O jovem André Horta chegou de Setúbal como um dos primeiros reforços confirmados pelo Benfica para a próxima época. Antevendo a difícil probabilidade de segurar o “diamante” Renato Sanches, os “encarnados” mexeram-se para encontrar um sucessor com vários pontos em comum e não só na maneira de jogar.

Tal como Renato Sanches, André Horta é um médio-centro que fez grande parte da sua formação como médio-ofensivo, mas que começou recentemente a recuar no terreno, sentindo-se agora confortável na posição “8”, tipicamente designada como box-to-box.

Formação “encarnada” e estreia precoce

André Horta é um produto do Caixa Futebol Campus, onde chegou com apenas sete anos e de onde saiu aquando da passagem para os Juvenis A. Até lá partilhou muitos anos de balneário com Gonçalo Guedes, que agora reencontra nos seniores.

Após ser dispensado pelo Benfica, Horta mudou-se para o Vitória de Setúbal na época 2012/13, percurso que já tinha sido seguido pelo seu irmão mais velho, Ricardo Horta, com o mesmo sucesso. Em Setúbal, André Horta fez três anos de formação, mas a meio do último (e ainda júnior) estreou-se pelos seniores e impressionou de tal maneira que garantiu a titularidade no início da época seguinte, ainda com 18 anos.

É precisamente essa a época que analisamos, em comparação com Renato Sanches, que viveu circunstâncias idênticas em 2015/16, com os resultados que se conhecem. Eis os números.

GoalPoint-SL-Benfica-Reforcos-Liga-NOS-201617-Andre-Horta
Clique para ampliar

Apesar de terem jogado sensivelmente o mesmo número de minutos e de alinharem em clubes de dimensões bem diferentes, André Horta destaca-se desde logo por ter contabilizado mais duas assistências que Renato.

A parte ofensiva é mesmo aquela em que André parece levar vantagem em relação ao campeão europeu, insistindo mais nos remates e, sobretudo, com uma pontaria mais afinada.

Tal como Renato Sanches, André Horta é também evoluído tecnicamente e, apesar de arriscar menos o drible, até é habitualmente mais eficaz quando o faz, conseguindo ultrapassar os adversários em 59% das tentativas, contra apenas 41% de Renato Sanches.

É no momento defensivo que André Horta ainda não oferece tanto como o novo jogador do Bayern de Munique. A diferença (vide infografia) parece pequena, mas devemos ter em conta que o jovem reforço jogava numa equipa na qual o tempo dedicado à fase defensiva era consideravelmente maior. Os números menos expressivos face a uma maior solicitação defensiva deixam algumas dúvidas em relação à preparação imediata de André Horta para oferecer exactamente o mesmo que Sanches deu ao Benfica.

Aposta de futuro… com presente

O facto de André Horta ter apenas 19 anos recomenda quase por si só a contratação de um jogador capaz de atingir estes números em apenas época e meia como sénior.

No entanto, se a ideia passar por utilizar André Horta como o médio que acompanha Fejsa/Samaris no centro do terreno, Rui Vitória ainda terá algum trabalho pela frente até fazer de Horta um titular capaz de oferecer tudo aquilo que mudou a época 15/16 do Benfica, com Renato Sanches.

No processo ofensivo sim, André Horta tem condições para dar resposta imediata e espantar os adeptos “encarnados”, tal como já fez em alguns jogos da pré-época. Talvez o seu futuro imediato passe por ser aposta vinda do banco para desbloquear jogos complicados.

Uma coisa certa, sem Renato e com Talisca aparentemente de saída, André Horta parece curto como solução única para a posição “8”, apesar de tudo o que promete.

Confira outras análises aos reforços da Liga NOS 2016/17:

⚽ Franco Cervi (SL Benfica)
⚽ Alex Telles (FC Porto)
⚽ 
Felipe (FC Porto)

⚽ Alan Ruiz (Sporting CP)