Talvez já não se lembre bem porque a estadia foi fugaz, mas há cerca de cinco anos passou pelo Benfica um lateral-esquerdo vindo do Paços de Ferreira, de seu nome Luisinho. Não era mais um de tantos brasileiros quase anónimos que chegam a Portugal e partem do país com a mesma “pressa”. Luís Pinto já tinha 27 anos e uma carreira construída a pulso pelas divisões inferiores da pirâmide portuguesa. Vila Real, Braga B, Moreirense, Rio Ave, Aves e a tal época de Paços de Ferreira, curiosamente iniciada com Rui Vitória, que foi a única na Primeira Liga além da que passou no Benfica.

Baixo e magrinho, Luisinho foi até um pouco ridicularizado por aquele grupo de pessoas que, não sabendo avaliar mais que isso, se escudam nos dados biométricos para formar opiniões pouco fundamentadas sobre um jogador. Pela porta pequena saiu para o Deportivo e para o secundo escalão de futebol espanhol, mas logo subiu de divisão como titular absoluto da equipa, na qual se mantém há cinco temporadas, quatro delas a partilhar palcos com Cristiano Ronaldo e Messi, entre outros.

Agora com 32 anos, Luisinho acumula mais de 100 jogos no principal escalão espanhol, é referência de um clube que há apenas 15 anos estava a disputar a Liga dos Campeões, e em Portugal continuar a ignorar-se o seu percurso como se de um desconhecido brasileiro se tratasse. Pois aqui não. E até há outras razões estatísticas para isso.

Após mais um excelente jogo nesta última sexta-feira, em que venceu 12 dos 17 duelos que disputou em Leganés, o português Luisinho passou a ser o lateral-esquerdo com mais desarmes conseguidos a cada 90 minutos entre os cinco principais campeonatos da Europa.

GoalPoint-Melhores-da-Europa-201718-Laterais-Esquerdos-Desarmes
Clique para ampliar

 

O número não é de somenos. Luisinho bate a concorrência de 90 laterais-esquerdos com mais de 1440 minutos de utilização esta época nas respectivas ligas domésticas, incluindo os de todos os portugueses que têm sido opção para Fernando Santos. Antunes e Kévin Rodrigues, que actuam no mesmo campeonato, têm tido épocas bem mais modestas, enquanto Raphael Guerreiro voltou a ter uma lesão muscular e acumula apenas 453 minutos na Bundesliga 17/18, quase todos como médio. Sobram Fábio Coentrão – que mesmo na Liga NOS tem dificuldade em aguentar 90 minutos e é substituído na maioria dos jogos em que é titular – , Mário Rui e Pedro Rebocho (Guingamp). Mas vamos a números.

LuisinhoMário RuiAntunesKévinRebochoCoentrão
Desarmes3,92,51,92,41,52,2
% Desarmes falhados22%23%41%24%34%18%
Intercepções1,90,41,81,51,12,1
Bloqueios cruzamento0,840,660,410,370,660,52
% Duelos aéreos def. ganhos55%27%37%52%44%48%
Faltas cometidas1,61,71,71,30,92,0

Médias por cada 90 minutos jogados (Fonte: GoalPoint/Opta)

É certo que a época do Deportivo não tem sido muito positiva, sobretudo a nível defensivo. Com 65 golos sofridos em 34 jogos, a equipa é a mais batida do campeonato a par do Las Palmas, e isso torna natural que os números defensivos de Luisinho tenham tendência a ser elevados em comparação com jogadores que actuem em equipas mais dominadoras como o Napoli ou o Sporting, mas isso não explica tudo. Juanfran, lateral-direito do “Depor” faz apenas 1,8 desarmes a cada 90 minutos, menos de metade dos de Luisinho, e falha as tentativas em 33% das ocasiões. Essa eficácia nos duelos defensivos, a juntar à frequência com que os faz, é mesmo o que mais impressiona no português de 32 anos, mas os números são positivos em todas as variáveis.

Resta portanto saber se a qualidade com bola acompanha a qualidade sem ela. Lembrar que Luisinho até começou a carreira como extremo e isso pode jogar a seu favor.

LuisinhoMário RuiAntunesKévinRebochoCoentrão
Remates0,640,220,550,740,170,73
Passes para finalização0,520,890,260,800,720,62
Cruzamentos2,92,82,93,72,83,3
% Cruzamentos eficazes19%6%17%17%16%21%
Tentativas de drible2,31,21,11,41,33,0
% Dribles eficazes64%43%42%50%65%47%
% Passes certos MC ofens.67%80%51%70%67%69%

Médias por cada 90 minutos jogados (Fonte: GoalPoint/Opta)

É esse o caso. Mesmo estando numa equipa que luta para fugir aos lugares de despromoção, Luisinho envolve-se com frequência em situações de finalização e sobretudo sabe desequilibrar no um-para-um, em quantidade e qualidade, como nenhum outro dos jogadores em comparação.

Será difícil de imaginar que Fernando Santos possa, neste momento, introduzir no lote de seleccionáveis um jogador “estranho” ao grupo, mas seria da mais elementar justiça que Luisinho fosse, pelo menos, considerado opção. Se excluirmos Raphael Guerreiro, não há neste momento um lateral-esquerdo português tão completo como o jogador do Deportivo e que junte às qualidades futebolísticas o ritmo de jogo num dos melhores campeonatos do mundo e a boa forma, física e mental.

GoalPoint-Luisinho-Deportivo-Gráfico-Ratings-1718
Clique para ampliar

 

É altura de pôr para trás a pálida imagem que deixou, talvez injustamente, nos tempos do Benfica. Luisinho é por esta altura um dos laterais-esquerdos em melhor forma num campeonato que reúne os melhores do mundo. “Rouba” bolas como ninguém, tem velocidade, pulmão, capacidade técnica, e num momento crítico em que as soluções escasseiam, seria um “luxo” muito grande não lhe der sequer uma oportunidade de se mostrar com as quinas ao peito. Aqui, vamos continuar a acompanhar.