Benfica 1 – Sporting 1: Uma questão de “extremidades”

A equipa de Jorge Jesus foi mais perigosa e dominadora, mas errou onde o Sporting foi competente e perdeu dois pontos no derby lisboeta.

Apesar de criar um maior número de ocasiões o Benfica nunca conseguiu dominar por completo o conjunto leonino (foto: J. Trindade / infografia: GoalPoint)
Apesar de criar um maior número de ocasiões o Benfica nunca conseguiu dominar por completo o conjunto leonino (foto: J. Trindade / infografia: GoalPoint)

Mais Benfica, com mais remates e ocasiões, mas muitos erros. O Sporting soube aproveitar a falta de competência “encarnada” nas duas extremidades do terreno de jogo e arrancou um precioso empate 1-1. Esteve aqui o segredo do derby lisboeta.

Quem viu apenas os primeiros 20 minutos do encontro certamente terá pensado que as “águias” iriam conseguir um triunfo tranquilo. A forma solta como chegavam à baliza leonina e como conseguiram o golo fazia antever isso mesmo, mas à falta de pontaria juntou-se um guarda-redes Artur, que deu um brinde ao adversário e ajudou a mudar o jogo. Do outro lado não se verificaram erros destes, antes pelo contrário, pelo que o 1-1 cai que nem uma luva nas duas equipas.

O Benfica entrou a dominar, graças a uma excelente pressão sobre o portador da bola e combinações pela direita, com Eduardo Salvio, Maxi Pereira e um dos médios (alternadamente) nas combinações a baralharem as marcações contrárias. Ao intervalo o Benfica tinha efectuado 52,7% dos seus ataques pela direita, 29% pela esquerda e apenas 18,3% pelo meio, muito por culpa do povoamento da zona central por parte do meio-campo sportinguista, e em especial pelo trabalho de William Carvalho, uma autêntica muralha. O “trinco” leonino conseguiu sete recuperações de bola e perdeu apenas nove (em comparação, Jefferson teve o mesmo número de ganhos, mas perdeu o esférico 30 vezes).

Clique na infografia para ler em detalhe (infografia: GoalPoint)
Clique na infografia para ler em detalhe (infografia: GoalPoint)

Depois do tento benfiquista, aos 12 minutos, o Sporting ameaçou reagir, e Artur deu uma ajuda, que teve consequências no jogo do Benfica, sem esquecer o mérito do Sporting. As mudanças de flanco complicaram a pressão alta do Benfica, que viu partir o seu meio-campo, também muito por culpa do mau posicionamento de André Almeida, que muitas vezes deixava um buraco na zona frontal à defesa “encarnada”. Com paciência o Sporting esperava pelo momento certo para o movimento decisivo, com preferência pelo passe a rasgar entre os laterais e os defesas-centrais das “águias”.

O Carrillo certo para o Sporting

A equipa de Marco Silva esteve também muito activa pela direita, chegando ao descanso com 44,9% dos ataques por aqui, graças ao excelente jogo de André Carrillo, que defendeu e atacou por aquele flanco com grande qualidade. No final da partida o extremo tinha dois remates à baliza, dois passes para golo e uma assistência (estranha, é certo). Surpreendentemente, a defender registou quatro entradas, um alívio, recuperou a bola cinco vezes e bloqueou um remate. Depois houve Slimani e Rui Patrício. O argelino fez cinco remates, três deles enquadrados, um excelente registo. Na baliza, Patrício efectuou sete defesas, pelo menos duas delas verdadeiramente decisivas. Aqui esteve a diferença entre as duas equipas.

Os números finais mostram um Benfica mais rematador (20 contra 15) e com mais pontaria (oito contra cinco enquadrados), mais remates na grande área (12 contra nove), mais posse de bola (51,3% – 48,7%), mais oportunidades de golo (16 – 9), maior número de passes (304 – 284) e com mais precisão (76% – 70,4%). O Sporting ganhou em cantos (9 – 11) e nos duelos (50 – 61). Mas nos momentos decisivos não vacilou. Os 91,7% de passes certos (em 48) de Enzo Pérez, que arrasou por completo neste vector (fez 33 passes no meio-campo leonino, com 90,9% de eficácia); a influência de Gaitán e Salvio na dinâmica atacante da equipa (cinco remates cada, dois deles enquadrados, duas oportunidades criadas por cada um), não tiveram acompanhamento nem atrás nem à frente. Ao erro de Artur somou-se uma total inoperância do homem mais adiantado, Lima, que voltou a não estar inspirado. Três remates, nenhum enquadrado com a baliza. Em três jogos Lima fez apenas sete disparos e nenhum acertou no alvo, um problema que o Benfica não resolveu no mercado de transferências.