O Estádio José Alvalade vai voltar a ser palco de um dos jogos mais aguardados e decisivos para o desfecho da presente edição da Liga NOS. Depois do empate dos “leões” em Guimarães, que colocou o Benfica a apenas um ponto do primeiro lugar, o derby deste sábado entre “leões” e “águias” ganhou um ânimo ainda mais especial, com a possibilidade de existir uma cambalhota na frente do campeonato ou uma definição mais clara do líder.

Rui Vitória ainda não venceu nenhuma das partidas que disputou este ano frente ao Sporting. Será desta? Ou será que Jorge Jesus voltará a levar a melhor sobre o “corpo” que ficou sem “cérebro”? O desfecho é imprevisível mas nós recorremos aos números para nos ajudarem a perspectivar o encontro e, quem sabe, prever o desfecho do mesmo.

Jonas Pistolas vs SuperSlim

O encontro entre Sporting e Benfica também coloca, frente-a-frente, os dois melhores marcadores da presente edição da Liga NOS. E se é certo que Jonas já conseguiu destacar-se no topo da tabela dos melhores marcadores, também é verdade que o brasileiro ainda não conseguiu marcar um único golo frente a um “grande”. O mesmo não se pode dizer de SuperSlim, que tem estado um pouco aquém daquilo que já mostrou este ano, mas que também já provou estar talhado para os grandes jogos.

Antevisão Sporting vs Benfica | O derby em números
Clique na infografia para ampliar (infografia: GoalPoint)

Eficácia é palavra de ordem no “reino da águia”. O Benfica já conta com 65 golos marcados, fruto de uma taxa de concretização de 16%, superior à do Sporting, que ronda os 13%. Curioso é o facto de as “águias” possuírem uma maior média de remates a cada 90 minutos (16,6 contra 15,3), mas os “leões” acertarem mais vezes com a baliza: 39,5% contra 37,6% do Benfica.

O desperdício da formação orientada por Jorge Jesus é evidente. Enquanto a equipa de Rui vitória falhou apenas 25 oportunidades flagrantes, os “leões” já deitaram para o “lixo” um grande número de ocasiões perigosas… cerca de 46. O que nos leva a perguntar onde estaria o Sporting se não esbanjasse tantas oportunidades.

Golos surgem pelo maior número de ocasiões

Já todos sabemos que o Benfica é a equipa mais concretizadora, mas até que ponto tal está relacionado com o tempo que passa com a bola nos pés? Algum, mas… a relação não é directamente proporcional, uma vez que, no capítulo da posse, a vitória acaba por sorrir aos “leões” com uma taxa de 67%, algo superior aos 63% do Benfica.

E apesar de o Sporting realizar mais passes para o último terço, é fácil perceber que o peso destes mesmos passes é maior no que toca ao rival. Porquê? Porque o número de oportunidades claras de golo leoninas é bem menor. Neste capítulo, a equipa de Rui Vitória supera a de Jorge Jesus por uma larga vantagem. São 305 ocasiões criadas com 48 assistências, números bastante superiores às 279 ocasiões e 28 assistências dos “leões”.

Antevisão Sporting vs Benfica | O derby em números
Clique na infografia para ampliar (infografia: GoalPoint)

Mas como é que se diferenciam as duas equipas quando chegam ao último terço? Aqui, as diferenças são perfeitamente visíveis no estilo de jogo de ambas as formações e na forma como têm chegado aos golos. Seja através de bola corrida ou de bolas paradas, o Sporting faz quase mais quatro cruzamentos por jogo (28,7 contra 25 do Benfica) e também o faz com maior eficácia (28,2% contra 25,8% das “águias”). O trunfo da formação de Rui Vitória passa pela capacidade de drible, uma vez que o Benfica se superioriza em relação ao rival no número de dribles a cada 90 minutos (24,5 contra 22 do Sporting) e na eficácia com que os faz (40,1% contra 39,6%).

> NA PRÓXIMA PÁGINA: A LUTA PELA POSSE E OS NÚMEROS COLECTIVOS