Com o calendário dos “três grandes” finalmente acertado já é possível comparar, de forma integral, o que vão produzindo Sporting, Porto e Benfica (pela ordem classificativa), para lá da eficácia com que vão somando pontos na Liga NOS.

Antes dos números gostaríamos de realçar um ponto fundamental, face à polémica que alguns indicadores, nomeadamente o GoalPoint Ratings™ colectivo comparado das equipas, provocam por vezes nos adeptos menos habituados a estas métricas. O Barómetro, bem como o GoalPoint Ratings™, traduzem quantitativamente a produção quantitativa de jogadores ou equipas. Podendo ser interpretados (grosseiramente) como uma métrica (nesse caso incompleta) da qualidade de jogo dos “emblemas”, a verdade é que traduzem apenas isto, o que já é muito, mas não é mais do que isso mesmo. Uma das maravilhas do futebol é precisamente essa: nem sempre a equipa que mais produz ganha ou sequer é aquela que “melhor” joga, num plano subjectivo.

Em jeito de conclusão: uma coisa é o que jogadores e equipas produzem, quantitativamente, outra os proveitos classificativos que retiram dessa produção e outra ainda a forma como essa produção impressiona (ou não) os nossos gostos futebolísticos. O Barómetro e o GoalPoint Ratings medem apenas e só a primeira dimensão referida, algo que, apesar de tudo, ninguém fazia em Portugal até agora.

Barómetro 2015/16 - Jornada 13
Clique na infografia para ampliar (infografia: GoalPoint)

Sporting e Porto “fecham” melhor

Sem alterações significativas face ao barómetro anterior mantêm-se os indicadores que se vinham solidificando: o Sporting defende melhor do que Benfica e Porto (menos remates permitidos e, dos que passam, mais defendidos), apesar de os “dragões” se aproximarem agora dos líderes neste capítulo, e logo numa fase interessante da prova, quando Lopetegui se prepara para visitar Jesus em Alvalade no dia 2 de Janeiro.

Rui Vitória tinha apenas parte da razão

As afirmações “estatísticas” recentes de Rui Vitória geraram primeiro reacção e, com o resultado frente ao União, algum humor, mas o treinador do Benfica tinha alguma razão (o Benfica remata mais, é mais concretizador e cria mais ocasiões que os rivais) embora se esqueça, por lapso ou opção, que os campeões também se destacam na hora de defender, e como é possível constatar é precisamente aí que o Benfica mais se distancia dos concorrentes que persegue na classificação.

Três “gatinhos” entre “leões” do rendimento

O GoalPoint Ratings™ continua a conferir ao Benfica uma ligeira vantagem face aos adversários, fruto de alguns desempenhos individuais de (muito) elevado rendimento até agora na Liga NOS (Jonas, Lisandro e, até Novembro, Gaitán). Já o Sporting vê a sua média GoalPoint Ratings™ prejudicada por alguns nomes perfeitamente identificados (Teo, Naldo e J. Pereira), cuja produção média é claramente inferior à dos colegas mas, no jogo jogado, não ao ponto de retirar aos “leões” a liderança na Liga.