What if? Existe toda uma linha literária dedicada à exploração de cenários alternativos. E se os alemães tivessem ganho a Segunda Grande Guerra? E se os dinossauros não tivessem sucumbido? A tendência chama-se História Alternativa e é abordada sempre com base em eventos decisivos do passado. Iniciamos hoje o exercício inverso. Juntando toda a informação de que dispomos, bem como indicadores razoáveis de análise, projectamos o destino de Jorge Jesus, Julen Lopetegui e Marco Silva e respectivos emblemas na próxima época, iniciando o ensaio de “futurologia” com o caso aparentemente mais acessível: Jorge Jesus.

1. (COMO SEMPRE) DEPENDENTE DO TÍTULO

Tivéssemos escrito este exercício de futurologia há umas jornadas e o prognóstico seria mais arriscado. Tudo pode ainda acontecer mas dificilmente imaginamos que o Benfica deixará fugir o título de campeão da Liga NOS 2014/15, não só pela vantagem pontual e calendário até final da prova mas também (quiçá sobretudo) pelas lições de um duro passado recente.

Jorge Jesus (foto: J. Trindade)
Jorge Jesus (foto: J. Trindade)

Com a renovação do título a continuidade de Jorge Jesus passa a ser uma decisão sobretudo do próprio: os adeptos estarão com ele e Luís Filipe Vieira há muito percebeu que, apesar da pesada factura, Jorge Jesus trouxe o rendimento, dentro e fora das quatro linhas, que garantiram uma liderança serena. Jesus acaba por ser o “lucky charm” que Vieira tanto procurou no início de presidência e que dificilmente pode dar-se ao luxo de perder, mesmo sabendo não existirem insubstituíveis.

Acreditamos também que o treinador preferirá continuar no Benfica. Pesem todas as vozes que afirmam que ao treinador falta uma experiência lá fora para se afirmar em definitivo como um grande treinador da actualidade do futebol mundial, a verdade é que Jesus dá indícios de privilegiar outras variáveis, não só a título pessoal/familiar como também no que diz respeito às condições que lhe oferecem e contexto em que desenvolve o seu trabalho. Obviamente existem questões em aberto: qual será a política desportiva do Benfica na próxima época? A (enésima) declaração de Luís Filipe Vieira de aposta clara na formação será, desta feita, para cumprir? Como encara Jorge Jesus essa imposição caso se verifique? Corresponderá essa decisão a uma alteração de posicionamento no mercado por parte do Benfica? Todas estas questões influenciam um desfecho que, apesar de tudo, nos parece óbvio: seja o Benfica campeão e Jorge Jesus deverá continuar na Luz, por vontade mútua.

Apesar de (mais um) falhanço no cumprimento dos “serviços mínimos” na Liga dos Campeões, a confiança num treinador que internamente apenas falhou na Taça de Portugal não está em causa, arrecade o Benfica o título de campeão que se perfila no horizonte e cujo desempenho ameaça suplantar a época passada.

[vc_table vc_table_theme=”classic”][align-center]%C3%89poca,[align-center]Jogos,[align-center]%25%20Vit%C3%B3rias,[align-center]%25%20Derrotas,[align-center]%25%20Empates,[align-center]G.%20Marcados,[align-center]G.%20Sofridos,[align-center]G.%20Average,[align-center]PPJ|[align-center]2014%2F15,[align-center]44,[align-center]72%2C7%25,[align-center]15%2C9%25,[align-center]11%2C4%25,[align-center]96,[align-center;bg#f2c937;b]28,[align-center;bg#f2c937;b]%2B1%2C55,[align-center]2%2C30|[align-center]2013%2F14,[align-center]57,[align-center]75%2C5%25,[align-center]10%2C5%25,[align-center]14%2C0%25,[align-center]107,[align-center]42,[align-center]%2B1%2C14,[align-center]2%2C40[/vc_table]

Em termos de desempenho, e numa época que no seu arranque motivou o traçar de alguns cenários catastrofistas por parte de adeptos e comentadores afectos às “águias”, a verdade é que Jorge Jesus já ultrapassou o número de vitórias atingidas na época 2013/14 (+1) e, mesmo sofrendo mais uma derrota reduziu até agora em quase metade o número de golos sofridos (42 na época passada, 28 neste momento).

> PRÓXIMA PÁGINA: QUE DESTINO E QUE SUCESSOR CASO JESUS DIGA ADEUS AO BENFICA?

Html code here! Replace this with any non empty text and that's it.