Arouca 0 – Porto 5: “Dragões” ligam o cilindro

FC Porto demonstrou grande eficácia ofensiva frente a um Arouca que deu luta na primeira parte, porém na segunda acabou subjugado a Jackson e companhia.

Cristian Tello foi elemento em destaque na goleada "azul-e-branca" em Arouca (foto: J. Trindade infografia: GoalPoint)
Cristian Tello foi elemento em destaque na goleada “azul-e-branca” em Arouca (foto: J. Trindade infografia: GoalPoint)

Quem conferir o resultado da partida não imaginará que o Arouca colocou sérias dificuldades aos “dragões” no arranque da oitava jornada. Perante o atrevimento dos anfitriões, os portistas defendiam no arranque da partida, baixando o bloco e defendendo de forma zonal em contenção. A falta de agressividade na recuperação de bola dava ao Arouca a iniciativa para atacar a baliza dos “azuis-e-brancos”.

Na fase de construção baixa pudemos ver muitas vezes Herrera, mas também Quintero, entre a zona central e lateral numa posição muito recuada, com o defesa-lateral bem subido e oferecendo sempre uma linha de passe segura e livre no seu meio-campo. Contudo na primeira parte os “dragões” usaram e abusaram deste lance, que conjugado com alguma lentidão de processo levou a um primeiro tempo morno a nível ofensivo.

Herrera conferiu uma grande rotatividade ao meio-campo do Porto, com um total de 56 passes com um acerto de 85,7%. O mexicano apareceu bem nas duas fases do jogo, quer ajudando no pressing defensivo quer fazendo as transições de forma vertical e com boa tomada de decisão. A defender o médio efectuou um total de 15 recuperações de bola, quatro desarmes e ainda  três intercepções. Alex Sandro e Danilo apareceram muito bem na segunda parte a fazerem quatro cruzamentos, ambos com boas movimentações em overlapping.

Jackson foi outra das estrelas deste Porto, apontou dois golos de boa qualidade, fez ainda quatro remates e ainda um passe para golo não aproveitado. Brahami ajudou a abanar o jogo com a sua velocidade e drible imprevisível. O argelino revela-se um jogador muito importante para este Porto visto que quebra com a, por vezes excessiva, posse de bola. O extremo fez dois remates e uma assistência para golo.

Na defesa, Marcano apareceu em bom plano com três desarmes e seis alívios, demonstrando bom posicionamento e qualidade na recuperação de bola.

Clique na infografia para ler em detalhe (infografia: GoalPoint)
Clique na infografia para ler em detalhe (infografia: GoalPoint)

Tello em modo TGV

Tello demonstrou estar num momento de forma superior, um extremo à antiga que usa a velocidade e técnica com bola para fazer do corredor um local muito perigoso para os seus oponentes. O espanhol fez um total de 21 passes, quatro cruzamentos e duas assistências para golo. Criou ainda três jogadas de muito perigo e apenas perdeu a bola por seis vezes.

Com a largura que este jogador confere ao jogo “azul-e-branco”, a par de Brahimi, o Porto usou a elevada qualidade de passe de Quintero para romper o esquema defensivo do Arouca. O pequeno “génio” colombiano dinamitou os oponentes com um pé esquerdo que fez 49 passes, sendo 30 deles no meio-campo ofensivo “azul-e-branco”. Marcou um golo de belo efeito e apenas perdeu a bola cerca de dez vezes.

Os “dragões” fizeram 17 remates – oito foram à baliza -, 19 faltas e ganharam 46,9% dos duelos. Fizeram cerca de 446 passes com uma eficácia de 80,7% e uma posse de bola de 59%. O Arouca, por sua vez, fez 15 remates, três deles à baliza, teve 14 faltas cometidas, ganhou 53,1% dos duelos com os adversários e fez apenas 294 passes, com um acerto de 63,3%.