O SL Benfica colocou pressão sobre o Sporting CP – que apenas joga segunda-feira no reduto do Belenenses – e o FC Porto ao vencer de forma categórica o SC Braga, em casa, por esclarecedores 5-1. Apesar do bom início de partida dos minhotos, as “águias” marcaram cedo, um golo que afectou sobremaneira a formação visitante, que nunca se soube reerguer e ao intervalo já perdia por 3-0. Depois a excelente pontaria benfiquista fez o resto, numa exibição atacante quase perfeita.

Liga NOS 2015/16 - Jornada 27 - Benfica vs Braga
Clique na infografia para ampliar (infografia: GoalPoint)

O primeiro quarto-de-hora pertenceu ao Braga. Logo no primeiro minuto, Wilson Eduardo atirou ao poste e, nesta fase, os bracarenses eram mais perigosos, ao ponto de terem dois disparos e 61,2% de posse de bola aos dez minutos. Mas o primeiro tento de Kostas Mitroglou, aos 17 minutos, começou a definir as coisas, ao ponto de o Braga nunca mais causar grande perigo. Ao intervalo os “encarnados” somavam já oito remates, cinco deles enquadrados, sendo que seis dos disparos haviam sido de fora da área – os “arsenalistas” contavam com quatro tiros, todos desenquadrados. Jonas (37′ de penalty) e Pizzi (40′) fizeram os golos até ao descanso.

Este detalhe mostra muito do que se passou em toda a partida, pois no final essa tendência manteve-se. O Benfica terminou com 15 remates contra 13 do seu adversário, e enquadrou dez (ficou a um e igualar o recorde de remates à baliza nesta Liga NOS), contra três dos minhotos. Mitroglou (71′) Samaris (75′) e Pedro Santos (93′, de penalty) fixaram o resultado.

Mitroglou, um caso sério

Se Jonas é a grande figura deste Benfica, pelos golos que marca e dá a marcar – esta sexta-feira chegou aos 30 golos e fez mais duas assistências, o grego Kostas Mitroglou começa a ser um caso sério. Vai no 12º jogo consecutivo a marcar na Liga, soma 17 no total e frente ao Braga bisou, em quatro remates, dois deles com a direcção da baliza contrária. Mitroglou fez ainda dois passes para ocasião e foi fundamental nas movimentações e a arrastar os defesas contrários. Foi o mais valioso em campo, somando 7.9 no GoalPoint Ratings.

O nosso segundo destaque vai para Pizzi (7.1 no nosso rating). Para além do belo golo de fora da área, o bragantino fez três disparos no total, todos com boa direcção,  realizou três desarmes (todos com sucesso), um passe para ocasião e ganhou metade dos 12 duelos individuais que realizou. E depois houve Jonas. Os 6.6 são um excelente valor no nosso rating, fruto do golo que marcou e das duas assistências, perdendo apenas “gás” para os dois colegas pelos apenas dois de 11 duelosganhos em toda a partida.

Nota: Os GoalPoint Ratings resultam de um algoritmo proprietário desenvolvido pela GoalPoint que pondera exclusivamente o desempenho estatístico dos jogadores ao longo da partida, sem intervenção humana. Clique para saber mais.

> NA PRÓXIMA PÁGINA: O JOGO COMO O VIMOS