Antevisão | Porto 🆚 Benfica, o “clássico” da época? 🔥

-

Se na passagem de ano o FC Porto levava sete pontos de vantagem sobre a concorrência, o arranque de 2019 mudou toda a conjuntura do campeonato: os “dragões” falharam o pleno pontual em três situações, empatando em Alvalade, Moreira de Cónegos e Guimarães, enquanto o Benfica somou oito vitórias em outras tantas partidas sob o comando de Bruno Lage. Assim, com apenas um ponto de diferença entre os dois, chegamos ao “clássico” da 24ª jornada com vista para um jogo que pode assumir contornos decisivos na luta pelo título.

GoalPoint-Benfica-Porto-LIGA-NOS-201819-Ratings
O “filme” do jogo da primeira volta, na Luz (clique para ampliar)

Vamos acompanhar o clássico ao vivo! Saiba mais e faça bookmark a este link 🔗

Águia de garras afiadas

Nestas oito partidas sob nova liderança, o Benfica tem sido uma máquina ofensiva demolidora: não só possui a média absolutamente impressionante de 4,2 golos marcados por jogo, como os números ofensivos que a suportam são também excelentes e sustentáveis. Não só as “águias” realizam mais remates que qualquer equipa da Liga (16,1, comparado com os 15,0 do Porto), como fazem mais remates na área (12,7, Porto tem 10,6) e, ainda mais importante, somam mais ocasiões flagrantes: 5,4 (Porto soma 2,8). E, sendo verdade que os dez golos frente ao Nacional têm impacto nesta média, os “encarnados” marcaram três ou mais golos a cada um dos últimos cinco jogos do campeonato. Esta torrente ofensiva traduz-se em números: os “encarnados” entram no Dragão com uma média de 3,6 golos esperados (xG) no conjunto das últimas cinco partidas disputadas na Liga, contra 2,0 dos “azuis-e-brancos”.

Tendo em conta que na mesma última sequência de oito partidas os homens de Sérgio Conceição perderam pontos em três ocasiões, é natural que os seus números sejam de menor destaque, por comparação. Mesmo assim, defensivamente mostram ligeira superioridade sobre o rival. Os “dragões” permitem menos remates na área (4,0, comparado com os 4,6 do Benfica) e disparos enquadrados (2,3, enquanto o Benfica consente 2,7). Os “azuis-e-brancos” mantêm também o seu característico domínio no jogo aéreo defensivo, permitindo menos remates de cabeça e menos duelos, ganham ainda uma porção ligeiramente maior destes.

GoalPoint-Preview-Jornada24-Porto-Benfica-LIGA-NOS-201819-infog
Os desempenhos colectivos comparados de Porto e Benfica nos últimos 5 jogos (clique para ampliar)

Um “dragão” em busca do espaço

Neste sábado entram em campo, no Dragão”, as duas formações da Liga NOS que mais tempo passam a dominar partidas com posse de bola. Porto e Benfica são os dois clubes com mais passes, entregas no meio-campo adversário, passes curtos e superioridade em todas todas as métricas que relacionamos a um jogo em posse. A ligeira superioridade do Benfica neste capítulo, um pouco mais significativa no passe longo – apenas 10% das entregas “encarnadas” são longas (13% do Porto) –, dá-nos a ideia de um Porto mais apostado num jogo de transição e procura do espaço nas costas da defesa contrária, algo que facilmente observamos em campo. No entanto, o factor-casa poderá motivar os “dragões” a não entregarem a posse ao adversário.

De um ponto de vista defensivo, estas são ainda as duas equipas que procuram recuperar a bola mais à frente no terreno: no terço intermédio, o Benfica é primeiro na Liga em acções defensivas (19,3) e o Porto segundo (17,1), enquanto no último terço o Porto é primeiro (6,3) e o Benfica segundo (5,8). O rumo do jogo estará então muito depende de quem decidir tomar as rédeas do encontro e do planeamento específico que cada treinador decidir pôr em prática para a partida.

Os nomes que podem fazer a diferença

GoalPoint-Óliver_Torres_2018_vs_Gabriel_Pires_2018-1-infog
Clique para ampliar

No plano individual, mantêm-se as semelhanças entre as equipas. Ambos os conjuntos estão assentes numa dupla de meio-campo de cariz complementar. Óliver Torres e Gabriel lançam e coordenam os ataques das suas equipas através da sua capacidade de passe, sendo mesmo os dois médios da Liga com mais passes longos (10,5 e 9,5 por 90 minutos, respectivamente) e mais passes longos para o último terço (5,8 e 5,0, respectivamente) – mantendo eficácias elevadas, apesar do grande volume.

Ambos são acompanhados por recuperadores de bola de qualidade: do lado do FC Porto Hector Herrera que, oferecendo mais do que só isso ao jogo, é muito activo sem bola e soma números acima da média em todos os parâmetros de recuperação de posse. Do lado do Benfica, Florentino Luís aparenta ter ganho o lugar e está a mostrar-se um autêntico “pequeno Kanté”. A amostra ainda é pequena, mas somou sempre um mínimo de 5,0 desarmes em cada uma das partidas em que jogou (três jogos como titular e cerca de meia-hora frente ao Nacional).

GoalPoint-Alex_Telles_2018_vs_Álex_Grimaldo_2018-1-infog
Clique para ampliar

Outra semelhança entre os dois conjuntos é a assimetria nos seus lados de ataque, tendo ambos o seu lateral mais ofensivo no lado esquerdo e um lateral mais difícil de ultrapassar defensivamente à direita – em particular se Éder Militão voltar a essa posição. Pelo “azuis-e-brancos” Alex Telles soma mais passes para finalização (2,8), principalmente de bola parada, e cruzamentos (4,7). Já Álex Grimaldo envolve-se mais na progressão com bola, com 1,5 dribles completos e 1,3 faltas sofridas, e aparece ele próprio em situações de remate com maior frequência. Assim, até nestes desequilibradores vindos de trás as equipas poderão acabar por se encaixar.

No meio de tanta paridade e equilíbrio, falta só realçar quem poderá realmente fazer a diferença. Pelos lisboetas, João Félix, Jogador do Mês de Fevereiro, é o elemento em destaque e por todas as suas características poderá mesmo causar muito perigo no Dragão. Remata muito – 3,4 por 90 minutos, 2,5 desses na área – e com qualidade (enquadra 57% das tentativas na área e 38% das de fora-de-área). Cria ainda mais ocasiões flagrantes (0,8) que qualquer outro jogador excepto Pizzi – e mantém elevada eficácia de passe (70%) mesmo no último terço. Ligando o jogo muitas vezes a partir de uma zona em que o Porto não tem tido Danilo, Félix poderá dar muito trabalhado aos da casa.

Do outro lado, os olhos estarão em Jesús Corona para produzir momentos de magia. O mexicano está a atravessar a sua melhor época de Dragão ao peito e poderá aqui ter hipótese de fazer mossa, caindo muitas vezes entre as zonas de Grimaldo, que tende a dar espaço nas costas, e do inexperiente Ferro. Completando muitos dribles (2,5, sendo 1,5 desses no último terço) e ganhando mais faltas que qualquer outro jogador do Porto – 2,9, com 1,1 no último terço –, poderá ser a fonte das bolas paradas pelas quais o campeão nacional é reconhecido. Do “onze” provável é ainda o Dragão com mais passes para finalização de bola corrida (1,5).

Com as cartas lançadas e apostas feitas, só falta esperar pelo jogo, que promete ser tão equilibrado quanto importante na resolução da Liga NOS 2018/19.

Não percas o acompanhamento GoalPoint do grande clássico, durante (no twitter e também com widgets exclusivos aqui no site) e após a partida (com todos os ratings, vídeos e a análise habitual).

GoalPoint
GoalPoint
O GoalPoint.pt é um site produzido pela GoalPoint Partners, uma start-up especializada em análise estatística de futebol, que oferece serviços dirigidos a profissionais, media, patrocinadores/anunciantes e adeptos.