-Classificao
Clique para ampliar

Pela negativa destaque para Fabiano Soares. O treinador do Estoril, que até não tinha ficado mal classificado na época passada, começou a época com três derrotas. Uma delas, na jornada inaugural em casa contra o Feirense, foi mesmo a maior surpresa da Liga NOS até ao momento e valeu-lhe um total de 303 pontos negativos.

NA PRÓXIMA PÁGINA: O TREINADOR DO MÊS LEDMAN LIGAPRO E O “QUADRO DE HONRA”