A provar que também nesta coisa da estatística raramente há acasos, o onze ideal do mês de Fevereiro repete cinco jogadores em relação ao mês passado, e a linha da frente é quase uma fotocópia. Mas vamos então aos destaques e razões de ser deste elenco de alto rendimento.

A equipa do mês da Liga NOS | Fevereiro 2016
Clique na infografia para ampliar (infografia: GoalPoint)

Na baliza foi Cássio o melhor. Com quatro jogos televisionados para que toda a gente fosse testemunha da sua grande forma, o brasileiro sofreu apenas dois golos e foi, entre outras coisas, o principal responsável pelo nulo em Alvalade, com oito defesas nesse jogo. No mês de Fevereiro, por cada golo que sofreu, Cássio efectuou 12 defesas, e já é neste momento o melhor guarda-redes da Liga no ranking da época.

À sua frente Cássio tem uma defesa composta quase toda por compatriotas, à excepção do jogador do mês, Miguel Layún, cuja análise já publicada recomendamos: um verdadeiro “Pai Natal” das assistências, este mexicano.

Uma defesa à “americana”

O lateral-direito da Académica Aderlan é um estreante nestas andanças, e ganhou esse direito graças a uma forma consistente que teve o seu cume no jogo contra o Boavista (GoalPoint Rating (GPR) 6.2).

No centro da defesa encontramos provavelmente os dois centrais em melhor forma no campeonato. Diego Carlos repete a eleição e fá-lo mais uma vez graças à sua capacidade nos alívios. Com uma média de 12 por jogo em Fevereiro, cotou-se como o melhor da Liga neste parâmetro, tendo mesmo batido o recorde de alívios num jogo (17) contra o Vitória Setúbal. Ao seu lado tem o benfiquista Jardel, que voltou a mostrar a consistência do costume, sobretudo ao nível do jogo aéreo. O número 33 encarnado foi o único jogador na Liga que ganhou todos os duelos que disputou pelo ar no mês de Fevereiro, e ainda juntou a isso uma média de 3,8 intercepções por jogo.

Na esquerda aparece o já referido Layún, que mereceu a sua análise personalizada, como jogador do mês. Quatro jogadores todos eles originários do continente americano, formam assim a defesa de melhor rendimento do mês.

Um miolo que luta e trata bem a bola

O meio-campo conta com um estreante, Diogo Amado, que falhou o início da época por lesão, mas parece ir bem a tempo de impressionar até ao fim do campeonato. O estorilista foi em Fevereiro o jogador com a maior percentagem de duelos ganhos (75%), e ainda juntou a isso excelentes números ao nível do desarme (3.5/jg), e eficácia de passe (84%).

À sua frente tem João Mário e Otávio, dois dos médios mais criativos do campeonato. O “leão” registou um golo e uma assistência, mas a sua influência na equipa fica bem expressa nos 93 toques na bola que faz por cada 90 minutos em campo, tendo sido o 2º melhor da Liga em Fevereiro nesse parâmetro. Também impressiona a eficácia de drible que tem (60%) para a posição tão nevrálgica que ocupa.

Otávio, falhou a eleição para jogador do mês por quatro centésimas, e o prémio não teria ficado mal entregue. O brasileiro que está emprestado pelo FC Porto registou dois golos e duas assistências, e teve em Braga o seu ponto alto registando um GPR de 8.1. 2.9 oportunidades de golo, 2.3 dribles completos, e 5.5 faltas sofridas, são apenas alguns dos impressionantes números que registou no mês de Fevereiro.

No ataque nada de novo

No ataque há dois benfiquistas já muito habituados a este espaço (Pizzi e Jonas), e ao que tudo indica, um futuro benfiquista (Diogo Jota), que teve o seu momento alto precisamente contra o seu provável futuro clube. Começando por Diogo Jota, o jovem de 19 anos apesar de não ter ganho nenhum jogo foi dos que remou sempre contra a maré, e termina o mês de Fevereiro como o segundo maior driblador da Liga neste mês (3.3/90m) apenas atrás de Gelson Martins. A isso juntou ainda duas oportunidades de golo criadas por jogo, e dois penalties conquistados.

Pizzi continua a sua saga como o maior criador do campeonato, e neste mês registou uma média de 4.4 passes para ocasião a cada 90 minutos, tendo sido superado apenas pelas cinco de Miguel Layún. O benfiquista foi ainda o homem que mais passes acertou por jogo no meio-campo contrário (43.4), e registou dois dribles por jogo, com uma eficácia de 50%.

Na frente, para não variar, está Jonas. No mês em que ultrapassou Higuain na luta pela bota de ouro, apontou mais cinco golos, e voltou a ser o maior rematador da Liga, com 4.5 remates a cada 90 minutos.

Em Março há mais, já após alguns duelos escaldantes e cada vez mais decisivos!

Nota: Os GoalPoint Ratings resultam de um algoritmo proprietário desenvolvido pela GoalPoint que pondera exclusivamente o desempenho estatístico dos jogadores ao longo da partida, sem intervenção humana. Clique para saber mais.