GoalPoint-Benfica-Moreirense-LIGA-NOS-201718-Ratings
Clique para ampliar
GoalPoint-Benfica-Moreirense-LIGA-NOS-201718-MVP
Clique para ampliar
GoalPoint-Benfica-Moreirense-LIGA-NOS-201718-90m
Clique para ampliar

O Benfica garantiu este domingo o segundo lugar na Liga NOS e um lugar na terceira pré-eliminatória da Liga dos Campeões, ao vencer em casa o Moreirense por 1-0 – beneficiando da derrota do Sporting na Madeira, com o Marítimo, por 2-1. Num jogo com apenas alguns momentos de bom futebol, as “águias” dominaram por completo em termos de posse de bola, mas não foram devidamente eficazes no último terço, enquadrando apenas dois de dez remates. Um penálti apontado por Jonas – que terminou como goleador maior do campeonato – serviu para somar os três pontos.

Resumo💻

O Jogo explicado em Números 📊

  • Entrada determinada por parte do Benfica, que por volta dos dez minutos registava incríveis 87% de posse de bola, 85% de eficácia de passe, mas somente um remate, por Álex Grimaldo, desenquadrado. O Moreirense apresentava-se muito fechado, o que complicava a vida aos “encarnados”.
  • O domínio benfiquista era avassalador aos 20 minutos, com 85% de posse e 173 passes realizados, para apenas 34 dos homens de Moreira de Cónegos. A equipa da casa registava também quatro remates, mas nenhum enquadrado com a baliza de Jhonatan Luiz. O Moreirense não havia tentado qualquer disparo nesta fase.

  • Aos poucos o jogo começou a perder intensidade, por falta de espaços e por ausência de ideias dos benfiquistas para resolverem esse problema. Por volta da meia-hora a posse de bola dos da casa continuava a cifrar-se acima dos 80%, com quatro cantos e cinco remates, todos para fora. O Moreirense registava um canto e continuava sem rematar.
  • Nesta altura, o central cónego Alfa Semedo era o melhor em campo, com um rating de 6.1, fruto de dez acções defensivas – entre elas quatro intercepções e outros tantos alívios.

  • O primeiro remate enquadrado da partida surgiu apenas aos 33 minutos, por Jonas – o sétimo disparo das “águias” na partida. Muito pouco para quem precisava de ganhar para sonhar com o segundo lugar. O primeiro remate do Moreirense aconteceu aos 42 minutos, por Tozé, num livre directo, que não passou da barreira benfiquista.
  • Intervalo Nulo ao intervalo a premiar a grande solidez defensiva do Moreirense, muito recuada e sem dar espaços, e a castigar a falta de ideias e presença na área por parte do Benfica. Os “encarnados” dominaram por completo, com 78% de posse de bola no primeiro tempo, sete remates, mas apenas um enquadrado. À falta de espaços, o Benfica optou por colocar a bola na área contrária sem nexo, sendo Jonas presa fácil para uma defesa contrária que não tinha cerimonias para afastar – 18 alívios no total. O melhor em campo nesta altura era Alfa Semedo, com um GoalPoint Rating de 6.5, fruto de 12 acções defensivas, entre elas cinco alívios e quatro intercepções, tendo ganho os quatro duelos que disputou.

  • Reentrada do Benfica com mais velocidade e dinâmica ofensiva, que acabou por dar frutos aos 52 minutos. Grimaldo entrou na área pela esquerda, cruzou e o árbitro assinalou braço na bola de Alfa Semedo. No penálti, Jonas atirou a contar para o 1-0. Foi o 34º golo do brasileiro no campeonato.
  • O Moreirense viu-se na obrigação de atacar, pelo que à passagem da hora de jogo registava 31% de posse, referentes à segunda parte – uma melhoria em relação aos 22% da etapa inicial. E somava também três disparos, mais um que o Benfica, só que apenas um enquadrado.

  • Os cónegos melhoraram em praticamente todas as variáveis do seu futebol ofensivo, registando 38% de posse nos primeiros 25 minutos do segundo tempo e 76% de eficácia de passe, contra os 61% do primeiro tempo. Do lado das “águias”, Zivkovic ia-se destacando em alguns momentos de jogo, como nos cruzamentos (4) e os dribles (dois certos em quatro tentativas).

  • Jogo descansado para os guarda-redes. Por volta dos 80 minutos, tanto Bruno Varela como Jhonatan registavam somente uma defesa cada, uma vez que apenas aconteceram três remates enquadrados até então. Muito pobre.

O Homem do Jogo 👑

Num jogo sem grandes rasgos individuais, o sérvio Zivkovic acabou por ser o melhor da partida no Estádio da Luz. Ainda assim, sem uma daquelas exibições de empolgar a bancada. O médio tentou seis vezes o cruzamento, tendo sido eficaz em dois, e completou dois de quatro dribles. Para além disso, colocou a bola oito vezes na área contrária e ainda registou quatro desarmes. Tudo somado, registou um GoalPoint Rating de 6.3.

Jogadores em foco 🔺🔻 

  • Luisão 6.3 – A forma como o brasileiro se despediu dos adeptos pode fazer supor que este terá sido o derradeiro jogo do capitão benfiquista de águia ao peito. Se foi, então fê-lo com qualidade. O defesa-central esteve imperial nos duelos individuais, tendo ganho dez de 14, e oito de dez aéreos. E ainda registou oito acções defensivas.
  • Alfa Semedo 6.2 – O guineense estava a ser o melhor em campo quando cometeu uma grande penalidade, aquela que acabou por decidir a partida. Mas, tirando isso, o central realizou uma excelente partida, tendo ganho todos os três duelos aéreos que disputou e realizado 20 acções defensivas, entre elas oito intercepções e nove alívios.
  • Álex Grimaldo 6.1 – Jogo muito energético do espanhol, um dos mais inconformados em campo. O lateral completou duas de quatro tentativas de drible e foi o jogador com mais acções com bola, nada menos que 101.
  • Rafael Costa 5.8 – O médio esteve muito activo, também a atacar. Com dois remates (um enquadrado), um passe para finalização e um drible eficaz, não deixou de colocar em sentido a equipa benfiquista. E ainda registou quatro acções defensivas.
  • Jonas 5.6 – O autor do golo decisivo. Jonas terminou com 34 golos na prova, sendo o melhor marcador. Frente ao Moreirense registou três disparos, dois deles enquadrados, mas desperdiçou uma ocasião flagrante.

GoalPoint-T-shirts-2017-banner