Os “grandes” já abriram actividade no mercado 2016/17 mas, como é hábito GoalPoint, indicamos alguns nomes que fariam sentido para Benfica, Porto e Sporting, numa lógica de racionalidade financeira que… raramente é seguida pelo futebol português. Aplicamos assim um “orçamento” de 20 milhões de euros sendo que, em alguns casos, ainda… sobram uns “trocos”.

Depois de projectarmos os casos de Sporting e Porto chega a vez das “águias”. Como poderia o Benfica reforçar-se com um orçamento inferior a 20 milhões de euros? Eis alguns nomes que, no contexto proposto, fariam sentido.

5. Diego Cortés (México)

“O pulmão azteca”
18 anos | Defesa-direito | Deportivo Guadalajara
Valor de mercado: aprox. 1 a 2 milhões de euros

Cortés é um defesa-direito que actua no Deportivo Guadalajara tendo brilhado com maior intensidade no último Mundial de sub-17, ao serviço da selecção mexicana.

Apesar da “tenra” idade Diego demonstra grande competência na ala direita, atacando de forma incisiva e com muito critério. Demonstra ainda enorme capacidade defensiva sempre que solicitado.

Com um bom posicionamento táctico e uma resistência assinalável, Cortés parece estar sempre no sítio certo, apesar do constante sobe e desce pelo corredor. O mexicano apresenta ainda a particularidade de ter uma apetência incomum pelo remate.

4. Tiago Pinto (Portugal)

“O filho pródigo”
28 anos | Defesa-esquerdo | Osmanlispor
Valor de mercado: aprox. 2 milhões de euros

Tiago Pinto é um defesa-esquerdo “conhecido” dos adeptos portugueses, ou não fosse ele o filho de João Pinto, antigo “capitão” de “águias” e “pai de Jardel” ao serviço dos “leões”. As heranças pesadas costumam dificultar o caminho mas Tiago tem mostrado competência em causa própria.

Jogador formado no Sporting CP, com passagens por Sporting de Braga e Rio Ave, Tiago joga actualmente na Turquia, mas uma mudança para a Luz seria o cenário perfeito para este lateral de 28 anos.

https://www.youtube.com/watch?v=w3SbUzrsguQ

Tiago ataca bem pelo corredor, cruzando também com qualidade, sendo que a nível defensivo cumpre com qualidade. Jogador experiente, com uma boa velocidade resistente e o “herdeiro” estaria perfeitamente adaptado à realidade da Liga NOS e pronto para um grande desafio à altura… da sua “herança”.

3. Walace (Brasil)

“O bulldozer canarinho”
21 anos | Médio-defensivo | Grémio
Valor de mercado: aprox. 6.5 milhões de euros

Walace tem 1,88 metros de altura, joga nos brasileiros do Grémio de Porto Alegre e é um “trinco” promissor.

Com a sua imponência e força física este jovem brasileiro “devora” o meio campo com a capacidade de recuperação de bola. Competente na comunicação com a linha defensiva, tem ainda bastante qualidade na saída de bola.

Rui Vitória teria neste “bulldozer” uma aposta segura para o miolo defensivo encarnado, ganhando mais soluções, para lá de Fejsa ou Samaris.

2. Milot Rashica (Albânia)

“Pés de veludo made in Balcãs”
19 anos | Extremo | Vitesse
Valor de mercado: aprox. 2 milhões de euros

Rashica é um albanês de 19 anos que milita nos holandeses do Vitesse, tendo marcado oito golos e somado cinco assistências em 2015/16.

Rashica é um extremo que pode jogar em ambos os corredores mas que procura bastante o remate após flectir para o centro. Irrequieto por natureza, usa a apurada técnica para “deslumbrar” os defesas com dribles em velocidade e mudanças de direcção.

O albanês é ainda um jogador muito criativo, procurando baralhar constantemente as marcações com as suas movimentações imprevisíveis.

1. Oscar Hiljemark (Suécia)

“O viking de Palermo”
21 anos | Médio-centro | Palermo
Valor de mercado: aprox. 4 milhões de euros

Hiljemark joga como médio-centro nos italianos do Palermo, tem 21 anos e cerca de 1,84 metros de altura. O sueco não é um médio de alta rotação e arrancadas em “excesso de velocidade” mas sim um box-to-box de apurada classe.

Oscar procura gerir o ritmo de jogo e “pensa” todo o jogo ofensivo da equipa com “régua e esquadro”. É um médio que gosta de tentar o passe de rotura e que tem uma qualidade de passe acima da média.

Desde que integrou os quadros dos sicilianos, Hiljemark evoluiu muito em termos tácticos, sendo neste momento um médio muito mais completo do aquando da sua chegada a Itália, capaz de constituir uma mais-valia em ambas as fases do jogo.