Sexta-feira é dia de “clássico” maior entre Benfica e FC Porto, e logo agora que a Liga NOS está mais disputada do que nunca. Tudo parece estar contra os “dragões”: estão a seis pontos dos líderes, vêm de uma derrota traumática e não vencem para a Liga na Luz desde a época 2011/12 (2-3). Mas nestes jogos… nunca se sabe e também por isso olhamos para algumas particularidades do que produziram até agora “águias” e “dragões”, em busca de indicadores que nos ajudem a perspectivar o encontro, prever desfechos e até… fazer umas apostas. Vamos a isso então, começando pelos números globais e passando depois às particularidades que nos podem ajudar a antever o jogo grande da 22ª jornada.

Antevisão SL Benfica vs FC Porto - Liga NOS 2015/16
Clique na infografia para ampliar (infografia: GoalPoint)

Defesas siamesas?

Benfica e Porto chegam à 22ª jornada com o mesmo número de golos sofridos, 14, uma média de 0,7 jogos por encontro. Os adversários partilham também o local de onde sofrem os golos: 12 dentro da área e apenas dois de fora da mesma.

André Almeida e André André
Foto: J. Trindade

As semelhanças acabam por encontrar justificação no que permitem defensivamente os emblemas. Ambos os rivais consentem cerca de oito remates enquadrados por jogo, mesmo com os “dragões” a permitirem quase mais dois no total por encontro, com repartição de competências: enquanto o Benfica é mais eficaz no desarme (79% vs 75%), o Porto intercepta mais passes adversários (19 vezes, contra 18 do Benfica, por jogo).

Até na hora de encontrar o período de maior fragilidade encontramos algo em comum. “Águias” e “dragões” consentem o seu primeiro golo sobretudo na primeira metade do jogo: o Porto sofre o primeiro em média por volta dos 27 minutos enquanto o Benfica tropeça em média por volta do minuto 43.

Com ambas as equipas a já terem perdido dois jogos cada por um golo de diferença, o Benfica é o único a já ter permitido uma derrota por três ou mais golos, e logo em casa, frente ao Sporting.

> NA PRÓXIMA PÁGINA: NO PASSE E CONCRETIZAÇÃO PODE ESTAR A DECISÃO