A Liga NOS 2015/16 arranca já esta sexta-feira com um Tondela – Sporting que dá o pontapé de saída numa das mais aguardadas Ligas da história moderna do futebol português. Decidimos antecipar um campeonato que promete… de A a Z. Mas avisamos já, o melhor é guardar o link nos “favoritos” e ir digerindo esta antevisão pois tem aqui leitura para se entreter até ao apito inicial. Esperamos que goste.

 

A DE ASSISTÊNCIAS

Adeptos Sporting CP
(foto: J. Trindade)

A Liga NOS inicia-se esta semana gerou uma expectactiva sem precedentes. Mas terá este factor correspondência na bilheteira? Na época passada a Liga atraiu sensivelmente três milhões de expectadores, com as “casas” de Benfica, Sporting e Porto a representarem… 64% dos espectadores da prova (Benfica 27%, Sporting 19% e Porto 18%).

O peso dos “três grandes” nas assistências registadas por uma Liga desequilibrada (como tantas outras por essa Europa fora) não deverá mudar mas resta saber se não só aumentará a taxa de ocupação (o melhor registo pertenceu ao Benfica com uma nada impressionante ocupação de 75%) como se se diminuirá o fosso existente entre os 18 clubes neste particular: é que em 2014/15 apenas cinco clubes atingiram uma ocupação de, no mínimo, 50% da capacidade do seu estádio. Preocupante? Só até a bola começar a rolar, a partir daí todos iremos esquecer, durante uns meses, estes detalhes.

 

B DE BENFICA

SL Benfica
(foto: J. Trindade)

A mudança de paradigma e aposta em novo treinador deixam o bicampeão nacional num “trapézio sem rede”, não se sabendo, por esta altura se a “águia” se vai reequilibrar ou cair, mas os primeiros sinais não são bons.

O contexto apontou a um desinvestimento claro e a uma consequente aposta nas “fornadas” do Seixal. O efeito Jesus e as más exibições de uma pré-época porventura mal planeada terão influenciado as contratações de Mitroglou e Jiménez. Veremos até onde irão os “encarnados” no mercado, até 31 de Agosto.

Esta é uma época vital em que o Benfica pode roçar a hegemonia ou voltar a ver os rivais ganharem, com consequentes efeitos na (des)valorização de jogadores, bilheteira e receitas da Benfica TV. O risco é grande, mesmo que estejamos a falar do maior clube português pois quanto maior o “gigante” maior o risco das consequências de uma queda desamparada.

 

C DE CHAMPIONS

Champions League
(foto: Shutterstock)

Numa Liga NOS que se prevê disputada como nunca, ainda que apenas pelos emblemas do costume, que peso poderão ter os compromissos europeus no “fôlego final”, nomeadamente a exigente Liga dos Campeões? Caso o Sporting CP garanta o apuramento para a fase de grupos nas próximas duas semanas (frente ao CSKA de Moscovo) os três candidatos sofrerão o mesmo desgaste no primeiro terço da Liga.

O clube que melhor souber lidar com a persecução de objectivos paralelos poderá ganhar uma importante vantagem lá mais para a frente. Por outro lado uma rápida ainda que desmoralizante saída de cena dos palcos europeus pode resultar numa vantagem competitiva decisiva. Que o diga o Benfica de Jesus da época passada.