Portugal está no Mundial de 2018, que se vai disputar na Rússia. Do susto inicial – derrota por 2-0 em casa da Suíça – até à confirmação do primeiro lugar no Grupo B – vitória em Lisboa, por 2-0, frente aos… helvéticos -, muita água passou por baixo da ponte da qualificação. E a história da mesma, no que aos campeões da Europa diz respeito, conta-se com muito trabalho colectivo e, também, contributos individuais de relevo.

Agora que terminou a fase de qualificação, importa fazer uma retrospectiva do que se passou. Analisamos o desempenho individual dos nossos jogadores ao longo das dez jornadas e destacámos os seis melhores (com um mínimo de 450 minutos disputaos), com base no nosso GoalPoint Ratings.

 

Cristiano Ronaldo 7.96

goalpoint-portugal-andorra-ql-mundial-2018-mvp
O melhor rating de Ronaldo, à 2ª jornada (clique para ampliar)

Já o havíamos escrito antes do derradeiro jogo da qualificação que Portugal estava cada vez mais dependente da influência de Ronaldo nos golos que a equipa marca. Neste apuramento, o capitão foi, de longe, o melhor. Na caminhada rumo à Rússia, CR7 somou um rating de 10.0 e dois de 9.9 – em jornadas consecutivas. Foi o melhor marcador luso, com 15 golos, e só o polaco Lewandowski (16) marcou mais nesta fase – Ronaldo, porém, registou três assistências.

 

João Moutinho 6.93

GoalPoint-Hungria-Portugal-QL-MUNDIAL-2018-MVP
O melhor rating de Moutinho, à jornada 8 (clique para ampliar)

“Está acabado”, disseram. Pois bem, não só foi o segundo melhor em campo no derradeiro jogo com a Suíça – com 6.9 e uma exibição de nível – como foi o segundo melhor português nesta fase de qualificação (com o mesmo rating médio). O algarvio tem pulmão, está fresco, motivado e mantém intactas todas as suas qualidades de liderança, passe e visão de golo. João Moutinho terminou o apuramento com um golo marcado e muito futebol de qualidade.

 

 

William Carvalho 6.74

goalpoint-portugal-letonia-ql-mundial-2018-mvp
O melhor rating de William, à 4ª jornada (clique para ampliar)

Nem sempre consensual entre os adeptos, William fez uma fase de qualificação exemplar. O médio leonino mereceu sempre a confiança de Fernando Santos e retribuiu com algumas exibições de nível, nas quais conseguiu ratings elevados – 8.2 à quarta jornada e 8.5 à sétima, por exemplo. Terminou com 90% de eficácia de passe e registou 7,1 recuperações de posse em média por cada 90 minutos. E ainda apontou dois golos e fez uma assistência.

 

Bernardo Silva 6.70

GoalPoint-Portugal-Suíça-QL-MUNDIAL-2018-MVP
Bernardo Silva foi o melhor em campo frente à Suíça (clique para ampliar)

Não esteve no EURO-2016, devido a lesão, mas o seu contributo para a carreira de Portugal nesta qualificação para o Mundial foi inestimável. O pequeno médio do Manchester City passeia classe, técnica e talento, e tal voltou a ficar patente ante a Suíça, numa partida em que foi o melhor em campo. E nem foi o seu melhor jogo nesta fase, já que antes registara um 7.7 e um 7.3. Bernardo Silva foi, a par de Ricardo Quaresma e Cristiano Ronaldo, o jogador de Portugal com mais assistências no Grupo B, três, faltando-lhe apenas o golo para uma qualificação em cheio.

 

João Mário 6.50

GoalPoint-Hungria-Portugal-QL-MUNDIAL-2018-MVP
O melhor rating de João Mário na qualificação (clique para ampliar)

Se há sector em que Portugal está bem servido de talento é no meio-campo, e João Mário é, precisamente, o quarto centro-campista desta lista. Nem sempre aposta firme no Inter de Milão, o ex-“leão” mostra todo o seu talento, técnica, visão e inteligência táctica na Selecção. João Mário fez apenas um golo nesta qualificação, é certo, mas terminou com uma média de 8,4 recuperações de posse e 77,3 acções com bola por cada 90 minutos. Um elemento fundamental para Fernando Santos.

 

André Silva 6.49

goalpoint-faroe-portugal-ql-mundial-2018-mvp
O melhor rating de André Silva na qualificação (clique para ampliar)

O segundo melhor marcador da Selecção, com nove golos, a que somou ainda uma assistência. André Silva “explodiu” ao serviço de Portugal nesta fase de apuramento, com algumas exibições de nível. O ponta-de-lança foi a “muleta” perfeita de Cristiano Ronaldo, abrindo espaços para o capitão com a sua movimentação e combatividade. E ofensivamente apenas ficou atrás do capitão em remates por cada 90 minutos (3,4), em enquadrados (1,7) e disparos na área (3,2).