[vc_tta_tabs][vc_tta_section i_icon_fontawesome=”fa fa-line-chart” add_icon=”true” title=”Ratings” tab_id=”1465571624475-01e55dfc-58e2″]
Clique para ampliar
[/vc_tta_section][vc_tta_section i_position=”right” i_icon_fontawesome=”fa fa-trophy” add_icon=”true” title=”MVP” tab_id=”1465571693503-4a0f9bf6-e654″]
Clique para ampliar
[/vc_tta_section][vc_tta_section i_icon_fontawesome=”fa fa-futbol-o” add_icon=”true” title=”Stats” tab_id=”1465571672809-6f7d6717-7b04″]
Clique para ampliar
[/vc_tta_section][/vc_tta_tabs]

O Barcelona deu um passo de gigante rumo à final da Liga dos Campeões, a disputar este ano em Madrid, ao bater o Liverpool por uns claros 3-0. Frente a um Liverpool incapaz de aproveitar as três oportunidades flagrantes de que dispôs e vários outros lances de perigo, os catalães contaram com a inspiração de Messi, que atingiu a marca história de 600 golos na sua carreira, precisamente 14 anos depois de se estrear a marcar pelos “blaugrana”.

A equipa inglesa chegou ao intervalo com mais remates do que o Barcelona (6-5), embora nenhum deles à baliza, mas o que fazia a diferença mesmo era o disparo certeiro de Luis Suárez aos 26 minutos, após assistência de Jordi Alba. Minutos antes, o Liverpool perdera Nabi Keita, rendido por Jordan Henderson, que esteve na origem da primeira ocasião flagrante dos “reds”, desperdiçada por Sadio Mané.

Após o intervalo, o Liverpool passou a mandar no jogo. Nos primeiros 15 minutos após o reatamento do jogo, os ingleses fizeram três remates, todos eles enquadrados, e tiveram 63% de posse, um cenário pouco habitual para uma equipa visitante em Camp Nou. Com a entrada de Nélson Semedo para o lugar de Philippe Coutinho e a subida de Sergi Roberto para médio interior, o Barcelona tomou em definitivo as rédeas do jogo, encostando o Liverpool às cordas após o 2-0, por Lionel Messi.

Os últimos 15 minutos foram de enorme sufoco para o Liverpool, que não conseguiria impedir o adversário de fazer o 3-0, novamente por Lionel Messi, desta vez num livre “do outro mundo”. E o resultado final até podia ter sido mais expressivo, não tivesse Dembélé falhado na cara de Alisson cair do pano.

No plano individual, Messi foi o herói da noite com uma exibição muito acima da média da partida e um GoalPoint Rating de 8.2, sem esquecer o guardião Ter Stegen 6.2, o segundo melhor “blaugrana” e co-responsável pela falta de eficácia dos “reds”. E se Salah foi o melhor do Liverpool 6.7, o mesmo não se pode dizer do seu companheiro de armas Mané, um dos principais protagonistas do desperdício inglês, e que por isso ficou no fundo da tabela, com 3.6.