Sejamos sinceros: a CAN 2017 não foi a mais interessante da história de prova. Poucos golos, pouca magia, estrelas apagadas, e um vencedor (os Camarões) que esteve longe de apresentar um grande futebol.

No entanto, no meio do marasmo, há sempre oportunidade para encontrar boas surpresas, e a estatística e os GoalPoint Ratings ajudam-nos também nessa tarefa.

Durante a prova, fomos-lhe trazendo aqueles que mais se destacaram em cada jogo, assim como o desempenho de algumas caras conhecidas dos portugueses. Hoje, apresentamos-lhe uma selecção de cinco jogadores, com idade até 24 anos, que ainda jogam em África ou em clubes de segundo plano europeu e que demonstraram ter qualidades para poderem ser “lapidados” a outro nível.

 

Denis Bouanga (Tours)
Gabão, 22 anos

Bouanga-Gabao-Data-Scouting-CANComo país organizador da prova, e tendo um dos melhores jogadores africanos da actualidade (Pierre-Erick Aubameyang), o Gabão foi uma das grandes desilusões da CAN 2017. No entanto, numa equipa que não esteve à altura da ocasião surgiu um nome que deixou excelentes indicações para o futuro: Denis Bouanga.

O extremo fez toda a sua formação em França, mas decidiu actuar pelo Gabão a tempo desta CAN. Em boa hora o fez, porque foi dos principais destaques da sua selecção, e deve ter feito o suficiente para começar a ser olhado doutra forma no país onde actua. Bouanga joga na Ligue 2 ao serviço do Tours, clube ao qual está emprestado pelo Lorient, depois de já na época passada ter jogado por empréstimo no Strasbourg.

Na CAN não marcou e fez apenas uma assistência, mas destacou-se sobretudo na partida com os Camarões pelos desequilíbrios individuais que criou (nove tentativas de drible e quatro faltas sofridas) e por ainda ter acertado no poste em tempo de compensação. No Tours, Bouanga já leva cinco golos e cinco assistências esta época, apesar de o seu clube ocupar o último lugar da tabela.

 

Christian Bassogog (Aalborg)
Camarões, 21 anos

Bassogog-Camaroes-Data-Scouting-CANInfelizmente, acaba por ser impossível falar de Bassogog sem mencionar as suspeitas que a sua idade levanta. O ala-direito, que também pode actuar no centro do ataque, tem uma carreira bastante atípica, “saltando” directamente dos Camarões para uma liga secundária dos Estados Unidos, de onde foi posteriormente contratado pelos dinamarqueses do Aalborg.

Bassogog-AalborgNa altura com apenas 19 anos, a foto da sua apresentação no país nórdico correu mundo e levantou a habitual polémica sobre as reais idades dos jogadores africanos. O que é certo é que, mais ou menos jovem, Bassogog tem demonstrado dentro do campo ser efectivamente um craque, e foi justamente considerado o melhor jogador da CAN 2017.

O camaronês caracteriza-se sobretudo pelos desequilíbrios individuais que cria, e tanto na CAN como no campeonato dinamarquês tenta uma média de quatro dribles por jogo, dos quais consegue uma eficácia quase sempre acima dos 50%. Para além disso, Bassogog ainda arranja tempo para rematar bastante à baliza, e, apesar de ter uma relação difícil com o golo (na Dinamarca concretizou apenas 12% das ocasiões flagrantes de que dispôs), acaba por compensar com a frequência com que remata.

> NA PRÓXIMA PÁGINA: UM “DJURTU”