André Franco, a revelação da Liga mora na Linha

-

Acaminhada do Estoril tem sido sensacional neste regresso à elite do futebol nacional e um dos esteios da equipa pontifica na zona central do meio-campo. Falamos de André Franco, titular em 12 dos 15 jogos dos “canarinhos” na Liga, onde ocupam o quinto posto da classificação com 25 pontos em 15 jornadas, fruto de seis vitórias, sete empates e apenas duas derrotas – estas ante o campeão Sporting e o ainda detentor da Taça de Portugal, o Braga.

Aos 23 anos, o criativo tem brilhado nos relvados nacionais, prova disso são os números que apresenta e que não deixam ninguém indiferente: uma média de 1,4 remates a cada 90 minutos, 2,8 passes ofensivos valiosos, quase dois dribles eficazes, 1,4 acções defensivas no meio-campo contrário, seis golos apontados e quatro assistências distribuídas pelas 15 partidas em que foi utilizado por Bruno Pinheiro.

GoalPoint-Portuguese-Primeira-Liga-2018-André-Franco-infog
Clique para ampliar

A juntar a tudo isto, Franco é o sétimo jogador com mais acções para golo da Liga, nada menos que dez, correspondendo aos tais seis golos e quatro assistências. Só Rafa Silva (19), Luis Díaz (15), Darwin Núñez (15), Mehdi Taremi (12) e Ricardo Horta (11) têm mais.

[ Todos os remates de André Franco (esq.), golos a amarelo, enquadrados a azul; as quatro assistências (dta. ]

No sistema táctico dos “canarinhos”, um habitual 1x4x2x3x1, o médio actua com total liberdade nas costas do ponta-de-lança, ora surgindo em zonas de finalização, ora percorrendo outras zonas do terreno de jogo, deambulando pelos corredores. Uma espécie de vagabundo que tem contribuição directa em 58,8% de todos os golos que o Estoril marca com ele em campo. O número dez não se fica por aqui, sendo, também, o segundo jogador dos estorilistas com mais remates por 90 minutos (2,2), com uma conversão de 23,1%, e o elemento da equipa que tem mais passes para finalização (1,6). Impressionante.

[ Golo de André Franco em Portimão, na 9ª jornada ]

Além de toda a capacidade técnica, André junta outra característica que o torna num médio completo, tem um pulmão inesgotável que lhe permite aparecer e ter influência no processo defensivo e ofensivos dos da Linha, sabe construir e finalizar. Foi importante na caminhada da época passada que culminou com a conquista da Liga Sabseg e continua a espalhar magia com as cores amarelas.

[ Acções com bola (esq.), passes aproximativos (ctr), passes para finalização (dta.) ]

“A grande revelação do campeonato”

Após ter feito a formação no Belenenses e na Academia de Alcochete, o médio abandonou o Sporting nos juniores – chegando a equacionar abandonar a carreira como revelou numa entrevista ao diário O JOGO – e ingressou no emblema da Amoreira, onde tem estado a subir diversos degraus, sempre de forma sustentada – juniores e sub-23. Recentemente prolongou o vínculo com o Estoril até 2024.

Ainda com apenas 23 anos, até onde poderá chegar o médio? Estará talhado para outros e altos voos? Foi esta a questão que lançámos a Pedro Bouças, treinador de futebol e comentador do Canal 11.

“Penso que tem condições para chegar a um dos quatro principais clubes da Liga, mas precisa de fazer mais uma época a jogar, continuar a evoluir, ganhar regularidade e ser mais constante. Precisa de ter mais tempo de prática, pois se chegar a um outro clube e não jogar, não irá potenciar-se enquanto jogador. Creio que lhe fará bem mais um ano neste patamar, antes de integrar o plantel de um outro emblema”, começou por dizer o treinador de futebol, em declarações à GoalPoint.

“O André é, até agora, a grande revelação da Liga, um médio interior com uma abrangência muito grande. A sua principal característica é a qualidade técnica, a forma como pauta o jogo com a bola, é um jogador com criatividade e também importante no momento defensivo, pois é agressivo, tem um grande raio de acção, o que acaba por distingui-lo de outros jogadores que ocupam a mesma faixa de terreno”, sublinhou o comentador do Canal 11, que fez ainda um comparativo.

“Sublinhando as devidas distâncias e os níveis bem diferentes, é uma espécie de Mesut Özil pelas suas características, uma vez que é canhoto, criativo, possui um excelente último passe que lhe permite realizar assistências, e é um número ’10’, que pode também partir do corredor lateral, como um extremo, com excelente capacidade nas bolas paradas”. Feitas as apresentações, fiquem atentos às exibições deste talento emergente do nosso futebol.

Leonel Gomes
Leonel Gomes
Amante das letras, já escreveu nos jornais A Bola, Público e o O Jogo, dedicando-se também ao Social Media Management desde 2014. Tornou-se GoalPointer na "janela de mercado" do verão de 2019.