Análise: Benfica campeão em risco de extinção

O arranque de 2014/15 tem sido difícil para o Benfica. O GoalPoint conferiu o peso das saídas no desempenho “encarnado” e reparou que 86,2% da produção ofensiva da equipa poderão desaparecer este defeso.

Rodrigo, Lazar Markovic, Ezequiel Garay, Guilerme Siqueira, Jan Oblak, todos peças fundamentais e titulares indiscutíveis, deixaram o Estádio da Luz. O GoalPoint olhou para os números da época transacta e foi tentar saber qual a dimensão do “buraco” que estas ausências provocam. Uma das principais conclusões é que há dois nomes difíceis de substituir, tento em conta a performance na Liga portuguesa. Outra é que, com estas transferências, o Benfica já perdeu a força motriz por trás de 58,5% dos seus golos. E a razia não deverá ficar por aqui.

À época (quase) de sonho do Benfica seguiu-se um duro acordar para uma realidade de desinvestimento no plantel, a que questões financeiras não deverão ser alheias. Num plantel com opções variadas e de qualidade para cada posição, Jorge Jesus terá agora de refazer todo o seu trabalho, após saídas de peças fulcrais no “onze” da época passada – não estamos a contar sequer com André Gomes ou, para já, com possíveis outras vendas, como são noticiadas.

À primeira vista salta o peso de Rodrigo na produção da equipa. O hispano-brasileiro marcou 11 golos na Liga e fez seis assistências, tendo, desta forma, interveniência directa em 17 dos 58 golos da “águia”. Considerando a produção total, é de destacar a influência de Rodrigo na época benfiquista, mais concretamente 29,3%. É este o número frio que representa o que o Benfica terá de resolver só com a ausência do agora atleta do Valência. E até ao momento não se vislumbra quem esteja ao mesmo nível (nem mesmo Lima) para atacar a nova temporada.

Mãos de ferro na baliza

A seguir vem Jan Oblak. Há quem argumente que um guarda-redes é fácil de substituir, mas certamente não será este o caso. Em 16 partidas na Liga, o esloveno sofreu apenas três golos e esteve 14 jogos sem ser batido (apenas 0,19 tentos sofridos por partida, 16,7% dos golos consentidos pelas “águias”). No global, o peso de Oblak nas chamadas “folhas limpas” do Benfica foi de 82,4%, o que é de relevo.

Para Liverpool seguiu Lazar Markovic. A técnica e arrancadas do sérvio desequilibraram as defensivas contrárias, e dos seus pés saíram cinco golos (alguns espantosos) e quatro assistências, contribuindo directamente para dez golos. Correspondem a 15,5% da produção ofensiva da equipa de Jorge Jesus na época passada, algo relevante, mas que terá em Eduardo Salvio uma boa solução (ao contrário do que acontece nas outras posições). Seja como for, fica na retina também o facto de Markovic ter contribuído directamente para sete dos pontos da equipa, pois dois dos seus golos foram decisivos para a obtenção de três pontos, e um deles ajudou a arrecadar um ponto (em Alvalade). Como seria a classificação final sem esses números?

Vamos então um pouco mais longe: Óscar Cardozo não teve a época ao nível do habitual, mas terá tido um peso residual? Longe disso. Em 15 jogos marcou sete golos e fez uma assistência, tendo uma influência de 13,8% na capacidade atacante do Benfica. Perante a anunciada saída de “Tacuara” para o Trabzonspor, a perda benfiquista sobe de 58,5% para preocupantes 72,3%. E Enzo Pérez? O argentino fez 28 encontros na Liga, marcou quatro golos e fez quatro assistências, para além da influência decisiva nos processos ofensivos e defensivos do colectivo. Sem Enzo Pérez e com as ausências já faladas, o Benfica perde 86,2% do seu futebol! Será Jesus capaz de tamanho milagre?

Defesas influentes

A partida de Ezequiel Garay terá influência, certamente, pela qualidade do seu jogo e da dupla com Luisão, contribuindo para os poucos (18) golos que a equipa sofreu, mas se olharmos para a produção ofensiva do argentino, nota-se um peso de 10,3%, fruto dos seis golos que apontou na Liga (muito bom para um defesa). Guilherme Siqueira também teve a sua quota de responsabilidade no sucesso da equipa, com um golo e uma assistência. Será Eliseu capaz de fazer esquecer o brasileiro?