Benfica | Dentro ou “fora dela”? O que dizem os analytics

-

Uma das questões que mais nos apaixona no nosso trabalho é cruzar o que observamos com os dados de que dispomos. E desengane-se quem julga que, por analisarmos “data” há mais de seis anos, não somos enganados pelo próprio “achómetro” visual. A única diferença é que essa dualidade desperta-nos curiosidade, ao invés de indignação ou cepticismo.

Ao ouvirmos Jorge Jesus fazer a avaliação dos desempenhos individuais dos seus jogadores, após o Benfica 2-1 Paços, atacámos os dados, ou não fosse a própria adjectivação escolhida pelo treinador “encarnado” promessa de, no mínimo, um bom título.

Hoje sentimos que tivemos jogadores que estiveram fora dela completamente. O Everton foi um deles, o Darwin foi outro deles, e mesmo o Rafa, sendo um jogador que acelerou o jogo algumas vezes, muitos passes que normalmente não falha…

Antes de detalharmos o tema importa clarificar duas questões. Em primeiro lugar, colocamos obviamente a hipótese de o treinador se referir ao comportamento dos jogadores vs. o que lhes pediu para este jogo, mas a verdade é que, na avaliação pública do desempenho dos atletas, Jesus não clarificou essa “nuance”. Sobra-nos assim o desempenho como métrica de avaliação, relembrando também que, até para nós, os analytics que trabalhamos não dizem tudo, mas dizem o suficiente para merecerem, cada vez mais, a competência no seu tratamento e a atenção dos intervenientes.

Dentro ou fora dela? A análise, caso a caso

Posto isto, o que dizem os números sobre os jogadores do Benfica que estiveram “fora” ou “dentro dela”, frente ao Paços?
Vamos a isso, caso a caso.

Everton Soares 🇧🇷

O extremo entrou no Benfica como uma bala, mas o seu fogo tem vindo a esfumar-se à medida que os jogos se vão acumulando. O ex-Grêmio somou 32 acções de jogo nos 57 minutos em que esteve em campo, mas nenhuma delas directamente associada a uma promessa de acção para golo.

[ Mais um jogo discreto de Everton, após um arranque de época ]GoalPoint-Benfica-Pacos-Liga-NOS-202021-MVP

Everton não fez qualquer passe para finalização, realizou apenas um passe ofensivo valioso (a menos de 25m da baliza adversária) e somou apenas um remate, desenquadrado. De positivo sobram os seus três dribles eficazes, dois deles já no último terço pacense.

Jesus tem razão, o brasileiro esteve desaparecido:
Everton esteve “fora dela” ❌

Darwin Núñez 🇺🇾

Um caso mais complexo/rico. Se o que se espera de Darwin for apenas golos, o uruguaio esteve obviamente fora dela, ou não tivesse perdido uma ocasião flagrante logo a abrir e ainda enviado uma bola à trave com estrondo, nos únicos dois remates que fez, um registo baixo para a sua função. Mas já só nós nos lembramos que Darwin começou a brilhar no Benfica precisamente por oferecer golos aos colegas? Pois a verdade é que Darwin ofereceu três passes para finalização, o máximo do jogo (a par de Rafa e Gilberto), um deles uma ocasião flagrante com 27% de probabilidades de concretização, desperdiçada por Pizzi.

[ Darwin realizou um jogo com falhas mas também virtudes, que até podiam ter tido consequência no marcador ]

GoalPoint-Benfica-Pacos-Liga-NOS-202021-MVP
Clique para ampliar

Sendo verdade que Darwin perdeu demasiadas posses (19 perdas, metade das que teve), sem que isso seja explicado pelo número de remates que fez (somou seis maus controlos de bola, registo elevado), o uruguaio registou três dribles eficazes (máximo do jogo) aos passes-chave que fez, todos eles no último terço ofensivo.

Jesus tem “meia” razão: o uruguaio falhou na concretização mas até podia ter assistido
Darwin esteve “meio dentro dela” ✅❌

Rafa Silva 🇵🇹

A inclusão de Rafa nos “fora dela” por parte de Jesus é a que mais nos surpreende, mesmo não tendo o avançado feito um jogo extraordinário. A estranheza não resulta sequer do facto de o ex-Braga ter concretizado o golo que relançou o Benfica na busca pela vitória, já na segunda parte, mas sim por ter liderado vários indicadores essenciais ao triunfo “encarnado”. Rafa foi:

– o mais rematador (3)
– o único jogador do Benfica com dois disparos enquadrados (máximo do jogo)
– um dos três “encarnados” a somar três passes-chave (máximo do jogo)
– ofereceu uma ocasião flagrante logo a abrir (perdida por Darwin)
– o jogador da partida com mais dribles eficazes (6)
– o único de dois jogadores (c/ Darwin) a somar 3 dribles eficazes no último 1/3

GoalPoint-Benfica-Pacos-Liga-NOS-202021-MVP
Clique para ampliar

Sendo verdade que Jesus enquadrou a sua avaliação de Rafa no capítulo do passe (quiçá num momento “instant regret”), nem essa particularização sustenta a avaliação negativa: Rafa acertou 22 dos 29 passes que tentou, com um acerto de 75% totalmente satisfatório para a sua função, sobretudo tendo em conta que não falhou qualquer passe de risco para a sua equipa.

Jesus não tem razão: Rafa esteve “dentro dela” ✅

 

Outros “fora dela”?

Não tendo o Benfica realizado um jogo fácil, existem outros jogadores “encarnados” cujo desempenho foi bem mais “fora dela”, quando colocado lado a lado com as expectativas, num plano equiparável ao já referido Everton. Eis alguns exemplos:

Julian Weigl 🇩🇪
45 minutos
certeza no passe (89% em 45 tentativas), mas sem qualquer passe ofensivo valioso
apenas 3 acções defensivas

Pizzi 🇵🇹
45 minutos
Uma ocasião flagrante perdida (2 remates)
Apenas 18 passes (16 certos) e apenas 2 deles ofensivos valiosos
0 acções defensivas

Seferovic 🇨🇭
45 minutos
Apenas 15 acções com bola, 5 delas resultando em perda de posse
Apenas um remate, numa ocasião flagrante perdida

Hesitámos em colocar Gabriel neste capítulo pois, apesar de tudo, o brasileiro assistiu o golo da vitória, mas a verdade é que também esteve longe de somar um jogo bem conseguido: a assistência (fundamental) foi o seu único passe para finalização e, no plano oposto, liderou entre os “encarnados” como o jogador que falhou mais passes considerados de risco para a sua equipa (4).

E Gilberto 🇧🇷, esteve tão bem com Jesus afirmou?

Por oposição aos jogadores que considerou “fora dela”, Jesus destacou a exibição de Gilberto, o reforço 20/21 cujo desempenho tem gerado discussão entre adeptos e especialistas. E a verdade é que os analytics sustentam o elogio “jesuíta” por inteiro. O lateral igualou Rafa e Darwin como “águias” com mais passes para finalização (3), com a particularidade de duas delas terem correspondido a ocasiões flagrantes.

“Gil” foi ainda o jogador com mais passes ofensivos valiosos do jogo (5) e mais acções defensivas (15), tendo perdido apenas 14 das 83 posses de que dispôs. Já acabou? Não, o brasileiro concretizou com sucesso os dois dribles que realizou e entregou 83% dos 51 passes que tentou.

Jesus tem razão: Gilberto foi claramente um dos melhores e não choca que, no entender do mister, tenha sido mesmo o melhor

[ Os GoalPoint Ratings e as tendências de passe do Benfica 2 – 1 Paços ]

Conclusão? Os dados são úteis e consolidam a confiança

Mais do que iniciarmos aqui uma missão de “polígrafo” de treinadores, o objectivo principal deste interessante exercício passa por demonstrar a utilidade e complementaridade que os analytics podem oferecer, na avaliação de desempenho dos atletas. A experiência própria, vivida no contexto dos projectos GoalPointPro que desenvolvemos com clubes e treinadores, permitem-nos sublinhar que a avaliação objectiva e fundamentada do desempenho é, muitas vezes, um ponto de consolidação ou perda da confiança entre o “mister” e o jogador, no futebol moderno. Os analytics, e quem os sabe analisar, estão cá para ajudar.

GoalPoint
GoalPoint
O GoalPoint.pt é um site produzido pela GoalPoint Partners, uma start-up especializada em análise estatística de futebol, que oferece serviços dirigidos a profissionais, media, patrocinadores/anunciantes e adeptos.