O Benfica soube contornar as dificuldades sentidas com a onda de lesões que afectou a sua frente de ataque e foi a Arouca vencer por 2-1.

O jogo ficou desde logo marcado pela estreia de Rafa pelos “encarnados”, e logo a titular, pela saída de Lindelof (para a bancada) dando lugar ao regresso de Jardel ao eixo defensivo e ainda pela estreia do júnior José Gomes pelos seniores do Benfica com apenas 17 anos ele que… ia marcando. Mas vamos ao jogo.

Defesas goleadores

Perante os impedimentos físicos de Jonas, JiménezMitroglou e Jovic, Rafa foi chamado ao ataque, onde fez dupla com Gonçalo Guedes, embora em moldes especiais.

Não sendo nenhum dos dois um atacante de área, as constantes mudanças de posicionamento entre Guedes, Rafa e Pizzi (jogou na esquerda) proporcionaram uma grande dinâmica – e um surpreendente entendimento colectivo – por parte do Benfica, que criou inúmeras situações de golo, três delas desperdiçadas por Rafa. Mas também Bracali esteve bem na baliza dos da casa.

Os dez remates das “águias” e os 57% de posse nesta fase contrastaram com os zero remates dos da casa, que nem passes de ocasião conseguiram realizar até ao descanso.

Ao invés, só Gonçalo Guedes realizou três, de sete somados pelo Benfica. Rafa e Pizzi, com três disparos cada, eram os mais rematadores. Mas o golo de Nélson Semedo aos 16 minutos – num lance infeliz de Nuno Coelho – colocou o lateral da Luz na frente do GoalPoint Ratings ao intervalo, com 6.2, contra os 6.1 de Guedes e os 5.7 de Bracali.

Reacção do Arouca

Tudo parecia igual no segundo tempo, com Lisandro López a marcar de cabeça o 2-0 após canto de Grimaldo, aos 51 minutos, mas o recém-entrado Walter González recolocou o Arouca na discussão do resultado, também de cabeça, aos 56.

E como não há quatro sem cinco, o quinto avançado a lesionar-se no Benfica acabou por ser… Rafa, substituído aos 62 minutos. Para o seu lugar entrou um irrequieto André Carrillo. Mas na retira ficou um bom jogo do ex-Braga em termos de colocação, movimentação e velocidade, pecando na finalização e nas decisões, o que teve influência na sua “nota” final pois a eficácia… também conta e o Benfica podia ter pago caro tanto desperdício.

O Arouca surgiu diferente, pressionante, em zonas próximas da grande área benfiquista, e os números desta fase demonstram precisamente essa nova atitude. Aos 65 minutos os da casa tinham três remates (um enquadrado, o do golo) na etapa complementar, contra cinco dos “encarnados”, numa fase em que criavam situações de perigo e equilibravam a posse de bola (49%-51%).

O Benfica nunca mais conseguiu controlar o jogo, mas teve engenho para limitar o ímpeto do adversário. Aliás, dos 65 minutos até ao final os anfitriões apenas conseguiram rematar mais uma vez e os lisboetas oito, terminando a partida com 23 disparos (a quatro), 12 deles na grande área, mas somente oito enquadrados. Talvez suficientes para um resultado tranquilo, só que do outro lado esteve um obstáculo complicado: Bracalli.

Mãos de ferro

Na baliza do Arouca esteve um Rafael Bracali em grande plano. O brasileiro foi o melhor em campo segundo o GoalPoint Ratings, com 7.2, resultado de seis defesas, algumas delas fundamentais, quatro delas com as mãos, duas com os pés, e ainda ganhou a totalidade das três saídas ao solo. Negou um golo quase feito a Rafa na primeira parte (um chapéu do 27 benfiquista) e outro a André Carrillo no segundo tempo.

Logo a seguir surgem seis jogadores do Benfica, liderados por Carrillo, que entrou muito bem no jogo e somou 6.6. Foi lançado apenas aos 62 minutos mas fez três remates, dois deles enquadrados, criou uma oportunidade e acertou 85% dos 20 passes. Poucos minutos, tudo (ou quase tudo) bem feito.

Outros números:

  • Lisandro Lópes 6.5 – Marcou um golo, por sinal determinante, e voltou a não comprometer, com uma exibição segura, pautada por três remates
  • Gonçalo Guedes 6.4 – Utilizado como ponta-de-lança, destacou-se mais a criar oportunidades (quatro). Ainda rematou duas vezes, ambas de fora da área
  • Rafa 4.7 – Muito activo no jogo mas com algumas falhas na decisão. Dos seus 3 remates apenas um foi à baliza, mas estava isolado…
  • Jardel 4.5 – Regressado de lesão esteve irreconhecível. Falhou um total de 12 passes, sete em zonas perigosas, e até nos duelos aéreos teve rácio negativo (três ganhos em sete)
GoalPoint | Arouca vs Benfica | Liga NOS 2016/17 | Ratings
Clique para ampliar
GoalPoint | Arouca vs Benfica | Liga NOS 2016/17 | MVP
Clique para ampliar
GoalPoint | Arouca vs Benfica | Liga NOS 2016/17 | 45m
Clique para ampliar
GoalPoint | Arouca vs Benfica | Liga NOS 2016/17 | 90m
Clique para ampliar