O FC Porto ganhou por 3-0 o “clássico” frente ao Sporting CP. Se os “leões” nem começaram mal a partida, criando dificuldades de construção aos portistas, a partir do primeiro golo – brilhante a assistência de Jackson Martínez – os comandados de Marco Silva descontrolaram-se e os de Julen Lopetegui souberam aproveitam em pleno as deficiências contrárias.

Com uma defesa sólida, mas com pouco trabalho, e um meio-campo dominador, os portistas perceberam onde estavam as lacunas leoninas, aproveitaram-nas com três golos quase iguais e os lisboetas nunca conseguiram corrigir os erros. Olhámos para três jogadores de cada uma das equipas, nos três sectores colectivos, para perceber se, individualmente, as diferenças foram assim tão evidentes. Confira as conclusões.

ALEX SANDRO IMPERIAL, JONATHAN INSUFICIENTE

O sportinguista Jonathan Silva sentiu muitas dificuldades de posicionamento e para travar a velocidade de Cristian Tello pela esquerda, não fazendo esquecer Jefferson. Em comparação com o lateral-esquerdo portista, Alex Sandro, o argentino apenas se pode gabar de ter realizado cinco cruzamentos, contra um do brasileiro. De resto, domínio total no duelo de números (não directo) para Alex Sandro. Este teve excelente eficácia de passe, 87%, natural em defesas, mas que Jonathan não conseguiu igualar – registou pobres 64%, o que denota total descoordenação na construção com os colegas. O “dragão” foi também melhor nos duelos individuais e em praticamente todas as acções defensivas, como pode conferir na infografia.