OFC Porto tem tudo para definir já esta quarta-feira o seu futuro na Liga dos Campeões. Líder isolado do Grupo D, com dez pontos, tem mais dois que os alemães do Schalke, precisamente os adversários da noite no Estádio do Dragão. Um empate chega para os portistas garantirem a passagem aos oitavos-de-final e um triunfo garante desde já o primeiro posto. E a história deste agrupamento abre todas as perspectivas de sucesso para o emblema luso conseguir precisamente isso.

O domínio do FC Porto esta época na fase de grupos tem sido claro, como mostram não só a classificação, mas os números que sustentam essa mesma força. As duas vitórias em casa não foram colocadas em causa pelas deslocações a Moscovo e à Alemanha, tendo registado um triunfo na Rússia e um empate em Gelsenkirchen. Resultados que não surgiram por acaso, mas sim fruto da competência global da equipa, nos diversos momentos de jogo, muito em especial na elevada eficácia ofensiva que os comandados de Conceição demonstraram.

GoalPoint-Schalke-Porto-Champions-League-201819-Ratings
Os detalhes do embate entre as duas equipas na primeira volta, na Alemanha (clique para ampliar)

 

Na primeira volta, na Alemanha, o Porto mostrou o porquê de ser primeiro classificado, com uma superioridade nos mais importantes aspectos do jogo, incluindo posse de bola e eficácia de remate. Esta tem sido a identidade portista nesta fase de grupos e, se a lógica imperar e as estatísticas se mantiverem ao nível das primeiras quatro jornadas – as quais pode conferir no quadro abaixo -, é muito provável que os “azuis-e-brancos” façam já a festa esta quarta-feira.

VariávelFC PortoSchalke
Golos94
Golos sofridos31
Remates p/90m13,013,3
% Remates enquadrados42%38%
% Remates convertidos17%8%
% Remates enquad (área)47%52%
% Remates enquad (fora da área)31%18%
Posse de bola56%46%
Passes p/90m456,8366,8
% Eficácia de passe80%77%
Passes finalização p/ 90m8,09,8
Passes curtos p/ desmarcação p/90m4,82,8
Passes meio-campo contrário p/90m246,8168,3
Passes curtos p/90m117,870,3
% Passes curtos falhados23%32%
Ocasiões flagrantes criadas p/90m1,52,0
% Ocasiões Flagrantes Convertidas50%13%
Tentativas drible p/90m18,816,3
% Eficácia de drible49%45%
Cruzamentos bola corrida p/90m10,510,8
% Cruzamentos eficazes29%12%
Duelos aéreos ofens. na área5,35,3
% Duelos aéreos ofens. na área ganhos43%62%
% Duelos aéreos defensivos ganhos56%55%
% Duelos aéreos def. na área ganhos46%65%
Desarmes p/90m15,321,8
% Desarmes falhados23%36%
Remates permitidos área p/90m7,34,8
Defesas p/90m2,31,8
% Remates enquad. defendidos75%88%

Fonte: GoalPoint/Opta

Os germânicos são, a par dos compatriotas do Bayern, a única equipa com apenas um golo sofrido até ao momento, tendo ambas as formações a melhor defesa. Contudo, há que lembrar que foi o Porto a marcar esse golo. Os “dragões” estão entre as equipas com a quarta melhor taxa de conversão de ocasiões flagrantes (50%) e é a segunda no aproveitamento da totalidade dos remates que faz (17%), apenas atrás do Dortmund (19%), sendo que enquadra 42% dos seus disparos. Portanto, se a qualidade na frente de ataque se mantiver, é quase certo que os homens da casa irão fazer balançar as redes alemãs.

Os “dragões” superiorizam-se ainda na posse de bola, na eficácia de passe e mostram um futebol bem mais apoiado na construção ofensiva, expressa no número mais elevado de passes que realiza a cada 90 minutos – muitos deles curtos, no meio-campo adversário e com diversas entregas curtas para desmarcação como forma de rasgar as defesas contrárias. A eficácia nos cruzamentos, de 29%, é uma das mais altas da prova, algo que poderá, contudo, chocar com uma das principais características dos germânicos, a sua competência nos duelos aéreos defensivos dentro da grande área (62% ganhos), um dos motivos da boa consistência dos forasteiros na retaguarda – para além do baixo número de remates permitidos dentro da sua grande área, apenas 4,8, da elevada percentagem de remates enquadrados defendidos, nada menos que 88%, e de ter consentido apenas oito remates com boa direcção.

É neste aspecto que os portistas terão de se salvaguardar, quando pensamos na outra extremidade do campo. Neste quatro jogos, o Schalke apresentou uma relevante percentagem de remates enquadrados dentro das áreas contrárias, pelo que Iker Casillas (que travou 75% dos disparos enquadrados à sua baliza) precisará de atenção redobrada neste aspecto. Tirando isso, a maior dificuldade portista poderá ser a penetração no último reduto germânico, mas se mantiver a boa pontaria na altura do remate, é de prever um bom aproveitamento das situações de finalização, mesmo que, no final, sejam poucas.

GoalPoint-Schalke-Porto-Champions-League-201819-90m
Clique para ampliar

Curiosidades históricas

  • O anfitrião não perdeu nenhum jogo nos cinco últimos embates entre Porto e Schalke, sendo que os portugueses venceram um e empataram outro dos encontros em casa.
  • Esta será a primeira visita do Schalke ao Porto desde Março de 2008, altura em que perdeu 1-0 nos oitavos-de-final da Champions, mercê de uma exibição portentosa do então jovem Manuel Neuer.
  • Porto (três vitórias e um empate) e Schalke (dois triunfos e duas igualdades) ainda não perderam nesta edição da competição. A última vez que os “dragões” não perderam nos cinco primeiros jogos da fase de grupos foi em 2014/15, enquanto o Schalke apenas conseguiu tal feito em 2012/13.
  • O FC Porto ganhou seis dos seus últimos sete jogos da Liga dos Campeões em casa, tendo perdido o outro.
  • O Schalke não perdeu nenhum dos quatro últimos jogos fora na prova, com um registo de três vitórias, seguidas de um empate com o Galatasaray, na última jornada.
  • Nenhuma equipa sofreu menos remates enquadrados esta época na Champions do que o Schalke (8).
  • Os quatro golos dos alemães neste Grupo D foram marcados por quatro jogadores diferentes e de quatro nacionalidades (pelo alemão Mark Uth, pelo austríaco Guido Burgstaller, pelo americano Weston McKennie e pelo suíço Breel Embolo).
  • Após ficar em branco nos primeiros sete jogos na Liga dos Campeões, o avançado portista Moussa Marega facturou nos últimos três desafios na competição.
  • O último jogador do Porto a marcar em quatro partidas consecutivas na Champions foi o brasileiro Mário Jardel, em Novembro de 1999 (terminou com cinco jogos consecutivos a marcar).