O Benfica venceu em casa o Belenenses por 4-0 e, no rescaldo do jogo, em conferência de imprensa, o treinador do Benfica, Rui Vitória, respondeu às alegações de que a sua equipa deixava muitas vezes os adversários atacar livremente, dedicando atenção atípica (por cá) aos números estatísticos. A dada altura o treinador “encarnado” afirmou:

“…Há uma coisa em que estamos na frente: mais remates, mais controlo de bola, mais posse de bola, mais uma série de coisas… em termos ofensivos em Portugal nós somos a equipa que estamos na frente.”

Quem lidera o quê?

Estaria o treinador campeão nacional certo quanto aos números? Que variáveis estatísticas lidera (ou não) a “águia”? Decidimos apurar os dados acumulados à 25ª jornada, não só os relativos às variáveis particularizadas por Vitória mas também em algumas mais, aproveitando a generalização contida na sua afirmação.

Remates

Porto 415
Benfica 405
D. Chaves 322
Sporting 317

Remates enquadrados

Porto 163
Benfica 155
Sporting 132

% Conversão de remates

Sporting 14,8%
Sp. Braga 13,8%
Benfica 13,8%
Porto 13,7%

Posse de bola

Benfica 64,3%
Sporting 64,2%
Porto 59,4%

Passes para ocasião de remate

Porto 313
Benfica 297
Sporting 241

Ocasiões flagrantes criadas

Porto 58
Benfica 32
Sporting 32

Fonte: GoalPoint / Opta

A conclusão imediata perante estes números é que Rui Vitória tem razão apenas no que toca à posse de bola, o Benfica não lidera noutros valores fundamentais do jogo ofensivo, embora surja muito próximo do topo em quase todos eles.

Confere como se comparavam Benfica e Porto à 23ªJ, noutros indicadores (link)

O que vemos é, de facto, um Benfica mais dominador do que os seus rivais, mas o Porto está mais forte noutros detalhes, como os remates, os disparos enquadrados, os passes para ocasião e sobretudo as ocasiões flagrantes de golo criadas, e até com melhor aproveitamento desde a chegada de Soares, como já havíamos dado conta.

Destaque ainda para o D. Chaves, terceira equipa com mais remates na Liga NOS, à frente do Sporting, e para o Sp. Braga, que regista uma taxa de conversão em golo idêntica à do Benfica e só batida pelos “leões”.

Veremos como fecham os números da Liga, após as próximas jornadas. Por agora… Rui Vitória trabalha, aparentemente, com dados desactualizados, mesmo sendo verdade (expectável) que o Benfica é uma das equipas mais produtivas no plano ofensivo.

Descobre todos os artigos GoalPoint Mythbusters publicados (link)

  • Influência Arbitral

    O F. C. Porto marcou 14 golos nos 298 minutos que jogou contra 10, em média demorou 20 minutos para fazer um golo contra 10 adversários, quando em média demorou 44 minutos para fazer um golo contra 11 adversários. Não tenho o nº total de remates que fez nesses 298 minutos em superioridade numérica, mas presumo que em média seja maior do que faz contra 11.
    Será que, se o Benfica também tivesse jogado contra 10 neste campeonato durante 298 minutos teria conseguido fazer mais remates/golos do que fez? A estatística diz que sim, que todas as equipas melhoram o rendimento nessas circunstâncias.