Bas Dost e Dyego Sousa. Ambos são homens de área de elevada estatura, ambos lideram a tabela de marcadores da Liga NOS com 10 golos e nenhum deles alinha na equipa que a lidera, o FC Porto. Mas para lá dos pontos em comum existem, naturalmente, os que os separam, e nós cá estamos para os dar a conhecer.

Antes de mais esclarecemos que este comparativo é um pedido directo do subreddit “Primeira Liga”, mais propriamente do seu moderador e redditor “veribaka”. Recomendamos esta comunidade a todos os que apreciam o futebol português, gostam de acompanhar as suas novidades e valorizam uma participação mais ponderada, informada e bem-disposta do que é infelizmente comum encontrar noutras redes sociais. Fica a sugestão, é só seguir o link.

Posto isto, voltamos ao duelo de artilheiros, e nada como começar com um tradicional “frente-a-frente” GoalPoint, apresentando o que fizeram os avançados mais goleadores da Liga NOS pelas suas equipas, o Sporting CP e o SC Braga, respectivamente.

GoalPoint-Bas_Dost_2018_vs_Dyego_Sousa_2018-infog
Clique para ampliar

Encontramos, sem surpresa, dois ratings médios elevados e dois registos bem acima da média, mas ainda assim diferentes. E como se distinguem eles? Por pontos, facilitando a sua leitura:

  • Dyego Sousa remata mais do que Dost. É certo que falamos de mais um remate por jogo, mas somadas as 13 jornadas decorridas, e acumulando o brasileiro bem mais minutos do que o holandês, os números pesam: Dyego totaliza 45 remates, quase o dobro de Dost, que se fica pelos 24.
  • Se ser mais rematador é bom, ser mais eficaz não é menos relevante. A conta é fácil. Dost precisou de quase metade dos remates de Dyego para atingir a mesma marca goleadora, em menos minutos, o que apenas sublinha uma característica que o holandês revela desde que chegou a Portugal: precisa de alvejar menos vezes a baliza para rivalizar com os concorrentes de posição, revelando uma enorme eficácia: 41,7% de remates convertidos em golo contra 22,2% do bracarense.
  • Mas a ajudar esta tremenda eficácia surgem as grandes penalidades, que constituem seis dos dez golos convertidos pelo holandês, contra apenas uma de Dyego Sousa. O “valor” destas oportunidades justifica discussão subjectiva, mas uma coisa é certa: ao contrário de outros goleadores do futebol português e internacional, Dost raramente as falha e a última vez que as desperdiçou, a contar para a Liga, foi em… Março de 2017.
  • Um factor que aproxima naturalmente ambos os avançados é o recurso frequente ao remate de cabeça. Dost fê-lo por 11 vezes (o que representa cerca de 46% dos seus “disparos”, ou ainda mais, se desconsiderarmos a marcação de grandes penalidades), enquanto Dyego cabeceou à baliza em 19 ocasiões (42%). E neste domínio é Dyego aquele que vai prometendo mais qualidade, enquadrando 42% dessas tentativas com a baliza, contra 36% de Dost.

[As “fichas GoalPoint” dos números totais dos avançados, até à 13ª ronda da Liga]

  • Ainda no capítulo do jogo aéreo existe uma distinção curiosa entre as duas “torres”. Assumindo ambos um papel determinante na disputa de duelos aéreos, em particular no plano ofensivo (8,2 para Dost e 7,5 para Dyego), é curioso perceber que cada um deles se sobrepõe ao outro, em termos de eficácia, consoante a zona do terreno onde esses duelos são disputados. Dost mostra uma maior percentagem global de conquista de duelos ofensivos (61%, contra cerca de 53% do “arsenalista”), mas na hora de averiguar a eficácia já dentro da área adversária é o bracarense quem sobressai, com 77% contra 59% de Dost.
  • Apesar da elevada estatura de ambos os “pinheiros”, Dyego Sousa vai sendo claramente um jogador com mais relação com a bola, o que se nota não só na quantidade média de acções com o esférico que soma a cada 90 minutos (cerca de 40, quase mais dez que Dost), como também numa maior participação no jogo ofensivo, oferecendo mais passes para finalização dos colegas e até recorrendo mais vezes ao drible (15), algo que Dost simplesmente não faz (soma apenas um, falhado).
  • Não admira assim que Dyego Sousa some já três assistências, contra nenhuma de Dost, mas não deixa de ser curioso que, na hora de contabilizar quantas vezes cada um deles colocou colegas no cara-a-cara flagrante com o golo, ambos se igualam: duas vezes.
  • Mas se Dyego tem mais bola do que Dost, também é verdade que o holandês lida com ela com maior eficácia, somando apenas um mau controlo de bola a cada duas partidas completas, contra 3,3 do bracarense.
  • Como consequência do ter mais bola e também de a gerir com menor eficácia, Dyego Sousa apresenta quase o dobro das perdas de posse de Dost a cada 90 minutos: 14 contra sete, o que representa 35,6% das posses do “arsenalista” contra 23,5% do “leão”.
  • Não sendo o capítulo defensivo propriamente uma área onde se espere o maior “brilho” por parte destes “artilheiros”, não deixa de ser curioso que ambos apresentem o mesmo registo médio: cerca de duas recuperações a cada 90 minutos.

Concluído este “relatório”, a verdade é só uma: Bas Dost e Dyego Sousa ocupam, com plena justiça, a liderança da tabela de melhores marcadores, sobressaindo dos demais nos diversos domínios que podem destacar os homens de área com as suas características. Permitam a ausência de lesões e a forma e teremos um duelo interessante ao longo de toda a época, o qual pode (e deve) sofrer ainda a intromissão de outros nomes.