Benfica 🆚 Porto | Empate com sabor a derrota para rivais 🥶

-

GoalPoint-Benfica-Porto-Liga-NOS-202021-Ratings
Clique para ampliar

TotoRating Banner

Um empate com sabor a derrota para Benfica e FC Porto, no “clássico” da 31ª jornada da Liga NOS. Na tarde desta quinta-feira, “águias” e “dragões” anularam-se e não foram além de um 1-1, que deixa os dois emblemas quase afastados dos objectivos que tinham para esta fase final do campeonato. Os lisboetas permanecem a quatro pontos do segundo lugar, já os nortenhos estão a oito do Sporting, que está a um pequeno passo de arrebatar o título. Everton abriu a contagem, mas Uribe empatou uma partida na qual o árbitro Artur Soares Dias teve um dia de muito trabalho.

Resumo 📺

O jogo explicado em números 📊

  • Nos “encarnados”, Jorge Jesus voltou a apostar no esquema com três centrais: Otamendi (após cumprir castigo diante do Tondela) foi titular, Weigl (na vaga de Gabriel) fez companhia a Pizzi no centro do terreno, e na frente, Rafa, Seferovic e Everton foram os eleitos. Nos “azuis”, distribuídos no habitual 1x4x4x2, Sérgio Conceição chamou Luis Díaz para a vaga do lesionado Corona.  

  • Duelo intenso no relvado da Luz. Os anfitriões tinham mais bola (67% da posse), ao passo que os forasteiros tentavam chegar à baliza contrária, dando poucos toques no esférico. No primeiro quarto-de-hora, realce para um remate perigoso de Luis Díaz (5′) e para um cabeceamento de Otamendi (12′) que Uribe travou no momento certo.

  • Perto do minuto 20, na sequência de um centro de Marega, por muito pouco Taremi não abriu a contagem. Valeu ao Benfica a pronta reacção de Lucas Veríssimo, que desviou a bola do raio de acção do iraniano. Porém, três minutos volvidos, houve mesmo golo…
  • Numa excelente iniciativa, Everton tirou Mbemba e Sérgio Oliveira do caminho, combinou com Rafa e, com um remate colocado, bateu Marchesín e assinou o 1-0 na segunda vez que os lisboetas conseguiram finalizar. Foi o sexto golo do internacional brasileiro nesta edição da Liga NOS.

  • Mas explorando o lado esquerdo defensivo do Benfica, o FC Porto voltou à carga, Manafá deixou Grimaldo para trás, centrou e valeu Helton Leite a impedir que a bola chegasse a Taremi. Não obstante a vantagem, a equipa de JJ não conseguia desenvencilhar-se da pressão adversária – Otávio, Marega e Taremi faziam uma marcação cerrada a Vertonghen, Otamendi e Lucas Veríssimo – e abusava do futebol directo e dos passes longos, quase sempre sem sucesso.
  • Muito se ouviu o apito de Artur Soares Dias, pois aos 30 minutos já tinham sido assinaladas 14 faltas (sete para cada lado). Everton, com um um remate, um golo, 11 acções com a bola e duas faltas sofridas, era a melhor unidade com um rating de 6.3

  • Em desvantagem, o conjunto da Invicta assumiu as rédeas do “clássico” e começou a rondar o último reduto “encarnado”. Marega ainda atirou ao poste (33′), mas o lance foi anulado por fora-de-jogo do maliano; Uribe atirou por cima do alvo (34′), além disso a equipa tinha mais remates (cinco contra dois) e mais posse de bola – 51% versus 49%.

  • Em cima do intervalo, Manafá derrubou Rafa, foi assinalada grande penalidade, mas após auxílio do VAR, o lance foi anulado por fora-de-jogo do extremo benfiquista, que estava adiantado 19 cm. 

  • Intervalo No único remate – em sete, dois para as “águias” e cinco para os “dragões” – enquadrado em 46 minutos, surgiu o golo que fazia a diferença no marcador. À passagem do minuto 23, Everton assinou um excelente tento que dava vantagem aos “encarnados”, que foram eficazes, apesar de nunca terem conseguido controlar as incidências. O melhor elemento em cena nesta fase era o antigo jogador do Grémio de Porto Alegre, com GoalPoint Rating de 6.4, que premiava, além do golo, 16 acções com a bola, um drible com êxito em três tentados, três recuperações da posse, um desarme, uma intercepção e duas faltas sofridas.

  • Logo a abrir a segunda metade, Rafa definiu mal um contra-ataque potencialmente perigoso. À oitava tentativa, os “azuis-e-brancos” enquadraram um remate, mas Helton Leite mostrou reflexos e deteve um tiro de Marega (50′). A seguir, Zaidu cabeceou ao lado na sequência de um canto batido por Sérgio Oliveira e depois, aos 56 minutos, Diogo Gonçalves caiu na área portista. Numa primeira instância foi assinalada falta, mas o juiz Soares Dias reverteu a decisão com o auxílio do VAR.

  • Os dois treinadores começaram a mexer, JJ trocou Weigl (amarelado) e Rafa (em inferioridade física) e apostou em Gabriel e Taarabt, numa tentativa de começar a controlar o “clássico” tendo a bola, ao passo que Sérgio Conceição apostou em Toni Martínez e João Mário e retirou Marega e Zaidu com o objectivo de refrescar o ataque e imprimir outra dinâmica nos corredores.

  • A 15 minutos dos 90, chegou o empate. João Mário fintou Taarabt, cruzou atrasado onde estava Uribe, que rematou e bateu Helton Leite, apontando o quinto golo em toda a época, o quarto no campeonato. Foi o 11º remate dos “dragões”, o sexto nesta etapa complementar.

  • O perigo rondou as duas balizas. Primeiro, os suplentes Francisco Conceição e Evanilson não conseguiram definir e, na resposta, do médio da rua, Taarabt quase bateu Marchesín, que defendeu e levou a bola a embater nos ferros. A seguir, Pizzi viu Manafá roubar-lhe a glória.

  • Com o jogo completamente partido, foram os “encarnados” a fazer a festa momentaneamente. Pizzi ainda festejou, mas após consulta do VAR, o árbitro Artur Soares Dias anulou a jogada por fora-de-jogo de Darwin Núñez por 30 cm. 

  • Num embate nem sempre bem jogado, apenas nos minutos finais houve emoção, com ambos os conjuntos em busca de mais um golo que nunca surgiu. O empate deixa o Sporting à beira de um título que lhe foge há 19 anos, o FC Porto próximo de carimbar o acesso directo à fase de grupos da Liga dos Campeões e o Benfica à espera de um milagre para ficar na vice-liderança da competição. Há seis “clássicos” consecutivos que os “azuis-e-brancos” não perdem ante o rival da Luz, somando quatro triunfos e dois empates. Na Luz, os “encarnados” apenas saíram vitoriosos em uma das sete recepções aos portistas. 

O melhor em campo GoalPoint👑

Que pulmão de Uribe. O colombiano rubricou uma exibição de excelência no “clássico” e foi sem surpresa que levou para casa o título de MVP. Além do golo apontado, que surgiu num dos três remates que fez, encheu o campo amealhando dois passes para finalização, acertou metade dos dez passes longos tentados, teve 69 acções com a bola, três das quais na área contrária, foi perfeito no capítulo dos dribles (três em três), recuperou a posse em nove ocasiões (máximo na partida), fez três intercepções, dois desarmes e duas acções defensivas no meio-campo adversário. Por tudo isto, mais pela forma como assumiu as rédeas do jogo da equipa, Uribe foi o melhor em campo com um GoalPoint Rating de 8.6.  

Jogadores em foco 🔺🔻

  • Luis Díaz 6.8 – Titular face à lesão de Corona, foi dos melhores elementos em campo, imprimindo velocidade e imprevisibilidade aos ataques do FC Porto e ainda ajudou nas tarefas defensivas. O extremo foi autor de três remates (dois desenquadrados), nove passes valiosos, falhou apenas um dos 31 passes feitos (eficácia de 97%), gizou quatro acções com a bola na área benfiquista, sofreu seis faltas (máximo no jogo) e recuperou a posse em seis ocasiões.
  • Otávio 6.8 – Foi outra das vozes de comando dos ainda campeões nacionais, remando contra a maré nas fases em que a vantagem era do Benfica, com dois passes para finalização, oito passes valiosos, nove passes progressivos certos, 81 acções com a bola (máximo no encontro e que atesta a importância do médio) e sofreu três faltas. Como factor negativo, as 22 perdas de bola (registo máximo na Luz nesta quinta-feira).
  • Everton 6.3 – Pela segunda jornada consecutiva fez o gosto ao pé, numa excelente incursão, a fazer recordar os movimentos que fazia no Grémio e na selecção do Brasil. Na etapa final perdeu gás e acabou por ser substituído.
  • Grimaldo 6.0 – Poucas vezes surgiu no ataque, passando mais vezes em missões defensivas. Das stats do espanhol, destacámos os dois duelos aéreos defensivos que ganhou em três tentativas, seis desarmes e dois alívios.
  • Marega 5.9 – Nem sempre decide da melhor forma, mas voltou a lutar e foi o autor do primeiro remate enquadrado do FC Porto, já no decurso da etapa final. Além disso, teve quatro acções com a bola dentro da área adversária e sofreu duas faltas. Como aspectos negativos, as oito vezes em que perdeu a posse e os três maus controlos de bola.
  • João Mário 5.9 – Ligado umbilicalmente ao tento do empate, o jovem ala aproveitou da melhor forma os 25 minutos de tempo de jogo que teve. Além da assistência, amealhou um remate, dois passes para finalização, dois desarmes e foi 100% eficaz nos nove passes que fez.
  • Seferovic 5.0 – Jogo inglório do suíço que esteve quase sempre sozinho perante Pepe e Mbemba. Prova disso, não registou nenhum remate, acumulou, ainda, quatro maus controlos de bola e cometeu três faltas.

GoalPoint
GoalPoint
O GoalPoint.pt é um site produzido pela GoalPoint Partners, uma start-up especializada em análise estatística de futebol, que oferece serviços dirigidos a profissionais, media, patrocinadores/anunciantes e adeptos.