O Benfica perdeu um derby que não podia perder, por números inesperados e de forma incontestada. Analisámos os números do confronto em busca das pistas que indicam as causas e os “pecados” que Rui Vitória (e as “virtudes” de Jesus) poderá ter cometido na preparação de um duelo no qual o Benfica… não compareceu.

Pecado #1: Inferioridade no “miolo”

Agenda Sporting CP SL Benfica
foto: J. Trindade

Rui Vitória decidiu abordar o derby com os quatro elementos do costume no meio-campo: dois médios de contenção (Almeida e Samaris) e dois extremos (Guedes e Gaitán), mesmo sabendo que seria muito provável que Jorge Jesus utilizasse João Mário numa das alas do seu meio-campo. Com isto, permitiu que o Sporting levasse vantagem numa zona fulcral do terreno e os números ajudam a explicar isso.

Tendo estado o Benfica em desvantagem no marcador durante quase todo o jogo, seria de esperar que tivesse mais bola que o Sporting, mas não foi isso que aconteceu. Os “leões” saíram da Luz com 51% de posse de bola (diferença que chegou a ser mais pronunciada) e isso deve-se essencialmente a duas coisas: a maior capacidade de a manter e de a recuperar. Vejamos os números dos quatro elementos de cada equipa antes do derby:

Análise Benfica vs Sporting Liga NOS 2015/16
Percentagem de passes certos (até ao derby)

 

Análise Benfica vs Sporting Liga NOS 2015/16
Recuperações de posse a cada 90 minutos (até ao derby)

Os indicadores já estavam lá. Se realmente Rui Vitória sabia como o Sporting ia jogar (e devia saber pois neste factor não houve surpresas), aconselhava-se que tivesse apostado noutro formato para o meio-campo, principalmente no que toca às faixas laterais. Se abdicar de Nico Gaitán era impossível tendo em conta o que produz ofensivamente, a presença de Gonçalo Guedes no “onze” inicial é duvidosa, e as entradas de Pizzi (para melhor capacidade de guardar a bola) ou Fejsa (para melhor a recuperar) aconselhavam-se tendo em conta as características do quarteto sportinguista.

Os números do próprio jogo confirmam os dados acima, com destaque para as grandes exibições de Adrien (que praticamente não falhou um passe) e de João Mário, que além de manter os 90% de acerto, juntou a isso uma capacidade recuperadora tremenda (e por vezes rara no jovem médio). A omnipresença de Samaris não chegou, já Pizzi, no pouco tempo que esteve em campo, acertou 82% dos passes e recuperou cinco bolas. Elucidativo.

Análise Benfica vs Sporting Liga NOS 2015/16
Percentagem de passes certos (no derby)
Análise Benfica vs Sporting Liga NOS 2015/16
Recuperações de posse a cada 90 minutos (no derby)

> NA PRÓXIMA PÁGINA: QUO VADIS GAITÁN?