A Liga NOS ultrapassou esta jornada o quarto de prova, mesmo que não para todos visto que Porto e Benfica (e respectivos adversários) têm ainda um jogo por disputar. Ainda assim é um bom momento para avaliar novamente o Barómetro GoalPoint, antes da longa paragem que empurra a retoma da Liga para o final do mês de Novembro. E que alterações registamos no desempenho comparado dos “grandes”? Vamos a isso então.

Barómetro GoalPoint 2015/16: Jornada 10
Clique na infografia para ampliar (infografia: GoalPoint)

“DRAGÃO” CRESCE, “LEÃO” REFORÇA AS FECHADURAS

Poucas são as oscilações nesta edição do barómetro, mas ainda assim merecedoras de análise. Começando pelo líder, o Sporting, o destaque vai para o facto de os “leões” manterem o estatuto de melhor candidato nas acções defensivas (continuam a permitir menos remates enquadrados que os adversários, ainda que perdendo margem), passando até a ocupar o segundo posto na tarefa específica que cabe a Rui Patrício: o guardião trava agora cerca de 72% dos remates que chegam a sua baliza, ultrapassando Júlio César e deixando de ser o pior guardião nesta variável. Para quem acredita que é na defesa que se começam a construir os “campeões”, e mesmo tendo em conta as críticas que o sector defensivo leonino recebe, os números mostram que a equipa de Jesus continua a ser a menos permissiva, e isso poderá explicar boa parte da classificação da Liga neste momento.

Apesar de tudo (e de uma vitória emotiva em Arouca), os “leões” retrocedem em algumas variáveis ofensivas onde vinham a registar melhorias: o FC Porto é agora o candidato que mais remates enquadrados faz por encontro e o Benfica ocupa (pela primeira vez) o primeiro lugar na taxa de concretização dos remates efectuados, precisamente o “calcanhar de Aquiles” que os “encarnados” vinham a demonstrar desde o arranque da prova.

A média GoalPoint Ratings coloca agora Benfica e Porto num plano de igualdade (em virtude de uma subida dos “dragões” nesta jornada), com o Sporting à espreita apenas a três décimas. Margem curta, que apenas demonstra que estamos a ter, e provavelmente teremos, uma Liga NOS disputada até ao fim, com cada candidato a revelar forças e fraquezas específicas, saibam as equipas (e treinadores) manter e melhorar o desempenho até agora registado.