Benfica 4 – Arouca 0: Ola John abriu o livro de Derley

Jesus seguiu Marco Silva e Lopetegui e foi ao banco encontrar a vitória e o Benfica até imitou o Sporting ao marcar quatro golos em 15 minutos. Em noite de estreias...

Talisca voltou a desbloquear um jogo para os líderes da Liga (foto: J. Trindade infografia: GoalPoint)
Talisca voltou a desbloquear um jogo para os líderes da Liga (foto: J. Trindade infografia: GoalPoint)

A noite foi difícil, quase negra, para o Benfica de Jorge Jesus, pelo menos até ao minuto 75, quando Talisca desencantou espaço, arrancou e rematou forte para o 1-0. Antes disso, a “águia” havia começado sem Enzo Pérez, lesionado, com Derley a estrear-se a titular ao lado de Lima… que, por seu turno, teve de sair, também magoado, antes do intervalo, para a estreia absoluta de Jonas. Na retaguarda, o lesionado Jardel deu o lugar a Lisandro López, Artur substituiu Júlio César na baliza, e Pizzi estreou-se na equipa, perto do fim.

Foi neste clima de mudança e novidade que o Benfica atacou o Arouca, mas apenas na segunda parte a formação da Luz conseguiu trilhar caminho para a baliza contrária, graças em grande parte à entrada de Ola John, que ajudou Derley, Talisca e companhia a abrir a muralha contrária. Depois de Marco Silva, no sábado, e Julen Lopetegui, este domingo com o Braga, também o técnico “encarnado” teve “toque de Midas” no momento de mudar. No final, os números benfiquistas nem melhoram no global em relação aos da primeira parte, mas as condições foram criadas para mais eficácia na frente. O Benfica terminou com 22 remates à baliza (12 na primeira parte), dez enquadrados (cinco na etapa inicial), o que revela acerto, 13 de dentro da pequena área (seis na primeira parte), 422 passes (206), 75,8% de eficácia de passe (78,2%), 65,6% de posse de bola (66,5%). Dados comparativos interessantes e reveladores.

“Onze” ambicioso

O 4X4X2 inicial do Benfica era um sinal claro das intenções, com Lima e Derley na frente, Talisca a número “10”, Samaris como médio-defensivo e os extremos do costume, Gaitán e Salvio. Na direita, Salvio esteve perigoso na direita (quatro remates, dois enquadrados, dois passes para ocasião e uma assistência, Gaitán apagado na esquerda (dois disparos, um passe para ocasião). Um dos problemas do Benfica para ultrapassar o organizado 4-2-3-1 do Arouca foi mesmo a desinspiração de Gaitán, que saiu ao intervalo, para dar lugar a Ola John. Só aí o Benfica abriu o seu jogo e a defesa contrária.

Clique na infografia para ler em detalhe (infografia: GoalPoint)
Clique na infografia para ler em detalhe (infografia: GoalPoint)

Derley esteve em grande, mesmo nos momentos menos bons da equipa, aplicando grande alma a cada duelo (ganhou 58,3% dos 38 que disputou) com os adversários, e mostrando ser exímio a usar o corpo para guardar a bola e esperar pelos seus companheiros. Terminou com um golo, o segundo, aos 80 minutos, rematou quatro vezes, duas delas enquadradas, e desgastou bastante a defesa do Arouca. Talisca voltou a brilhar no último terço do terreno, com o primeiro golo, cinco remates (três enquadrados), três passes para oportunidade e muita mobilidade na qual é preciso realçar os sete cruzamentos, tantos como os dois laterais em conjunto. Depois houve Jonas, com pouco mais de 45 minutos, três remates, dois enquadrados e um golo (o quarto, aos 88 minutos). E também Maxi Pereira, com 102 toques na bola, dois passes para golo, cinco desarmes, dois alívios e seis intercepções.  Estes números não afectam as 24 perdas de bola, um registo normal em laterais de equipa de posse como é o Benfica.

Todos estes números ganharam amplitude, como já referimos, quando Jorge Jesus lançou Ola John ao intervalo. O extremo holandês fez duas assistências para golo e dois passes para ocasião, complicou a tarefa contrária com arrancadas e cruzamentos e criou brechas no Arouca, que nunca mais se recompôs. Da equipa de Pedro Emanuel o destaque vai para Nildo Petrolina, com dois remates e dois passes para ocasião, um dos elementos mais inconformados dos visitantes. Uma nota também para Iván Balliu, espanhol antigo colega do “leão” Rosell no Barcelona B. Não se ficou pelas acções defensivas, tendo ainda rematado uma vez e feito dois passes para ocasião de golo. Na Luz, e a representar o Arouca, é sempre de registar.