Antevisão: Como se apresentará o “dragão” no arranque da Liga?

Com um plantel reforçado e, possivelmente, o mais forte dos três grandes, o FC Porto entra na nova época com uma aparente nova abordagem táctica no momento defensivo sujeita a confirmação.

Ricardo Quaresma é um dos jogadores que transitam que deverá ter conquistado a preferência de Lopetegui (foto: J. Trindade)
Ricardo Quaresma é um dos jogadores que transitam que deverá ter conquistado a preferência de Lopetegui (foto: J. Trindade)

A pré-temporada é uma fase de tradicional rotação de jogadores, entre os que permanecem, os que recebem uma segunda oportunidade e os reforços que vão chegando. Torna-se assim difícil perceber, antes mesmo da bola começar a rolar a “sério” as opções que os técnicos tomarão ao nível não só do elenco como do seu comportamento em campo. Essa tarefa torna-se ainda mais difícil em contextos como o do FC Porto na preparação da época que hoje se inicia, com os “dragões” a serem alvo de uma profunda reestruturação. Mesmo assim ensaiamos a nossa previsão de como se poderá apresentar o FC Porto esta noite frente ao Marítimo (20h00, Estádio do Dragão), tanto ao nível do onze como também de sistema e opções tácticas (exercício que faremos também para o Sporting CP e SL Benfica), tema que prometemos desde já analisar em maior profundidade passadas algumas jornadas do arranque das competições oficiais.

 

O Que Mudou

 

Entradas: Ricardo (Académica), Evandro (Estoril), Sami (Marítimo), D. Opare (Standard Liège), O. Torres (At. Madrid), Lichnovsky (Univ. Chile), Adrián López (At. Madrid), B. Indi (Feyenoord), C. Tello (Barcelona), Casemiro (Real Madrid), Brahimi (Granada), J. Ángel (Roma) e A. Fernandez (Osasuna), I. Marcano (R. Kazan), R. Neves (juniores)

Saídas: J. Fucile (Nacional Uru), J. Iturbe (AS Roma), Fernando (M. City), Castro (Kasimpasa), M. Izmailov (Krasnodar), Djalma (Konyaspor), S. Bolat (Galatasaray), Mangala (M. City), Josué (Bursaspor), Licá (R. Vallecano), Abdoulaye (R. Vallecano), S. Defour (Anderlecht)

1_700
figura 1 – O onze que Lopetegui deverá apresentar

Para esta nova época o FC Porto sofreu uma “espanholização”, quer a nível do leme da equipa, quer no seu plantel, visto que foram contratados no total oito jogadores que actuavam na Liga espanhola na época passada.

Julen Lopetegui traz consigo todo o know-how em termos de dinâmicas de jogo e métodos de treino da federação espanhola, pois este teve como última equipa a seu cargo a selecção sub-21 do país vizinho.

Apesar das muitas saídas este FC Porto tem todas as armas necessárias para atacar o título desta época, pois parece possuir o plantel mais bem apetrechado e equilibrado dos três grandes. Jogadores como C. Tello, Adrián López ou mesmo Bruno Indi trouxeram aos “dragões” uma melhoria na qualidade individual que pode fazer toda a diferença num campeonato como o português. Outro aspecto muito positivo deste Porto transfigurado é a inclusão do jovem português Rúben Neves no plantel principal, um atleta que joga como “trinco” ou médio-centro e que tem demonstrado, apesar dos seus 17 anos, um nível de maturidade e qualidade de jogo muito acima da média.

Pormenor Táctico

 

2_700
Figura 2 – A pressão alta “azul-e-branca”

Este novo FC Porto com a batuta de Julen Lopetegui tem agora um aspecto muito interessante e diferenciador em relação às dinâmicas de épocas anteriores, Nesta temporada, no momento defensivo, a equipa posiciona-se num 1-4-1-4-1 bloco alto.
Jackson Martínez, que joga como ponta-de-lança, faz pressing nos centrais adversários e os restantes jogadores fazem uma defesa à zona agressiva, enquanto a linha defensiva mais recuada usa a armadilha do fora-de-jogo.