Após a vitória (para alguns magra) por 2-1 na primeira mão do play-off de acesso à fase de grupos da Liga dos Campeões 2015/16, o Sporting CP visita esta quarta-feira (26 de Agosto) o CSKA em Moscovo, procurando carimbar a entrada na prova máxima de clubes. O encontro confirmou muito do que se temia por parte dos russos e que a infografia GoalPoint (agora actualizada) indicava: contra-ataque “venenoso”, sobretudo pelo flanco esquerdo (com Musa ou Dzagoev, com ritmos e “armas” diferentes) e muita, muita velocidade, de Doumbia ou Tosic, com Eremenko no apoio.

A partida de Alvalade sublinhou também algo mais animador para os “verde-e-brancos”: alguma permissividade defensiva moscovita que, bem explorada, não só garantiu a vitória leonina no primeiro encontro, como abre também perspectivas optimistas para um segundo jogo, onde a obtenção de um golo poderá garantir o ambicionado acesso. Deixamos-lhe os dados comparados e devidamente actualizados do duelo, na infografia anexa, bem como alguns parágrafos que havíamos dedicado ao CSKA ainda antes do primeiro encontro.

Champions: Antevisão Sporting CP vs CSKA
Clique na infografia para ampliar (infografia: GoalPoint)

Antevisão CSKA

Com um plantel avaliado em cerca de 154 milhões de euros (vantagem para os “leões”, com 180 milhões neste momento), os russos comandados por Leonid Slutski (52% vitórias, 25% derrotas) fizeram uma entrada de “leão”… na Liga Russa, que não só lideram contando apenas por vitórias os cinco jogos disputados como o fazem apenas com um golo sofrido (fora, frente ao rival Spartak) contra oito marcados, um registo que tende a contrariar a tese de eventual permissividade defensiva.

No entanto, a eliminatória da Liga dos Campeões que os moscovitas já disputaram (frente ao Sparta de Praga) revelou um CSKA permissivo, encaixando quatro golos, marcando cinco mas tendo de operar uma reviravolta em Praga de modo a poder continuar a sonhar com a fase de grupos da mais importante prova de clubes do mundo futebolístico. Apesar das dificuldades defensivas também aqui reside um alerta para os “verde-e-brancos”: os russos não se entregam, mesmo quando já parecem vencidos.

A equipa de Slutksi apresenta-se invariavelmente num 4x2x3x1 com vários internacionais experientes no “onze” titular: Akinfeev, Ignashevich, Berezutski, Wernbloom, Tosic e Dzagoev são nomes “batidos” no futebol europeu e mundial e o próprio Mário Fernandes, brasileiro candidato “crónico” ao lugar de defesa-direito benfiquista há vários defesos consecutivos, é um jogador experiente e conhecido. Na frente surge o supersónico nigeriano Musa, letal no contra-ataque rápido, apoiado pelo influente Eremenko (duas assistências em cinco jogos na Liga russa). Até os menos “famosos” merecem cuidados e exemplo disso é o médio-centro israelita Natcho: leva dois golos marcados em cinco logos na Liga russa, sinal que não se limita a “limpar e circular”.

Para lá da importância (financeira e desportiva) deste play-off e do desejo de regressar à Champions League sobra aos “leões” um elemento de motivação extra frente aos moscovitas: vingar a derrota caseira na final da Taça UEFA 2004/05 sabendo que, para o fazerem, terão de bater um triângulo defensivo composto precisamente por Akinfeev, Ignashevich e Berezutski, três “históricos” do CSKA que saíram de Alvalade a sorrir, numa certa noite de má memória para o Sporting.