O SL Benfica e o FC Porto têm boas hipóteses de atingirem a fase seguinte da Liga dos Campeões, o Sporting CP nem por isso. Quem o diz é o FiveThirtyEight, o site de Nate Silver, estatístico mundialmente famoso por diversas previsões rigorosas, nas mais diversas áreas. A previsão olha para a fase de grupos da Liga dos Campeões, cujo sorteio decorreu esta quinta-feira.

“Águias” e “Dragões” perante boas abertas…

Através de uma metodologia própria, o “538” dá ao Benfica 67% de hipóteses de se apurar para os oitavos-de-final da Liga Milionária, 26% como primeiro classificado do Grupo A, 36% como segundo posicionado, atrás do Manchester United (58% de hipóteses de terminar em primeiro, 27% em segundo), Basileia e CSKA de Moscovo. Ao FC Porto atribui 52% de possibilidades de apuramento, 23% em primeiro, 29% em segundo – atrás do Mónaco, mas ainda à frente de Besiktas e Leipzig -, e com os mesmos 29% de hipóteses de acabar em terceiro.

…e “leões” com previsão de céu encoberto

Neste exercício, a formação lusa pior posicionada é mesmo a do Sporting, que no grupo da Juventus, Barcelona e Olympiacos não recolhe mais do que 16% de perspectivas de passagem, com meros 3% de acabar em primeiro e 13% em segundo, com 50% de ficar no terceiro posto. Ainda relativamente às equipas lusas, o algoritmo de Silver atribui às “águias” 3% de hipóteses de chegar à final da Champions e apenas 1% de a vencer. Ainda assim à frente do Porto (2%, <1%) e Sporting (<1%, <1%).

O método de Nate Silver assenta no Soccer Power Index (SPI), um rating proprietário que estabelece o potencial global de cada equipa com base no desempenho acumulado, e que coloca o Real Madrid na frente, com 93,5, e como principal favorito a vencer a Liga dos Campeões, com 18%, à frente do Bayern e Barcelona, ambos com 17%. Vale o que vale.

Silver falhou Trump

Nate ficou globalmente famoso aquando da eleição de Barack Obama em 2008, quando previu com exactidão o desfecho dos escrutínios de 49 de 50 estados norte-americanos. É certo que desde então tem falhado algumas previsões, como a de que o Brasil iria vencer o Mundial 2014, e não acertou na eleição de Donald Trump – “ele não me previu a mim”, disse jocosamente o presidente dos EUA -, embora tenha sido o que mais hipóteses deu ao controverso líder norte-americano.