Antevisão: Que “águia” na defesa do título?

Após uma temporada em grande onde ganharam todos os troféus internos e onde apresentou um futebol agradável e ofensivo, o Benfica surge agora com uma equipa ferida e a necessitar de reforços.

Bebé, agora Tiago, é uma das caras novas do Benfica 2014/15 (foto: J. Trindade)
Bebé, agora Tiago, é uma das caras novas do Benfica 2014/15 (foto: J. Trindade)

Com as saídas de jogadores importantíssimos como Rodrigo, Cardozo, Garay, Oblak e Markovic, e com a iminência de perder também Enzo Pérez e Gaitán, o Benfica é uma equipa em profunda reestruturação e cuja pré-época não deixou os adeptos nada descansados. Resta saber se a “cara” dos comandados de Jorge Jesus é a das partidas de preparação ou a da Supertaça, onde mostrou um futebol de qualidade. Seja qual for, um problema irá certamente persistir: a quase inexistência de eficácia no ataque.

O que mudou

Entradas: *Candeias (Nacional), Dawidowicz (Lechia Gdansk), Frisenbichler (Bayern B), L. Benito (Zurique), César (Ponte Preta), *L. Felipe (Palmeiras), Derley (Marítimo), A.Talisca (Bahia), *Víctor Andrade (Santos), Eliseu (Málaga), Bebé (Man. Utd), Lisandro López (Getafe), Ola John (Hamburgo), Pizzi (Espanhol), N. Oliveira (Rennes), Sidnei (Espanhol) e Jara (Estudiantes), * Djavan (Académica)
Saídas: Siqueira (At. Madrid), A. Gomes (Valência), Rodrigo (Valência), A. Kardec (São Paulo), Derlis (Basileia), A. Mitrovic (Friburgo), E. Garay (Zenit), Oblak (At. Madrid), Funes Mori (Eskisehirspor), L. Markovic (Liverpool), Fariña (Corunha), Djuricic (Mainz), Djavan (Sp. Braga), Bernardo Silva (Mónaco), Ivan Cavaleiro (Desp. Corunha), J. Cancelo (Valência), Cardozo (Trabzonspor)
* contratado mas depois colocado na lista de dispensas
Figura 1 - o onze provável de Jorge Jesus
Figura 1 – o onze provável de Jorge Jesus

Olhando para o cenário, era de esperar que o emblema da Luz apresentasse reforços para colmatar as saídas, mas apenas A. Talisca e Derley demonstraram alguma integração no plantel e qualidade quando chamados a jogo. Jorge Jesus necessita urgentemente de reforços para entrarem directamente no “onze” titular e assim, de certa, forma amenizar as tão dilacerantes saídas.

Ninguém duvida que com a matéria-prima correcta este já experiente treinador consegue fazer uma boa época e até desenvolver jogadores contratados para níveis bastante interessantes, contudo a inexistente aposta nos jovens portugueses e a incoerente política de contratações podem ser um grande handicap nesta época 2014/15.

Diferente a atacar

O Benfica apresenta uma grande mudança neste início de temporada, comparando com a anterior, nomeadamente na dinâmica de jogo atacante, visto que Jorge Jesus, talvez devido à escassez de avançados de qualidade, procura agora jogar num sistema táctico 1-4-3-3. Com bastante profundidade nas alas e com os defesas-laterais bem subidos, as “águias” deixam na frente apenas Lima, que com a sua mobilidade e força física procura combater entre os centrais adversários. Talisca terá sido uma das razões para esta mudança e com a qualidade técnica que tem mostrado, se melhorar a sua tomada de decisão e posicionamento no momento defensivo, pode ser uma arma importante para os “encarnados”.

Figura 2 - um processo ofensivo com algumas diferenças
Figura 2 – um processo ofensivo com algumas diferenças