GoalPoint-Juventus-Sporting-Champions-League-201718-Ratings
Clique para ampliar
GoalPoint-Juventus-Sporting-Champions-League-201718-MVP
Clique para ampliar
GoalPoint-Juventus-Sporting-Champions-League-201718-90m
Clique para ampliar

O Sporting deu muito trabalho à Juventus, em Turim, esteve a ganhar, enervou o seu adversário, mas a qualidade individual dos transalpinos acabou por ditar a derrota leonina, perante uma “Vecchia Signora” mais rematadora e dominadora, mas que teve pela frente um Rui Patrício em forma. Destaque para o minuto de silêncio em memória das vítimas dos incêndios em Portugal, respeitado de forma arrepiante.

O Jogo explicado em Números 📊

  • Jogo algo “mastigado” nos primeiros dez minutos, com a Juventus a registar 57% de posse de bola e um pontapé de canto, mas nenhum remate para qualquer um dos lados. Até que…
  • Aos 12 minutos, Bruno Fernandes fez um passe, Alex Sandro não completou a intercepção e deixou Gelson Martins isolado. o extremo rematou, Gianluigi Buffon defendeu, mas a bola embateu em Alex Sandro e entrou na baliza deserta. Autogolo do antigo jogador do FC Porto.

  • Muita pressão italiana, mas por vezes precipitada e a esbarrar numa defesa leonina coesa. No entanto, notava-se uma tendência preocupante para a formação lusa, pois aos 25 minutos a Juve registava quatro remates, apenas um enquadrado, é certo, mas todos eles realizados dentro da grande área de Rui Patrício.
  • Mas foi de fora da área que a Juventus empatou. Aos 29 minutos, Miralem Pjanić cobrou de forma irrepreensível um livre directo, que Patrício apenas pôde acompanhar com os olhos.
  • À passagem da meia-hora o cenário começava a complicar para os “leões”: Juve com 60% de posse, seis remates, dois deles enquadrados (Sporting ainda com o seu disparo inicial, que deu golo), e 60% de duelos ganhos. Em termos individuais, Pjanić era o melhor em campo, com rating de 6.5, pelo golo e pelos 91% de acerto no passe. O melhor “leão” era Fábio Coentrão, com 5.6, ele que ganhara todos os sete duelos que disputara até ao momento.

  • Intervalo O empate 1-1 era o resultado ao intervalo, que compensava o atrevimento ofensivo inicial e a solidez defensiva do Sporting, onde se destacava Coates, com nove alívios. A Juve foi a melhor equipa nesta fase, com 59% de posse, dez remates, sendo quatro enquadrados, nove desses disparos dentro da área de Rui Patrício. O guardião luso era o segundo melhor na partida, com um GoalPoint Rating de 6.3, graças a três defesas. O MVP era mesmo Pjanić, com 6.6, mercê de um golo, no seu único remate, 43 interacções com a bola, quatro duelos ganhos em oito e dois desarmes. Tudo em aberto para o segundo tempo.

  • Sporting mais composto após o descanso. Nos primeiros 15 minutos do segundo tempo conseguiu equilibrar as operações no que toca à posse de bola, com 49%, mas também dois remates, tantos quantos a Juventus (só os italianos enquadraram um). Nesta fase, porém, a equipa de Jorge Jesus não registava ainda qualquer pontapé de canto desde o início da partida.
  • Excelente jogo de Sebastián Coates. Forte no ar, com três duelos ganhos em outros tantos disputados, registava, aos 70 minutos, dez alívios, duas intercepções e um desarme, para além de um remate, de cabeça.
  • Por volta dos 75 minutos a nota dominante da segunda parte era o equilíbrio. Os “leões” conseguiam, aliás, um registo de 52% de posse desde o intervalo, e três remates, contra os quatro da Juve (dois enquadrados). O “leão” mostrava segurança no passe (80% de eficácia), o que tirava bola aos italianos… e enervava-os – seis faltas dos da casa até esta altura no segundo tempo, apenas duas dos portugueses.

  • Mas o jogo do banco acabou por favorecer a Juventus. Allegri lançou Douglas Costa e, aos 84 minutos, o brasileiro “dançou” na esquerda e cruzou para cabeceamento certeiro de Mario Mandžukić. Estava feito o 2-1.

O Homem do Jogo 👑

O Sporting fez um bom jogo em Turim, mas o melhor em campo acabou mesmo por ser Rui Patrício. A facilidade com que a Juventus conseguiu rematar na grande área leonina (14 em 18) acabou por dar muito trabalho ao guardião português. Com um punhado de excelentes intervenções, Patrício manteve o Sporting no jogo bem até final. Terminou com seis defesas, cinco delas a remates dentro da grande área, e um GoalPoint Rating de 7.2. Está em grande forma o internacional luso.

Jogadores em foco 🔺🔻 

  • Miralem Pjanić 7.0 – Fez o golo do empate para a Juventus e foi, ao longo do jogo, o melhor dos italianos. Registou dois passes para finalização, colocou a bola 12 vezes na área leonina e ajudou na defesa, com dois desarmes.
  • Sebastián Coates 6.6 – Belíssimo jogo do uruguaio. Foi o esteio defensivo do Sporting, com oito duelos ganhos em dez, vitória na totalidade dos quatro aéreos, 12 alívios, três intercepções e dois desarmes. Não foi por ele que o Sporting perdeu.
  • Fábio Coentrão 5.5 – Enquanto durou, Coentrão deu “água pela barba” a Quadrado, em especial pelo seu posicionamento e capacidade de antever as movimentações do colombiano. Ganhou oito de 13 duelos, fez quatro alívios e duas intercepções e esteve muito em jogo, com 73 interacções com bola em 75 minutos.
  • Bas Dost 4.8 – Jogo ingrato para o holandês, emparedado entre Chiellini e Benatia. Ainda assim deu muita luta e ganhou metade dos 14 duelos aéreos em que participou. Rematou apenas uma vez, sem a melhor direcção.
  • Bruno Fernandes 4.6 – Esteve uns furos abaixo do habitual. O passe que acabou por isolar Gelson foi penalizado estatisticamente pelo facto de Alex Sandro ter tocado na bola e falhado a intercepção. Mas pouco mais fez do que isso e dos 84% de posse de bola.

GoalPoint-T-shirts-2017-banner