Após um arranque aos tropeções, o campeão europeu aplicou dupla “chapa seis” nos mais recentes compromissos inseridos na campanha de qualificação para o Mundial 2018, frente a Andorra e Ilhas Faroé.

Mas para lá de Portugal e dos seus “heróis”, com Cristiano e André Silva à cabeça, quem são os líderes do desempenho, por posição, após as três primeiras rondas do apuramento? Eis o melhor onze GoalPoint Ratings, seguido da habitual análise.

Qualificação Mundial 2018 | O melhor XI europeu à 3ª jornada!
Clique para ampliar

Fique agora com os motivos estatísticos da escolha destes onze:

  • Moris (Luxemburgo) 7.18 – Jogou contra Suécia e Bielorússia, fazendo 17 defesas para apenas dois golos sofridos. Números muito pouco habituais num guarda-redes do Luxemburgo e qua ajudaram a garantir um ponto fora, na deslocação a leste.
  • Kimmich (Alemanha) 7.52 – De regresso à lateral-direita, continua a confirmar a grande forma que vem apresentando no Bayern. Já leva um golo, uma assistência e cria uma média de 2,7 oportunidades por jogo, a 2ª maior da qualificação, entre os laterais.
  • Arnason (Islândia) 7.10 – O veterano do Malmo marcou um golo contra a Finlândia e já leva duas assistências. Números impressionantes para um central, complementados, entre outras coisas, com uma média de 5,7 alívios por jogo.
  • Koscielny (França) 7.06 – Surpreendemente é o jogador com a melhor média de acções defensivas na fase qualificação (15,7 por jogo), um registo habitualmente dominado por defesas de selecções mais humildes. Soma ainda duas assistências e ganha 75% dos duelos aéreos.
  • Stafylidis (Grécia) 7.44 – O lateral do Augsburgo marcou um golo importante contra a Estónia e ainda não sofreu nenhum golo no tempo que esteve em campo. A ajudar a isso estão os seus cinco desarmes por jogo, a 2ª média mais alta da qualificação.
  • Marin (Roménia) 8.21 – Estreou-se esta semana na selecção e deixou tremenda promessa. Um golo e uma assistência na estreia, e uma média de 91% de passes certos e quatro passes para ocasião por jogo. Tem apenas 20 anos e joga no modesto Vitorul.
  • Pjanic (Bósnia) 8.30 – Teve o primeiro 10.0 GoalPoint Ratings da qualificação europeia sem marcar qualquer golo. Já leva quatro assistências em três jogos e uma média de 6,9 passes para ocasião a cada 90 minutos. Está um monstro.
  • Promes (Holanda) 8.24 – Anda um pouco escondido pela Rússia mas tem sido sempre titular da selecção. É o jogador com a melhor média de opotunidades criadas de bola corrida (4,4) e já marcou dois golos.
  • Payet (França) 8.09 – O melhor jogador do Euro 2016 continua em grande forma na sua seçecção. Já tem um golo, uma assistência e cria uma média de 5,7 oportunidades por jogo, apenas atrás de Pjanic.
  • Lewandowski (Polónia) 8.38 – Já marcou cinco golos na fase de qualificação, um a cada 54 minutos, a cada jogo cria uma média de três oportunidades, sofre quatro faltas e ainda ganha 67% dos duelos aéreos. Fantástico.
  • Ronaldo (Portugal) 9.13 – Um golo a cada 36 minutos, oito remates por jogo e uma média de 4,5 faltas sofridas, muitas delas em zonas perigosas. Está bem que não jogou o jogo mais difícil, mas são números impossíveis de passar ao lado.

Voltaremos ao tema quando o calendário chamar por nós, até lá regressa o futebol europeu de clubes, aqui no GoalPoint.

Nota metodológica: “Onze” elaborado tendo em conta o GoalPoint Rating médio de todos os jogadores portugueses que cumpriram um mínimo de 315 minutos jogados na Liga NOS.