Num raro mês de Abril em que couberam cinco jornadas, e onde Benfica e Sporting voltaram a ser 100% vitoriosos na Liga NOS, seria de esperar um “onze” dominado por estes dois clubes, mas não foi bem assim… estatisticamente. Na verdade, Benfica e Sporting colocam tantos jogadores como FC Porto e Estoril, e o prémio de melhor do mês vai mesmo para um futebolista do Moreirense, que esteve em destaque nas duas áreas!

E o jogador do mês… calça luvas mas rematou!

E começamos por aí mesmo. Igor Stefanovic teve um mês de Abril para mais tarde recordar. Acima de tudo, o Moreirense garantiu a permanência na Liga NOS, mas individualmente o sérvio, que já pertenceu aos quadros do FC Porto, esteve brilhante, principalmente no empate que a sua equipa foi conquistar a Braga. Nesse jogo, Stefanovic conseguiu o melhor GoalPoint Rating obtido por um guarda-redes esta época (9.1), fruto de uma exibição em que bateu o recorde de intervenções de um guarda-redes (15), sendo uma delas um penalty defendido. O mês até tinha começado com uma amarga derrota caseira com o Rio Ave, mas até aí Stefanovic esteve em destaque, fazendo três remates (!) à baliza de Cássio no tempo de compensação. Foram tantos quantos o ponta-de-lança Rafael Martins fez em todo o jogo, o que lhe valeu outro excelente GoalPoint Rating. Também contra o Sporting foi o melhor da sua equipa, justificando e de que maneira o prémio de melhor do mês.

A equipa do mês da Liga NOS | Abril 2016
Clique na infografia para ampliar (infografia: GoalPoint)

Defesa de betão

Na defesa temos dois laterais estreantes nestas andanças, e dois centrais que já começam a ser um hábito entre os destaques. Começando pelas laterais, Gegé, do Arouca, uma recente adaptação de Lito Vidigal, tem dado razão ao técnico angolano. Além de ter sido o segundo lateral com mais acções defensivas durante o mês, Gegé destacou-se ainda pelo grande número de duelos aéreos ganhos, onde foi superado apenas por André Almeida entre os laterais, e por ter feito uma assistência para golo no jogo contra a Académica.
Pedro Botelho, reforço do Estoril no mercado de Inverno, que conquistou a titularidade precisamente no primeiro encontro de Abril, fez quatro jogos de muito bom nível, tanto a atacar como a defender. Além de ter sido o lateral-esquerdo com a mais alta média de intercepções / 90m, quatro, esteve ainda em destaque no drible (71% eficácia) e no cruzamento (33%), o que lhe valeu uma assistência para golo no jogo contra o Boavista. É reforço.

A dupla de centrais deste mês é para já a mesma da equipa ideal da Liga NOS, e há grandes razões para isso. Começando por Jardel, que somou este mês mais dois golos à sua conta, e teve ainda a particularidade de ter sido o terceiro jogador em toda a Liga com a mais alta média de remates de cabeça por jogo em Abril! Só os pontas-de-lança Aboubakar (1,8) e André Silva (1,5), fizeram mais do que Jardel (1,4), sendo que o brasileiro foi o único a converter algum em golo. Mas há mais. Jardel foi também o jogador com a melhor eficácia de passe no campeonato (93%), falhando apenas 20 passes no total dos cinco jogos que disputou.

Diego Carlos, do Estoril, é outro caso sério, e para além das qualidades que demonstra a defender (segundo central com mais desarmes/90m em Abril, só superado por Coates), é ainda forte nas bolas paradas, tanto nos remates de cabeça, como a marcar livres directos, o que lhe vale sempre uns pontos extra.

“Miolo” de trabalho

O meio-campo é de luxo, com três jogadores em grande forma e que tiveram no passado mês a confirmação do seu talento. Danilo Pereira alternou entre a posição 6 e o centro da defesa, mas manteve a consistência de sempre. Uma eficácia nos duelos de 59% e uma média de quatro intercepções por jogo (o segundo melhor entre os médios-defensivos), foram complementadas este mês com uma extraordinária eficácia de passe de 89%. A seu lado, Ljubomir Fejsa. Se das suas qualidades a defender já poucos tinham dúvidas, Fejsa esteve este mês particularmente impecável no capítulo do passe, com uma eficácia de 91%, a melhor entre os médios. Mas se acha que são só passes fáceis, refira-se que também no meio-campo contrário Fejsa acertou 83% dos passes que efectuou, só superado por… Renato Sanches. Tudo isto salteado com 7,4 recuperações de bola e 3,7 desarmes por jogo. Enorme.

Mais à frente, agora que se assumiu no esquema de Peseiro como verdadeiro número 10, temos Héctor Herrera. Dois golos e uma média de 2,4 oportunidades criadas / 90m, a melhor entre os médios, começam a mostrar um dos melhores Herreras que Portugal já viu.

Ataque leonino

No ataque temos dois representantes do muito produtivo Sporting do mês de Abril, que nos ofereceu um total de 14 golos. Bryan Ruiz pode não ter marcado nenhum, mas ofereceu três, e só no jogo com o FC Porto fez mais sete passes para golo, que não entraram. Um quase recorde, e logo num jogo tão difícil e importante como o do Dragão. Quem bateu mesmo um recorde nesse jogo foi Islam Slimani, que conseguiu nada menos que seis remates enquadrados à baliza de Casillas. Algo memorável, a que juntou dois golos num total de seis durante o mês de Abril, um a cada 72 minutos. A grande pecha do argelino continua a ser os foras-de-jogo, algo em que também foi o “melhor” do mês, e que muitas vezes lhe vale um abatimento nos GoalPoint Ratings.

Para completar o trio falta apenas Rafa Silva, outro português que começa a gerar discussão acerca da importância que deverá ter no EURO, e que teve em Abril o seu melhor mês na Liga NOS. A exibição contra o Vitória de Setúbal, onde fez dois golos e alcançou um GoalPoint Rating de 8.9, foi o ponto alto do mês, mas os números de Rafa impressionam sobretudo ao nível do drible: 3,9 dribles conseguidos a cada 90 minutos, com uma eficácia de 75% nas tentativas que faz, são qualquer coisa de outro mundo, e o ainda jovem bracarense parece estar numa fase de confiança ilimitada. Esperamos todos que assim continue até Junho.