Ora “salta” Pizzi, ora “salta” Jonas. Nas últimas semanas têm sido estas as notícias uma hora antes dos jogos do Benfica, quando é conhecida a constituição das equipas. Numa altura em que a equipa está longe de produzir os resultados e o futebol dos últimos anos, a opção tem sido, entre outras que já lá iremos, sacrificar pelo menos um dos dois melhores jogadores da Liga NOS nas últimas duas épocas, eleitos pelo GoalPoint, e não só.

O momento de forma de Pizzi não é brilhante, é certo, mas sobre Jonas não restará a mínima dúvida de que é o jogador em melhor fase, dentro de todo o plantel. Chegados ao jogo de Manchester, no entanto, depois de dois jogos europeus em que o Benfica não enquadrou qualquer remate, Rui Vitória optou por deixar de fora o segundo jogador que mais acerta na baliza a nível europeu.

#JogadorClubeRemates enquadrados / 90mMinutos / Golo
1Lionel MessiBarcelona3,075
2JonasBenfica2,671
3Mohamed SalahLiverpool2,5150
4Ciro ImmobileLazio2,569
5Harry KaneTottenham2,497

Mínimo de 455 minutos jogados nas ligas Top-5 + Portugal

O brasileiro não só ficou no banco como foi o último a ser chamado para entrar, tendo tido um impacto no jogo consideravelmente maior que o do protagonista da substituição anterior, Seferovic.

Como já abordamos uma vez por aqui, mesmo jogando o brasileiro mais recuado, não há nada que qualquer outro ponta-de-lança do Benfica faça em maior quantidade do que Jonas, daí que, não existindo limitações físicas, não se entenda porque não é o brasileiro a opção, mesmo quando a ideia é utilizar apenas um avançado “sozinho” na frente.

JonasJiménezSeferovic
Remates4,93,13,2
Remates enquadrados2,51,81,7
Remates de cabeça0,80,60,4
% Duelos aéreos ofensivos ganhos44%45%20%
Passes para finalização1,90,90,7
Dribles eficazes1,00,60,1
Faltas sofridas2,52,00,5
Desarmes + Intercepções + Passes bloqueados2,01,70,7
Foras-de-jogo0,40,61,9

Médias por 90 minutos nas últimas duas épocas ao serviço do Benfica

A falta de “andamento” de Seferovic não é surpresa para quem conhece os seus números, porque as lacunas do suíço ficaram bem expostas na análise que lhe foi feita aquando da sua chegada, mas algumas diferenças (ou semelhanças) entre Jonas e Raúl Jiménez podem surpreender um pouco. O brasileiro remata, assiste e dribla mais, mas é tão forte como o mexicano na hora de ganhar bolas aéreas ou de dar apoio defensivo.

Na próxima página: A questão dos extremos

1
2
PARTILHAR
Hernâni Ribeiro
Formado em estatística e Data Scientist profissional. A paixão pelo futebol conjugada com a análise de dados vive-a também como administrador do portal foradejogo.net, após ter sido co-responsável do processo de pesquisa oficial portuguesa para o jogo Football Manager.
  • Rui Oliveira

    Concordo completamente, fico ainda surpreendido porque era a minha exata opinião no que toca às possíveis alternativas para os setores mais avançados do campo!