O FC Porto subiu provisoriamente ao segundo lugar da Liga NOS, ao vencer por 2-1 na visita ao CF os Belenenses. A equipa de José Peseiro somou os três pontos mercê do que fez na primeira parte. Porém, pelo que se passou na segunda, talvez os homens do Restelo merecessem outra sorte, tendo em conta os números finais do jogo, nos quais os “dragões” apenas “ganharam” no elevado número de faltas que cometeram. Confira as nossas infografias com as estatísticas da partida e decida por si.

Liga NOS 2015/16 - Jornada 24 - Belenenses x Porto
Clique na infografia para ampliar (infografia: GoalPoint)

O início do jogo fez crer que este seria um passeio para os “azuis-e-brancos”Yacine Brahimi abriu a contagem aos nove minutos, após um lance bem ganho por Suk. Aos 18, Tonel prosseguiu a sua maré de azar contra os “grandes” aos fazer um caricato autogolo de cabeça, e ninguém suspeitaria que a produtividade portista ficaria por aqui. Ao intervalo os 51% de posse para os visitantes, o maior número de cantos, enfim o 2-0, ainda indicavam que equipa estava a ser a melhor em campo. Mas ao intervalo, a saída de Tonel para a entrada de Miguel Rosa mudou o cenário do jogo. Juando reduziu aos 60 minutos e, na segunda parte, o Belenenses foi melhor em praticamente tudo, até na posse de bola (61,8%), vector em que o Porto era mestre com Julen Lopetegui e parece ter deixado cair com Peseiro. No final, as 24 faltas do Porto para as dez dos homens do Restelo mostram um pouco a prioridade do “dragão”: jogar feito, se for preciso, para o resultado.

Brahimi num outro patamar

Se há jogos em que é fácil escolher o jogador mais valioso, este é sem dúvida um eles. Yacine Brahimi foi, de longe, o melhor em campo, com 7.3 no GoalPoint Ratings – a grande distância do segundo mais pontuado, Chidozie (6.0). Para além do golo, foi o que mais rematou na partida, com quatro disparos, dois enquadrados; fez um passe para ocasião e ganhou oito dos 12 duelos individuais que disputou, sendo que não falhou nenhuma das cinco tentativas de drible.

No Belenenses há dois destaques. Gonçalo Silva e Juanto somaram ambos 5.9 no nosso rating, e o defesa-central brilhou, sobretudo, pelas dez intercepções que realizou ao longo da partida. Quanto a Juanto, realce para o golo, para os três remates à baliza e para os dois passes para ocasião. O atacante não somou mais porque falou claramente nos duelos individuais, tendo ganho apenas dois de 12.

Nota: Os GoalPoint Ratings resultam de um algoritmo proprietário desenvolvido pela GoalPoint que pondera exclusivamente o desempenho estatístico dos jogadores ao longo da partida, sem intervenção humana. Clique para saber mais.

> NA PRÓXIMA PÁGINA: O JOGO COMO O VIMOS