O FC Porto fechou a primeira volta da Liga NOS 2017/18 como a equipa mais concretizadora, aquela que gerava mais ocasiões flagrantes de golo e a que melhor as aproveitava. Desde a atribulada deslocação ao Estoril, todo esse registo ruiu, fazendo lembrar o “dragão” 2016/17.

GoalPoint-Barometro-Liga-NOS-Jornada-17-aproveitamento-ocasioes-infog
Clique para ampliar

O que é uma ocasião flagrante? Confira a definição aqui (link)

O regresso do “dragão” falhão

Nos últimos 225 minutos de Liga NOS, o “dragão” desperdiçou o incrível número de 11 ocasiões flagrantes em 12 criadas. Sim leu bem, em 11 situações de cara a cara com o golo, o FC Porto apenas concretizou uma, frente ao Tondela. Ou seja o FC Porto de Conceição continua a criar muitas ocasiões. mas passou a falhá-las, aproximando-se de um (mau) feito que caracterizou os “azuis-e-brancos” no passado.

Os números seriam provavelmente ainda mais expressivos se contássemos com dados Opta aprofundados da Taça CTT, mas mesmo ficando-nos pelos dados possíveis, e incluindo o duelo entre os “azuis-e-brancos” e os “leões” na meia-final, é possível alargar o espectro da crise concretizadora:

📊 315 minutos
📊 54 remates (15.4 remates p/90′)
📊 19 deles enquadrados (35,2% de acerto)
📊 1 golo marcado (1,9% de conversão)

Ou seja, os “dragões”, que fecharam a primeira volta a precisar somar 6,7 remates para marcar um golo, saltaram nos últimos jogos para um abismo de 54 disparos até somar um tento.

Protagonistas do desacerto?

Regressando à competição para a qual temos dados completos (Liga NOS), conseguimos perceber com maior exactidão quem têm sido os jogadores que mais lances flagrantes têm desperdiçado. Eis o top:

[vc_table vc_table_theme=”simple”][c#ffffff;bg#000000;b]Jogador,[c#ffffff;bg#000000;b;align-center]Mins,[c#ffffff;bg#000000;b;align-center]Oc.%20Flagrantes,[c#ffffff;bg#000000;b;align-center]Concretizadas,[c#ffffff;bg#000000;b;align-center]Perdidas|[b]Felipe,[align-center]225,[align-center]3,[align-center]0,[align-center;bg#dd8585;b]3|[b]T.%20Soares,[align-center]25,[align-center]2,[align-center]0,[align-center;bg#dd8585;b]2|[b]M.%20Marega,[align-center]225,[align-center]3,[align-center;b;bg#a2dd94]1,[align-center;bg#dd8585;b]2|[b]J.%20Corona,[align-center]78,[align-center]1,[align-center]0,[align-center;b]1|[b]Danilo%20P.,[align-center]135,[align-center]1,[align-center]0,[align-center;b]1|[b]Y.%20Brahimi,[align-center]178,[align-center]1,[align-center]0,[align-center;b]1|[b]V.%20Aboubakar,[align-center]196,[align-center]1,[align-center]0,[align-center;b]1[/vc_table]

Fonte: GoalPoint/Opta

Não deixa de ser curioso ver um central na liderança desta galeria, embora a importância ofensiva de Felipe (e Marcano) não seja uma novidade da época em curso no “dragão”. Apesar de tudo, é a aposta no polémico Tiquinho Soares a que maior amargura poderá provocar a Sérgio Conceição, pois o brasileiro consegue destacar-se em apenas 25 minutos jogados, no que toca a falhanços flagrantes, como colegas que disputaram todos os minutos em causa.

Azar?
Mau momento?
Ou motivo para Sérgio Conceição repensar as suas opções desde que começou a inovar (ex.: lançar o “dragão” no Estoril com quatro laterais em campo)?